Auschwitz, 75 anos: uma visão do inferno

| 14 Fev 20

Ilustração alusiva aos fornos crematórios de Auschwitz, na Exposição “Auschwitz – No hace mucho. No muy lejos”, em Madrid (2018-2019); foto © Nair Alexandra

 

O campo da morte de Auschwitz foi libertado há 75 anos. Alguns sobreviventes do Holocausto ainda nos puderam narrar o que lá sofreram, antes de serem libertados pelos militares soviéticos, em 27 de janeiro de 1945. Tratou-se de um indiscritível inferno, um lugar onde toda a esperança morria ao nele se entrar. Onde cada uma das vítimas foi reduzida a um número, tatuado no braço. Dizia-se então, quando se entrava através de um portão com a frase “o trabalho liberta”, que de lá só se podia sair através do fumo de uma chaminé. Testemunhos arrepiantes e imagens sinistras, que nas últimas semanas nos confrontaram de novo com o horror que lá se vivia, colocando a maldade humana abaixo do comportamento dos animais selvagens. Planeada, racional, metódica, executada pelos seguidores de Adolf Hitler faz-nos perceber até onde o “lobo” homem pode descer, quando se torna um fanático, um racista, um xenófobo, um embriagado pelo poder absoluto.

Dos tempos da cristandade europeia, já conhecíamos as imagens terríficas, colocadas nas portas da entrada das belas catedrais góticas. Como sabemos, trata-se de figuras horríveis cuja finalidade pedagógica e catequética era mostrar macabras imagens demoníacas, a lançarem os condenados nas chamas infernais, após terem sido julgados no Juízo Final. Pretendia-se assim mostrar aos fiéis que alguns comportamentos humanos eram merecedores de eternos e dolorosos castigos, dentro de fornalhas ardentes, que jamais se apagariam.

Porém, nos campos de extermínio (Auschwitz-Birkenau ou outros), as pessoas eram condenadas e assassinadas, apenas por terem nascido numa família judaica ou cigana. Ou por serem homossexuais ou adversários políticos, sobretudo comunistas, deficientes físicos ou psíquicos. Podiam ser condenados ainda, por serem religiosas ou pessoas “associais” ou ainda prisioneiros de guerra, soviéticos.

A arbitrariedade era tal que qualquer pessoa, pertencente a qualquer destas categorias sociais, podia ser denunciada e enviada, metida dentro de comboios nauseabundos, para um dos muitos campos de concentração, onde milhões de pessoas eram gazeadas para posteriormente, serem queimadas nos fornos.

As montanhas de objetos pessoais das vítimas ainda hoje se podem ver em Auschwitz, na Polónia, onde se encontram expostas algumas das latas do gaz mortífero – zyklon B – utilizado para assassinar os condenados.

Os números que já foram apurados referem-se a judeus que viviam nos países conquistados pelas tropas nazis. Dos 2.600.000 judeus deportados, terão morrido no Holocausto quase 90%. Um verdadeiro genocídio, supostamente ignorado pelas pessoas que viviam junto aos campos de concentração e que outros países disseram desconhecer.

A perseguição aos judeus iniciou-se logo em 1938, com a subida de Hitler ao poder. Começou por proibi-los de exercer certas profissões. Posteriormente, mandou expropriá-los dos seus bens. Mais tarde, foram encerrados em guetos. Finalmente, na segunda metade de 1941, os judeus foram enviados em comboios para os campos de concentração, onde a maior parte encontrou a morte.

Quando os judeus começaram a ser perseguidos, nos países sob controlo alemão, muitos optaram por sair, procurando um lugar que lhes proporcionasse alguma tranquilidade e segurança. Foi o que aconteceu com os judeus que procuraram refúgio em Portugal, um país neutral na II Guerra Mundial para, a partir daqui, emigrarem para outros países, sobretudo para os Estados Undos da América e para a América Latina.

Com Salazar no poder, os vistos concedidos aos judeus que optaram por vir para Portugal, segundo as ordens determinantes do ditador, tornaram-se cada vez mais difíceis de conceder. Perante tal limitação, o nosso cônsul em Bordéus (França), Aristides de Sousa Mendes, decidiu não acatar as orientações de Salazar, começando a passar vistos a milhares de judeus fugitivos que os solicitavam, sobretudo a partir da invasão de França, pelas tropas alemãs, em 1940. Segundo a Comunidade Israelita de Lisboa, Aristides, entre junho de 1940 e maio de 1941, possibilitou a entrada de cerca de 42.000 refugiados judeus em Portugal.

