Segurança reforçada nas mesquitas de Lisboa depois do ataque terrorista na Nova Zelândia

| 15 Mar 19

A Mesquita Al Noor, um dos dois alvos do ataque, numa foto de arquivo; Foto © página da Associação Muçulmana de Canterbury, NZ, no Facebook

 

As autoridades portuguesas reforçaram ligeiramente a segurança junto das mesquitas de Lisboa, depois dos atentados de ontem em duas mesquitas de Christchurch, Nova Zelândia, que provocaram pelo menos 49 mortos. “Todas as sextas-feiras [principal dia de oração dos muçulmanos] a polícia está presente junto da mesquita, mas desta vez sentimos que a presença era um pouco mais significativa”, disse ao 7MARGENS Mahomed Abed, um dos responsáveis da Comunidade Islâmica de Lisboa (CIL). 

O ambiente na mesquita, na oração da hora de almoço – aquela que mais pessoas reúne, às sextas-feiras – era de consternação e tristeza: “As pessoas comentavam que se tinha passado, tristes com o que já tinham ouvido” nos noticiários da manhã, disse ainda Abed. Os responsáveis da CIL receberam, entretanto, várias manifestações de pesar e solidariedade, incluindo do embaixador de Israel em Lisboa. 

Um telegrama do Papa Francisco, divulgado pelo Vaticano nesta sexta-feira e assinado pelo secretário de Estado do Vaticano, Pietro Parolin, expressa também a sua “profunda tristeza pelos ferimentos e vidas perdidas causadas pelos atos de violência sem sentimento nas duas mesquitas em Christchurch”. O Papa expressou ainda a sua solidariedade com todos os neozelandeses e, em particular, com a comunidade muçulmana.

Também o cardeal Vincent Nichols, de Westminster (Inglaterra) e a Comunidade de Santo Egídio, movimento católico sediado em Roma que dá prioridade ao diálogo ecuménico e inter-religioso, expressaram o “choque” pelo sucedido. Santo Egídio apelou a que as sociedades ocidentais combatam o ódio contra os muçulmanos e o islão, ao mesmo tempo que manifestava as “profundas condolências” às vítimas

O ataque foi considerado pelas autoridades neozelandesas como um ato terrorista e descrito pela primeira-ministra do país como “um ato de violência extraordinária e sem precedentes”. Terá sido levado a cabo por três homens e uma mulher, sendo que os quatro já se encontram em custódia policial.

Os dois locais de culto atingidos pelo ataque foram a mesquita Al Noor e a mesquita Linwood, a cerca de cinco quilómetros de distância uma da outra. Para ajudar os feridos, mortos e famílias o Comité Internacional da Cruz Vermelha criou uma página com os nomes das pessoas desaparecidas ou que foram encontradas e registadas.

Na altura dos ataques, Mike Bush, comissário da polícia neozelandesa, alertou a que as pessoas não se dirigissem de novo às mesquitas do país durante o dia de sexta-feira. Os lugares de oração muçulmana do país foram fechados até outras indicações. 

Segundo o The New York Times, um dos suspeitos tem 28 anos e é de nacionalidade australiana. O homem colocou um vídeo no Facebook onde filmou o seu caminho até à mesquita e o desenrolar de todo o ataque. Nesse vídeo, de 17 minutos, é possível ver o sujeito a aproximar-se da mesquita a pé e a começar a disparar para as pessoas à entrada do edifício. O atacante volta a sair da mesquita para ir buscar outra arma ao carro e volta a entrar na mesma, disparando contra mais pessoas. Depois de alguns minutos entra no veículo e vai-se embora.

O mesmo foi já associado como um “troll” da internet, imerso na cultura e fóruns da extrema-direita – onde terá colocado um manifesto de 87 páginas – motivado por um desejo de incitar violência e discórdia entre etnias e eliminar os “invasores” que ameaçam “substituir” os caucasianos.

O seu manifesto já foi considerado, por um especialista em terrorismo sueco “muito semelhante”, ainda que “mais desleixado”, ao manifesto publicado por Anders Behring Breivik, o nacionalista norueguês que matou 77 pessoas num acampamento de verão dos jovens socialistas, numa ilha, em 2011.

Na rede social 8chan, considerada uma comunidade online dominada pela extrema-direita, o mesmo colocou uma imagem com a frase “screw your optics”, a mesma que tinha sido utilizada por Robert Bowers, o atirador da sinagoga de Pittsburgh (EUA), em outubro passado. No 8chan, o vídeo do ataque na Nova Zelândia foi divulgado e o seu autor considerado um herói.

Nos últimos 18 meses, várias empresas tecnológicas têm prometido mais salvaguardas para assegurar que conteúdo violento não é distribuído nos seus sites. Mas essas medidas não foram suficientes para travar a publicação do vídeo ou do manifesto do autor do crime.

Este texto teve o contributo de António Marujo

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

Breves

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

Boas notícias

Polícia da moralidade encerrada no Irão

Protestos a produzir efeitos

Polícia da moralidade encerrada no Irão novidade

A ausência de polícia de moralidade nas ruas de Teerão e de outras grandes cidades iranianas nos últimos meses alimentaram a especulação que foi confirmada na noite de sábado pelo Procurador-Geral do Irão, Mohammad Jafar Montazeri, de que a polícia havia sido desmantelada por indicação “do próprio local onde foi estabelecida”.

É notícia 

Entre margens

Um Deus mergulhado na nossa humanidade

Um Deus mergulhado na nossa humanidade novidade

Diante de uma elite obcecada pelo ritualismo de pureza, da separação entre puros e impuros, esta genealogia revela-nos um Deus que não se inibe de operar no ordinário e profano, que não toma preferência alguma acerca daqueles que se assumem categoricamente como sendo corretos, puros de sangue ou mesmo como pertencentes a determinada etnia ou género.

Desarmar-se

Desarmar-se

Sinto-me um pouco embaraçada. Perguntam-me: como correu o encontro com os meus amigos no Porto e, afinal de contas: o que é isto de “Juntos pela Europa”? O que é que 166 pessoas de 19 países diferentes, de 45 movimentos e comunidades de oito igrejas, podem fazer em conjunto, quando “os semelhantes atraem os semelhantes” e a diversidade é raramente – ou talvez nunca – uma força de coesão? E sem falar das diferentes visões geopolíticas, culturais, históricas, confessionais e, além disso: o que farão agora os russos e os ucranianos, que também estiveram presentes?

Cultura e artes

Lev Nikolaievitch Tolstoi: só o amor dá sentido à vida

[Saborear os clássicos] (xi)

Lev Nikolaievitch Tolstoi: só o amor dá sentido à vida

Lev Tolstoi nasceu numa família da alta aristocracia. É o escritor russo mais célebre. Contrastando com a eslavofilia de Dostoiévski, Tolstoi pretendeu sempre unir a Rússia à Europa, para onde viajou com frequência. No fim da vida, correspondeu-se com Gandhi, muito mais novo do que o escritor, cativado pela ideologia da não-violência.

À espera

[Os dias da semana]

À espera

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Sete Partidas

Desobediência

Desobediência

Recentemente fui desafiada a algo que não esperava. Provavelmente deveria começar a ensinar a minha filha a prevaricar, disse-me o meu pai. Foi a palavra escolhida. O sentido era o de rebeldia, de desobediência. Eu fiquei a pensar.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This