Auschwitz, 75 anos: uma visão do inferno

| 14 Fev 20

Ilustração alusiva aos fornos crematórios de Auschwitz, na Exposição “Auschwitz – No hace mucho. No muy lejos”, em Madrid (2018-2019); foto © Nair Alexandra

 

O campo da morte de Auschwitz foi libertado há 75 anos. Alguns sobreviventes do Holocausto ainda nos puderam narrar o que lá sofreram, antes de serem libertados pelos militares soviéticos, em 27 de janeiro de 1945. Tratou-se de um indiscritível inferno, um lugar onde toda a esperança morria ao nele se entrar. Onde cada uma das vítimas foi reduzida a um número, tatuado no braço. Dizia-se então, quando se entrava através de um portão com a frase “o trabalho liberta”, que de lá só se podia sair através do fumo de uma chaminé. Testemunhos arrepiantes e imagens sinistras, que nas últimas semanas nos confrontaram de novo com o horror que lá se vivia, colocando a maldade humana abaixo do comportamento dos animais selvagens. Planeada, racional, metódica, executada pelos seguidores de Adolf Hitler faz-nos perceber até onde o “lobo” homem pode descer, quando se torna um fanático, um racista, um xenófobo, um embriagado pelo poder absoluto.

Dos tempos da cristandade europeia, já conhecíamos as imagens terríficas, colocadas nas portas da entrada das belas catedrais góticas. Como sabemos, trata-se de figuras horríveis cuja finalidade pedagógica e catequética era mostrar macabras imagens demoníacas, a lançarem os condenados nas chamas infernais, após terem sido julgados no Juízo Final. Pretendia-se assim mostrar aos fiéis que alguns comportamentos humanos eram merecedores de eternos e dolorosos castigos, dentro de fornalhas ardentes, que jamais se apagariam.

Porém, nos campos de extermínio (Auschwitz-Birkenau ou outros), as pessoas eram condenadas e assassinadas, apenas por terem nascido numa família judaica ou cigana. Ou por serem homossexuais ou adversários políticos, sobretudo comunistas, deficientes físicos ou psíquicos. Podiam ser condenados ainda, por serem religiosas ou pessoas “associais” ou ainda prisioneiros de guerra, soviéticos.

A arbitrariedade era tal que qualquer pessoa, pertencente a qualquer destas categorias sociais, podia ser denunciada e enviada, metida dentro de comboios nauseabundos, para um dos muitos campos de concentração, onde milhões de pessoas eram gazeadas para posteriormente, serem queimadas nos fornos.

As montanhas de objetos pessoais das vítimas ainda hoje se podem ver em Auschwitz, na Polónia, onde se encontram expostas algumas das latas do gaz mortífero – zyklon B – utilizado para assassinar os condenados.

Os números que já foram apurados referem-se a judeus que viviam nos países conquistados pelas tropas nazis. Dos 2.600.000 judeus deportados, terão morrido no Holocausto quase 90%. Um verdadeiro genocídio, supostamente ignorado pelas pessoas que viviam junto aos campos de concentração e que outros países disseram desconhecer.

A perseguição aos judeus iniciou-se logo em 1938, com a subida de Hitler ao poder. Começou por proibi-los de exercer certas profissões. Posteriormente, mandou expropriá-los dos seus bens. Mais tarde, foram encerrados em guetos. Finalmente, na segunda metade de 1941, os judeus foram enviados em comboios para os campos de concentração, onde a maior parte encontrou a morte.

Quando os judeus começaram a ser perseguidos, nos países sob controlo alemão, muitos optaram por sair, procurando um lugar que lhes proporcionasse alguma tranquilidade e segurança. Foi o que aconteceu com os judeus que procuraram refúgio em Portugal, um país neutral na II Guerra Mundial para, a partir daqui, emigrarem para outros países, sobretudo para os Estados Undos da América e para a América Latina.

Com Salazar no poder, os vistos concedidos aos judeus que optaram por vir para Portugal, segundo as ordens determinantes do ditador, tornaram-se cada vez mais difíceis de conceder. Perante tal limitação, o nosso cônsul em Bordéus (França), Aristides de Sousa Mendes, decidiu não acatar as orientações de Salazar, começando a passar vistos a milhares de judeus fugitivos que os solicitavam, sobretudo a partir da invasão de França, pelas tropas alemãs, em 1940. Segundo a Comunidade Israelita de Lisboa, Aristides, entre junho de 1940 e maio de 1941, possibilitou a entrada de cerca de 42.000 refugiados judeus em Portugal.

Só que esta desobediência acabaria por ficar muito cara ao cônsul. Perseguido e com vários filhos, viu-se forçado a uma aposentação não remunerada. Impossibilitado de trabalhar, ficou arruinado, morrendo em 1954. Mais tarde, com a democracia, seria reabilitado. Com os olhos nestes acontecimentos de há 75 anos, torna-se hoje urgente mantermos viva a memória, para que jamais se torne possível esta realidade infernal regressar à terra. Fiquemos alerta, porque os nazis já estão por aí.

 

Florentino Beirão é professor do ensino secundário. Contacto: florentinobeirao@hotmail.com

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Anselmo Borges e a eutanásia: “Quem mata?”

“Se algum dia se avançasse por esta via da legalização da eutanásia, o Estado ficaria com mais uma obrigação: satisfazer o direito ao pedido da eutanásia e seria confrontado com esta pergunta terrível: quem mata?”, escreve Anselmo Borges, professor de filosofia e padre, na sua última crónica no Diário de Notícias.

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Maria e Marta – como compreender dois nomes num congresso mundial novidade

Foi nesse congresso que, pela primeira vez, tive a explicação relativa a dois nomes, Maria e Marta, cujo significado fiquei de procurar, desde 1983, ano no qual nasceram as minhas primas Maria e Marta. O facto é que, quando elas nasceram, o meu avô materno, impôs que fossem chamadas por esses nomes. Despertou-me curiosidade a insistência, uma vez que já as chamávamos por outros nomes.

Sempre mais sós (Debate Eutanásia)

Reli várias vezes o artigo de opinião de Nuno Caiado publicado no 7MARGENS. Aprendi alguns aspetos novos das questões que a descriminalização da eutanásia ativa envolve. Mas essa aprendizagem não me fez mudar de opinião. Ao contrário do autor, não creio que a questão central da eutanásia agora em discussão seja a do sofrimento do doente em situação terminal. A questão central é a da nossa resposta ao seu pedido para que o ajudemos a morrer.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco