Auschwitz, aqui tão perto

| 26 Jan 19

Ilustração alusiva aos fornos crematórios de Auschwitz; foto © Nair Alexandra

 

Alberto Errera, judeu sefardita (de origem portuguesa ou espanhola), oficial do Exército nascido em 1913 na cidade grega de Lárisa, ingressou na resistência à ocupação da Grécia pelo III Reich em 1941. Capturado em 1944, foi enviado para Auschwitz em Abril – com enorme risco pessoal, fotografou o crematório nº 5. Ainda fugiu a 9 de Agosto, mas foi apanhado pelas SS, torturado e morto, o seu corpo mutilado exibido à entrada do campo de concentração como um sinal claro para os outros prisioneiros. Errera foi um, entre um milhão de pessoas assassinadas, durante os cinco anos em que aquela fábrica de extermínio funcionou.

Esta história leva-nos a esse nome: Auschwitz.  Não apenas ao sinónimo de horror, ao “ponto no mapa”, à cidade que teve a sua história, mas ao de uma exposição, extraordinária, concebida pela Musealia (empresa privada dedicada à criação de exposições) e pelo Museu Estatal de Auschwitz-Birkenau. Esta exposição itinerante “transporta” o lugar, pela primeira vez, quase 75 anos após a libertação do campo pelo Exército Vermelho [concretizada a 27 de janeiro de 1945]. Madrid é o ponto de partida da exposição que irá percorrer 14 cidades – sete na Europa e sete na América do Norte. Até 3 de fevereiro o público português pode visitá-la na capital do país vizinho, no Centro de Exposições Arte Canal.

O subtítulo da exposição, em castelhano (traduzido também em inglês, devido ao carácter internacional do projecto) é um aviso inteligente: “No hace mucho. No muy lejos” (“Não há muito tempo. Não tão longe”). Esta chamada de atenção para a proximidade daquele que será um dos cenários principais do Holocausto é muito importante num período em que, da Hungria ou da Áustria aos Estados Unidos e ao Brasil se erguem novos sinais de populismo, xenofobia e racismo, medo e ressentimento. Um período de crise económica, social e política, em que os valores sobre os quais se alicerçaram as sociedades democráticas do pós-Guerra estremecem como desde 1945 o mundo não havia assistido.

Quem ainda não foi à cidade polaca de Oswieçim, não atravessou o portão com a célebre frase da ignomínia, “Arbeit Macht frei” (“O Trabalho liberta”) nem sentiu o cheiro a cinza e a morte por todo o lado, tem aqui uma ocasião única para conhecer um pouco do lugar: a exposição reúne mais de 600 objectos mostrados pela primeira vez ao público naquela que é a primeira exposição itinerante sobre o campo. Mais de uma dezena de instituições e entidades privadas colaboraram com este projecto, destacando-se o Yad Vashem/Centro de Estudos para a Memória ou o Holocaust Memorial Museum dos Estados Unidos e a Wiener Library. Os percursos de quem sobreviveu, morreu e conviveu com Auschwitz, das vítimas e dos verdugos, contam-se também em 400 imagens e cem histórias.

Um dos 120 mil vagões construídos entre 1910 e 1927. A Deutsche Reischbahn (rede ferroviária alemã) usava-os para transporte de alimentos, gado e outros artigos. Durante a II Guerra Mundial foram usados também para transportar soldados e prisioneiros de guerra, bem como judeus e ciganos dos respectivos guetos aos campos de concentração e extermínio da Europa sob ocupação nazi. Nas deportações para Auschwitz chegou-se a transportar 80 pessoas em cada vagão de 20 metros quadrados. Regressavam sem pessoas, mas carregados de valores e objectos pertencentes aos presos; foto Nair Alexandra

As histórias e a História narram-se em muitas fotos, cartas, desenhos feitos pelos prisioneiros, cartazes de propaganda, peças de filme (os gigantescos comícios de Nuremberga), arame farpado, sapatos, muitos sapatos. De homens, de mulheres, de crianças. No vagão de mercadorias à entrada do Arte Canal: rude, sinistro, assustadoramente pequeno. E rodas de carruagens, tal como os sapatos, símbolos fortes do Holocausto/Shoá/Porajmos/Zaglada, sinónimos de extermínio de judeus, povos do Leste europeu, romaou ciganos, comunistas, sindicalistas e outros opositores políticos, católicos ou testemunhas de Jeová, todos os “anti-sociais” que não coubessem no estreito corredor dos eleitos pela política nazi.

E uma das grandes vantagens desta exposição consiste em mostrar, como poucas, os rostos daqueles que nos habituamos a ver de cabeça rapada e uniforme às riscas. Ele também lá está, mas cruza-se com as cartas lançadas dos comboios, para os familiares dos deportados, os objectos pessoais, as vidas de quem passava uma tarde na praia, recordações de casamentos e outras cerimónias. Postais e roupas. E móveis de madeira a servirem de cama e instrumentos para as tristemente célebres experiências médicas. Um resumo de um dos maiores crimes contra a Humanidade. Sucedido numa cidade polaca cuja história aqui também é explicada. E que, como avisa o sobrevivente e grande escritor italiano Primo Levi: “Aconteceu. Em consequência pode voltar a acontecer.”

Postes de cimento e arame farpado nas salas de entrada da exposição; foto Nair Alexandra

 

Auschwitz – No hace mucho. No muy lejos (Não há muito tempo. Não muito longe.)

Local: Centro de Exposiciones Arte Canal, Paseo de la Castellana, 214, Madrid. Espanha.

Horários: De segunda-feira a domingo, incluindo feriados, das 10h às 21h30m (último acesso à bilheteira: 20h); até 3 de Fevereiro.

Bilhetes: Diversos tipos de bilhete (compra no local ou no sítio da expoisição na Internet: www.auschwitz.net)

Serviços: Loja; audioguias (inglês e castelhano); vestiário; cadeiras de rodas.

Comissários: Robert Jan van Pelt (comissário-chefe); Michael Berenbaum; Paul Salmons.

Realização: Musealia; Museu Estatal de Auschwitz-Birkenau.

(foto da página principal: Pawel Sawicki © Auschwitz-Birkenau State Museum – Musealia)

Breves

Líderes religiosos pedem fim dos crimes contra os uigures na China

Os cardeais de Myanmar e da Indonésia, os principais rabis do Reino Unido, o representante do Dalai Lama na Europa e diversos líderes muçulmanos estão entre os 76 signatários de uma carta divulgada este domingo, 9 de agosto, a pedir o fim de “uma das mais egrégias tragédias humanas desde o Holocausto: o potencial genocídio dos Uigures e outros muçulmanos na China”, divulga o semanário católico britânico “The Tablet”.

Assassinado reitor do Seminário Romero, em El Salvador

O padre Ricardo Cortez, reitor do Seminário Santo Óscar Arnulfo Romero e pároco da povoação de San Francisco Chinamequita, em El Salvador, foi assassinado na passada sexta-feira, 7 de agosto. A diocese de Zacatelouca, à qual pertencia, emitiu um comunicado onde pede a investigação do crime, que considera “inexplicável” e “execrável”, avança o Vatican News.

Primeira tradução ecuménica da Bíblia editada no Brasil

Uma ampla equipa de biblistas, exegetas e estudiosos de diversas confissões cristãs e do judaísmo esteve envolvida no projeto inédito de tradução ecuménica da Bíblia para a língua portuguesa, que chega agora às livrarias brasileiras através das Edições Loyola.

Boas notícias

Navio de resgate apoiado pela Igreja Protestante prestes a partir para o Mediterrâneo

Navio de resgate apoiado pela Igreja Protestante prestes a partir para o Mediterrâneo

Chegaram esta terça-feira, 11 de agosto, ao navio de resgate de migrantes Sea Watch 4 os últimos membros da tripulação. Os treinos e exercícios já começaram, e ainda esta semana será dada a partida do porto de Burriana (Valencia, Espanha) para o centro do Mediterrâneo, numa missão tornada possível devido à iniciativa da Igreja Protestante Alemã e ao apoio de mais de 500 organizações que participaram na campanha de recolha de fundos (crowdfunding) #WirSchickenEinSchiff (“Nós enviamos um navio”).

É notícia

Cultura e artes

“Ataque ultrajante” à liberdade de expressão em Hong Kong, denuncia ONG

A detenção de Jimmy Lai, empresário católico proprietário do mais importante jornal diário pró-democracia de Hong Kong, está a gerar forte contestação por parte da população e de grupos de defesa dos direitos humanos naquele território chinês, que consideram estar perante o “ataque mais ultrajante até ao momento contra o que resta da imprensa livre de Hong Kong”.

Manuel Cargaleiro oferece painel de azulejos a paróquia de Lisboa

Foi como “escrever uma oração” ou fazer “o ramo mais bonito para Deus”. Assim definiu o pintor e ceramista Manuel Cargaleiro o seu mais recente trabalho: um painel de azulejos, que ofereceu à Paróquia de São Tomás de Aquino, em Lisboa. A cerimónia de inauguração e bênção decorreu esta segunda-feira e contou com a presença do autor, avança o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura.

Manuel Cargaleiro oferece painel de azulejos a paróquia de Lisboa

Foi como “escrever uma oração” ou fazer “o ramo mais bonito para Deus”. Assim definiu o pintor e ceramista Manuel Cargaleiro o seu mais recente trabalho: um painel de azulejos, que ofereceu à Paróquia de São Tomás de Aquino, em Lisboa. A cerimónia de inauguração e bênção decorreu esta segunda-feira e contou com a presença do autor, avança o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura.

Pessoas

Pedro Casaldáliga (1928-2020): profeta, bispo, poeta, estrelas nascidas em muitas mãos

Pedro Casaldáliga (1928-2020): profeta, bispo, poeta, estrelas nascidas em muitas mãos

Um dos seus poemas fala da revolução já estalada, um outro das estrelas nascidas em muitas mãos. Pedro Casaldáliga, bispo católico brasileiro, expoente da teologia da libertação, ameaçado de morte sucessivas vezes, alvo de um atentado, morreu neste sábado aos 92 anos. Profeta, defensor dos povos indígenas e de uma Igreja mais despojada, foi coerente com o que defendia até ao fim…

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

Plano de recuperação… Também social? novidade

Deste modo, corre-se o risco de persistir a subalternidade dos problemas e dinamismos sociais perante a força da economia. Talvez se atenuasse, ou infletisse, a subalternidade se fosse cumprida a Constituição da República no articulado relativo aos planos de desenvolvimento económico e social (artºs. 90º.-91º.); e, melhor ainda, se fosse promovido o desenvolvimento local, a partir da freguesia e do protagonismo de cada pessoa e instituição.

Esta crise das lideranças é dramática

Mesmo na velha Europa o que vemos são indivíduos muito pequeninos, em dívida para com a ética política, a moral pessoal e desprovidos de sentido de estado. A corrupção ronda estas figuras e contam-se pelos dedos das mãos as que conseguem manter uma postura decente. Temos ainda os grupos extremistas de direita e de esquerda que ameaçam os regimes democráticos, os quais por sua vez se vão deixando colapsar aos poucos por dentro.

Que filosofia pretendemos ensinar aos adolescentes?

Ensinar filosofia implica necessariamente filosofar, ou seja, não nos podemos limitar a transmitir, reconstituir e explicar o pensamento dos filósofos. Depois de um primeiro passo que é compreender as teorias e os problemas, interessa apropriarmo-nos deles, ou seja, trazê-los para a nossa vida, examinando-os, questionando-os ou deles nos demarcando com opiniões fundamentadas.

Fale connosco