Atenção às periferias e luta contra abusos sexuais e racismo nas escolhas do Papa para 13 novos cardeais

| 25 Out 20

Wilton Gregory, arcebispo de Washington: o arcebispo condenou vigorosamente o abuso que Trump fez de símbolos religiosos. Foto reproduzida do Twitter da diocese de Atalanta.

 

O Papa Francisco anunciou no domingo, no final da alocução do Angelus, a nomeação de 13 novos cardeais, nove dos quais com menos de 80 anos, o que significa que poderão votar num eventual conclave. O consistório para a formalização da nomeação será realizado a 28 de Novembro, véspera do início do novo ano litúrgico católico, com o começo do Advento.

As escolhas recaíram sobre o arcebispo Wilton Gregory, de Washington (Estados Unidos), Antoine Kambanda, de Kigali (Ruanda); José Fuerte Advincula (Capiz, Filipinas); Celestino Aós Braco (Santiago do Chile); frei Mauro Gambetti, guardião do Sacro Convento de Assis; Cornelius Sim (Brunei); Paolo Lojudice (Siena, Itália). A lista integra ainda dois novos responsáveis da Cúria: o secretário do Sínodo dos Bispos, o maltês Mario Grech, e o italiano Marcello Semeraro, ex-bispo de Albano e novo prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, depois da saída de Angelo Becciu, suspeito de envolvimento em casos de corrupção.

Wilton Gregory, 72 anos, de Washington, um dos poucos bispos afro-americanos e o primeiro desse grupo étnico a ser nomeado para tal cargo, é porventura uma das escolhas mais significativas. Mesmo se é normal que o arcebispo da capital federal dos EUA seja nomeado cardeal, ela é também um sinal claro do Papa, no sentido de apoiar as posições da liderança católica – e de Gregory, em concreto – no sentido da defesa de uma maior justiça racial.

Gregory, que era considerado um homem moderado, não hesitou em condenar fortemente o uso de um santuário católico e de uma igreja protestante por parte do actual Presidente dos EUA, na sequência dos protestos contra a morte, do afro-americano George Floyd, asfixiado por um polícia. No início de Junho, Trump fez-se fotografar com uma Bíblia na mão e junto a uma estátua de João Paulo II, o que lhe mereceu fortes críticas de vários líderes católicos e protestantes, como o 7MARGENS noticiou.

No Washington Post, John Carr, que trabalhou com o novo cardeal durante 20 anos, diz que numa altura “em que o racismo está a dilacerar” o país, Gregory “tem sido uma voz consistente e persistente pela dignidade de todos – pelas vidas de negros, pela justiça racial e reconciliação”. E acrescenta: “Precisamos de cura, e o facto de o Papa Francisco reconhecer a sua liderança é um sinal de esperança.” O novo cardeal é um “pastor atencioso, um líder tranquilo e uma voz corajosa quando Washington e o país precisam dos três”, diz Carr.

Por outro lado, o arcebispo de Washington é conhecido também por ter sido um dos arquitectos da luta da Igreja Católica no país contra os abusos sexuais do clero e o encobrimento da parte de muitos bispos. Na altura da sua nomeação para a capital, em Abril de 2019, o National Catholic Reporter falava dele como um grande pastor para Washington.

Já na altura da sucessão, aliás, o actual arcebispo substituiu Donald Wuerl, que se demitira na sequência da apresentação do relatório do Grande Júri de Filadélfia de 2018, onde o seu nome aparecia como suspeito de ter lidado mal com casos de abuso.

 

Luta contra a pedofilia e periferias

A luta contra pedofilia de membros do clero está também por detrás da nomeação de Aós Braco, um dos bispos chilenos considerados mais empenhados nessa tarefa, depois dos escândalos que abalaram o catolicismo do país.

Outra escolha importante é a do padre Gambetti, guardião das basílicas de Assis. Foi nesta cidade que, no início do mês, o Papa assinou a sua nova encíclica, Fratelli Tutti. O nome que escolheu para o exercício do pontificado, que remete para Francisco de Assis, faz da cidade do Poverello uma referência deste pontificado, que deve ser destacada, ainda mais quando a escolha recai sobre um padre.

Dois outros padres estão, aliás, na lista, embora tenham mais de 80 anos e já não possam votar num eventual conclave: são eles Enrico Feroci, responsável de um santuário em Castel di Leva, na periferia sul de Roma; e Raniero Cantalamessa, que durante mais de 20 anos foi o pregador da Casa Pontifícia.

As nomeações de um cardeal ruandês e um outro filipino traduzem, de novo, a atenção de Francisco às periferias do mundo e às realidades que estão fora dos radares das notícias.

Os outros dois nomeados com mais de 80 anos, e que por isso não poderão votar em conclave, são Felipe Arzimendi Esquivel, bispo emérito de San Cristobal de las Casas (México) diocese em que os conflitos entre o Estado e os indígenas são particularmente vivos; e Silvano Tomasi, antigo observador do Vaticano junto das Nações Unidas em Genebra.

No final de anunciar os nomes, o Papa pediu que os novos cardeais o ajudem na sua “tarefa como bispo de Roma, em benefício do povo santo de Deus”.

 

Jerusalém já tem patriarca

Pierbattista Pizzaballa, patriarca latino de Jerusalém. Foto Fallaner/Wikimedia Commons.