Só que esta desobediência acabaria por ficar muito cara ao cônsul. Perseguido e com vários filhos, viu-se forçado a uma aposentação não remunerada. Impossibilitado de trabalhar, ficou arruinado, morrendo em 1954. Mais tarde, com a democracia, seria reabilitado. Com os olhos nestes acontecimentos de há 75 anos, torna-se hoje urgente mantermos viva a memória, para que jamais se torne possível esta realidade infernal regressar à terra. Fiquemos alerta, porque os nazis já estão por aí.

 

Florentino Beirão é professor do ensino secundário. Contacto: florentinobeirao@hotmail.com

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Doentes de covid-19 mantêm “direito e acesso à assistência espiritual e religiosa” nos hospitais

A Coordenação Nacional das Capelanias Hospitalares emitiu um comunicado esta quarta-feira, dia 1, para esclarecer que “os capelães não estão impedidos de prestar assistência espiritual e religiosa”. Têm, isso sim, de cumprir “medidas de contingência existentes nos hospitais”, como todos os profissionais, por forma a minimizar os “riscos de contágio, quer dos capelães quer dos próprios doentes e dos profissionais”, sublinha o documento.

Cardeal Tagle propõe eliminar a dívida dos países pobres

O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, propôs a criação de um Jubileu especial em que os países ricos perdoem a dívida dos países pobres aos quais concederam empréstimos, de forma a que estes tenham condições para combater a pandemia de covid-19.

Oxfam pede “um Plano Marshall de Saúde” para o mundo

A Oxfam, ONG de luta contra a pobreza sediada no Quénia e presente em mais de 90 países, pediu esta segunda-feira, 30, “um plano de emergência para a saúde pública” com a mobilização de 160 biliões de dólares. Este valor permitiria duplicar os gastos com a saúde nos 85 países mais pobres, onde vive quase metade da população mundial.

Peter Stilwell deixa reitoria da única universidade católica da R.P. China

O padre português Peter Stilwell será substituído pelo diácono Stephen Morgan, do País de Gales, no cargo de reitor da Universidade de São José, em Macau.  A mudança, que já estava a ser equacionada há algum tempo, está prevista para julho, depois de um mandato de oito anos naquela que é a única universidade católica em toda a República Popular da China.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Costurar máscaras cirúrgicas em vez de vestes litúrgicas, ou como combater a pandemia no convento

Costurar máscaras cirúrgicas em vez de vestes litúrgicas, ou como combater a pandemia no convento

À medida que a pandemia alastrava, a angústia crescia no pequeno mosteiro do sul de França onde vivem as Irmãs da Consolação do Sagrado Coração e da Santa Face. As 25 religiosas queriam fazer mais do que rezar. Diante da imagem de Nossa Senhora do Povo, que acreditam ter salvo a sua região da peste em 1524, pediram lhes fosse dada uma tarefa: queriam colaborar com a virgem no combate a esta nova pandemia. No dia seguinte, receberam uma chamada do bispo da diocese e outra do presidente da câmara: ambos lhes pediam para fabricar máscaras.

É notícia

Entre margens

A ilusão do super-homem novidade

As últimas semanas em Portugal, e há já antes noutros cantos do mundo, um ser, apenas visível a microscópio, mudou por completo as nossas vidas. Na altura em que julgávamos ter atingido o auge da evolução e desenvolvimento técnico e científico, surge um vírus.

Esse Deus não é o meu!

Os fundamentalismos alimentam-se do medo, do drama e da desgraça. Muitos deles sobrevivem ainda do Antigo Testamento, a fase infantil da revelação divina na perspectiva cristã.

Cultura e artes

Editora francesa oferece “panfletos” sobre a crise

Sendo certo que as doações essenciais neste período de pandemia dizem respeito a tudo o que nos pode tratar da saúde física, não há razão para negligenciar outras dádivas. É o caso de uma das mais famosas editoras francesas, a Gallimard, que diariamente oferece textos que pretendem ser uma terceira via entre a solenidade da escrita de um livro e o anódino da informação de um ecrã.

Nick Cave e o espanto de Maria Madalena defronte do túmulo

É um assombro que espanta Nick Cave, aquele em que Maria Madalena e Maria permanecem junto à sepultura. Para o músico australiano, este é provavelmente o seu momento preferido da Bíblia. Jesus tinha sido retirado da cruz, o seu corpo depositado num túmulo novo, mandado talhar na rocha, e uma pesada pedra rolou para fazer a porta da sepultura. Os doze discípulos fugiram, só Maria Madalena e “a outra Maria” ali ficaram diante do túmulo.

Sete Partidas

Um refúgio na partida

De um lado vem aquela voz que nos fala da partida como descoberta. Um convite ao enamoramento pelo que não conhecemos. Pelo diferente. Um apelo aos sentidos. Alerta constante. Um banquete abundante em novidade. O nervoso miudinho por detrás do sorriso feliz. Genuinamente feliz. O prazer simples de não saber, de não conhecer…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco