AstraZeneca: fundos públicos financiaram vacina em 97%?

| 15 Abr 2021

Os autores do estudo concluem que foram dfundos públicos a financiar quase toda a investigação e desenvolvimento da vacina. Foto © BaLL LunLa/Shutterstock

 

Fundos públicos com diversas origens financiaram pelo menos 97% dos custos de investigação e desenvolvimento que permitiram a criação e o lançamento da vacina anti-covid-19 do grupo Oxford/AstraZeneca. A conclusão faz parte de um estudo, publicado a 10 de abril, por investigadores da Universities Allied for Essential Medicines, ainda não sujeito a qualquer revisão por outros cientistas.

A confirmar-se esta análise, cai por terra o principal argumento utilizado pelos que se opõem à suspensão das patentes das vacinas. A suspensão visa torná-las do domínio público para que possam ser produzidas em massa em todos os laboratórios farmacêuticos do mundo com capacidade para tal. Contra os repetidos apelos do Papa Francisco, dos governantes de mais de 100 países e de uma multiplicidade de organizações da sociedade civil, os governos dos países mais ricos em que as vacinas foram desenvolvidas e são produzidas, têm-se oposto a essa suspensão das patentes. O seu principal argumento radica na ideia de que as multinacionais farmacêuticas têm de recuperar os investimentos feitos para criarem as vacinas com a sua venda exclusiva.

O argumentário foi também recentemente utilizado no debate parlamentar de 8 de abril pela deputada Ana Rita Bessa (CDS/PP) que contestou que as vacinas pudessem ser “consideradas um bem público”, pois “se não tivesse havido investimento privado não teríamos vacinas”. Segundo aquela deputada, os dinheiros públicos apenas teriam contribuído para cobrir os custos de desenvolvimento da vacina da AstraZeneca em 20%, como noticiou o 7MARGENS.

Também Boris Johnson, citado pelo The Guardian, concluiu uma reunião via zoom realizada a 23 de março com alguns dos deputados do seu partido, afirmando: “É por causa do capitalismo, por causa da ganância, que, meus amigos, tivemos sucesso com a vacina.” O primeiro-ministro glosava desta forma o célebre lema “ganância é bom”, dos conservadores britânicos, durante os anos oitenta do século passado.

 

Acesso às patentes sem fim à vista
Comunidade Hindu, Covid-19,

Vacinação contra a covid-19 no centro da Comunidade Hindu, em Lisboa: houve inúmeros obstáculos para conseguir reunir informação, acusam os autores do estudo. Foto: Direitos reservados

 

Os autores do estudo identificaram inúmeras dificuldades para poderem estabelecer com rigor os financiamentos envolvidos na investigação e desenvolvimento da vacina. Algumas provêm do próprio método de investigação científica que se baseia em hipóteses e processos desenvolvidos na Universidade de Oxford e em unidades autónomas dela dependentes desde 2010. Outras radicam na falta de transparência da prestação de contas quanto à aplicação concreta dos fundos públicos recebidos.

De acordo com os dados que conseguiu reunir, o estudo conclui que durante a década (2011-2021) de investigação dos processos que conduziram ao desenvolvimento da vacina, o Governo britânico contribuiu com 38,9 milhões de libras (perto de 45 milhões de euros), governos estrangeiros (incluindo UE e Administração americana) com o equivalente a 30 milhões de euros, organizações sem fins lucrativos com 26 milhões de euros, enquanto os apoios vindos de parcerias público-privadas totalizaram 15 milhões. A indústria farmacêutica terá, durante esse período, feito donativos num montante inferior a 2,3 milhões de euros, ou seja, 1,9 por cento do total de contribuições.

A Universities Allied for Essential Medicines a que pertence o grupo de investigadores que realizou o estudo define-se como “um movimento de estudantes” que tem por objetivo “criar um sistema de saúde mais equitativo capaz de responder às necessidades daqueles a quem é negado o acesso a medicamentos e a cuidados médicos essenciais”.

Na síntese que faz do estudo, o jornal The Guardian recorda a afirmação inicial da Universidade de Oxford garantindo que “qualquer vacina” que viesse a desenvolver seria “aberta para ser produzida, sem qualquer pagamento de ‘royalties’, por qualquer laboratório certificado para o fazer” e vendida a “preço de custo, ou apenas com uma pequena margem de lucro”. Contrariando essa declaração inicial, “em agosto de 2020” já era público que Oxford “tinha fechado um acordo de licenciamento em exclusividade com a farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca.”

 

Quando os padres não abusadores são as vítimas colaterais dos abusos do clero

Encontro “Cuidar” em Lisboa

Quando os padres não abusadores são as vítimas colaterais dos abusos do clero novidade

“O que encontramos assusta-me: desilusão, depressão, crise existencial, perda de identidade, fim da relação entre presbíteros, perda de confiança na instituição e na hierarquia.” O diagnóstico cáustico é feito ao 7MARGENS pelo padre inglês Barry O’Sullivan, 61 anos, da diocese de Manchester, que estudou o impacto dos abusos sexuais entre os padres não abusadores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

Luz e negrume

Luz e negrume novidade

As obras de Pedro Costa, cineasta, Rui Chafes, escultor, e Paulo Nozolino, fotógrafo, e de Simon Hantaï, artista plástico, estão expostas em Paris, respectivamente no Centre Georges Pompidou e na Fundação Louis Vitton. Um autor, identificado como Anonymous, estabelece com elas um diálogo em dois poemas traduzidos por João Paulo Costa, investigador na área de filosofia e autor de À sombra do invisível (Documenta, 2020).

Paróquia de Nossa Senhora da Hora: Ouvir os leigos na nomeação de padres e bispos

Contributos para o Sínodo (23)

Paróquia de Nossa Senhora da Hora: Ouvir os leigos na nomeação de padres e bispos novidade

Os leigos devem ser ouvidos nos processos de nomeação de párocos e de escolha dos bispos e a Igreja deve ter uma lógica de reparação da situação criada pelos abusos de menores. Evitar o clericalismo e converter os padres a uma Igreja minoritária, pobre, simples, dialogante, sinodal é outra das propostas do Conselho Paroquial de Pastoral da Paróquia de Nossa Senhora da Hora (Matosinhos).

Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma

Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma novidade

A saúde mental dos jovens tem-se vindo a tornar, aos poucos, num tema com particular relevância nas reflexões da sociedade hodierna, ainda que se verifique que estas possam, muitas das vezes, não resultar em concretizações visíveis e materializar em soluções para os problemas que afetam os membros desta mesma sociedade. A verdade é que, apesar de todos os esforços por parte dos profissionais de saúde e também das pessoas, toda a temática é, ainda, envolvida por uma “bolha de estigmas”, o que a transforma numa temática-tabu.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This