 

Enquanto o Papa anunciava publicamente os nomes dos novos 13 cardeais, o Vaticano informou que Francisco nomeara também o novo patriarca de Jerusalém dos latinos, o franciscano Pierbattista Pizzaballa, que já desempenhava o cargo de administrador apostólico de “sede vacante”, desde a saída de Fouad Twal, o anterior titular, em Junho de 2016.

Natural de Bergamo, Pizzaballa foi titular da Custódia da Terra Santa, entre Maio de 2004 e Abril de 2016, quando passou a assegurar o interinato do patriarcado. O novo patriarca está na Terra Santa desde 1990, tendo ali concluído a sua especialização em 1993, tornando-se professor de hebraico bíblico na Faculdade Franciscana de Ciências Bíblicas e Arqueológicas de Jerusalém. No Vaticano, integra a Congregação para as Igrejas Orientais.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Segunda leitura – Quem dá o pão…

Segunda leitura – Quem dá o pão… novidade

A reportagem era sobre as saudades da escola, sobre a falta que ela fazia. Melhor: sobre a falta que dela se sentia. Que não é exatamente a mesma coisa, mas adiante… Claro que sim, claro que sentiam a falta, meninas e meninos a uma só voz, e de quê?, pois de tudo, de estar com os amigos, de aprender muitas coisas novas, de estar com os amigos, de jogar e brincar no recreio, de estar com os amigos outra vez…

Breves

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Cardeal Tolentino vence Prémio Universidade de Coimbra

O Prémio Universidade de Coimbra foi atribuído ao cardeal José Tolentino Mendonça, anunciou a instituição nesta quinta-feira, 25. O reitor, Amílcar Falcão, referiu-se ao premiado como “uma figura ímpar, uma pessoa de cultura com uma visão social inclusiva.”

Recolha de bens e fundos para Pemba continua em Braga até 31 de março

O Centro Missionário Arquidiocesano de Braga – CMAB decidiu prolongar até 31 de março a campanha para recolha de bens a enviar para Moçambique, onde serão geridos e distribuídos pela Diocese de Pemba, para apoiar “o meio milhão de pessoas deslocadas que fogem das suas aldeias atacadas por um grupo sem rosto.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

O 7MARGENS em entrevista na Rede Social, da TSF

António Marujo, diretor do 7MARGENS, foi o entrevistado do programa Rede Social, da TSF, que foi para o ar nesta terça-feira, dia 23, conduzido, como habitualmente, pelo jornalista Fernando Alves.

Parlamento palestino vai ter mais dois deputados cristãos

Sete das 132 cadeiras do Conselho Legislativo Palestino (Parlamento) estão reservadas para cidadãos palestinos de fé cristã, determina um decreto presidencial divulgado esta semana. O diploma altera a lei eleitoral recém-aprovada e acrescenta mais dois lugares aos anteriormente reservados a deputados cristãos.

Tribunal timorense inicia julgamento de ex-padre pedófilo

O ex-padre Richard Daschbach, de 84 anos, antigo membro dos missionários da Sociedade do Verbo Divino, começou a ser julgado segunda-feira, 22, em Timor-Leste, acusado de 14 crimes de abuso sexual de adolescentes com menos de 14 anos, de atividades ligadas a pornografia infantil e de violência doméstica.

Prémio para trabalhos académicos sobre templos cristãos

Um prémio no valor de 1.000 euros e uma bolsa de estudo para um estágio de três meses no atelier Meck Architekten (Munique) vai ser atribuído pela Fundação Frate Sole à melhor tese de licenciatura, mestrado ou de doutoramento sobre uma igreja de culto cristão.

Entre margens

A sociedade e os idosos novidade

Ao longo do último ano, tempo em que já dura a dolorosa pandemia que nos tem retido confinados, embora pelos piores motivos muito se tem falado dos que vivem em residências para idosos. Antes da covid-19, pelo que nos é dado agora saber, uma boa parte dos cidadãos e dos políticos parece que pouco ou nada sabiam do que se passava nestas instituições, quer nas clandestinas quer nas comparticipadas pelo Estado.

Servir: lavar as mãos, lavar os pés, lavar o coração

Depois de alguma leitura, aquela conversa não me saía da cabeça. Lembrei-me do ritual do “Lava pés”, que teve lugar na última ceia de Jesus Cristo, na qual Ele ensinou-nos, entre outras coisas, a partilhar o pão e o vinho (a comida) e a servir (lavou os pés aos seus discípulos). Lembrei-me também de uma tradição ocidental, segundo a qual quando alguém vai à casa de outrem pela primeira vez, a dona de casa deve servir ao visitante o “primeiro copo”. Por ser de “bom tom”, é cortês. E é, porque abre o à vontade ao visitante.

Como o “bicho” mexe com a prática religiosa

A verdade é que um de cada três cristãos praticantes americanos parou de frequentar a igreja com a pandemia, apesar da evidência de que a comunidade de fé exerce um efeito integrativo do ponto de vista social, de estabilização emocional e promove o encorajamento e a esperança dos indivíduos. Curiosamente, as gerações mais novas apresentaram mais dificuldades na substituição das celebrações presenciais pelas online, eventualmente devido a uma maior necessidade gregária.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

As ignoradas Mães (Madres) do Deserto

As “Mães” do Deserto foram, de par com os Padres do Deserto, mulheres ascetas cristãs que habitavam os desertos da Palestina, Síria e Egito nos primeiros séculos da era cristã (III, IV e V). Viveram como eremitas tal como muitos padres do deserto e algumas formaram pequenas comunidades monásticas.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This