Austen Ivereigh e os seis anos do Papa: “O que afecta a todos deve ser discutido por todos”

| 12 Mar 19 | Destaques, Igreja Católica, Newsletter, Papa Francisco, Últimas

Austen Ivereigh, na noite de 11 de Março, em Braga; foto © Eduardo Jorge Madureira

 

A forte turbulência que está a provocar o problema dos abusos sexuais de menores cometidos pelo clero oferece uma oportunidade singular para acelerar o processo de conversão e purificação da Igreja Católica, julga o jornalista britânico Austen Ivereigh, que na noite de segunda-feira deu em Braga, no Auditório Vita, uma conferência. Apesar de o título ser “O cristianismo na Europa”, a intervenção (a propósito dos seis anos da eleição de Jorge Mario Bergoglio como Papa, que se assinalam nesta quarta-feira, dia 13) constituiu sobretudo um testemunho qualificado acerca do modo como o Papa Francisco olha para este período de tribulação.

Afirmando que o Papa não tem uma visão optimista do tempo actual e da globalização, destruidora dos vínculos de pertença, da fragmentação das existências e da perda da conexão do presente com a transcendência, o autor de Francisco, o grande reformador: Os caminhos de um Papa Radical (ed. Vogais), observou que a alternativa por que Francisco optou para lidar com a modernidade líquida consistiu em fazer a Igreja sair para evangelizar, em vez de construir uma espécie de ponte levadiça, que a acantonasse nas suas certezas. Em vez de críticas e de lamentos, o Papa preferiu discernir – uma acção muito sublinhada ao longo de toda a intervenção – e reformar. Para Francisco, a Igreja tem de ser próxima e concreta, tem de fazer a experiência do encontro com a pessoa de Jesus Cristo, referiu Austen Ivereigh, acrescentando que o cristianismo não é uma ideologia, nem um conjunto de preceitos morais, mas o encontro com Cristo.

Considerando que a evangelização é aprender a hospedar, tratando de acolher, proteger e integrar, o jornalista britânico indica aquele que é, para o Papa, o principal obstáculo à conversão evangélica: o clericalismo. Ele é a causa de uma distorção, que se concentra mais na instituição do que em Jesus, afirmando o mito da superioridade sacerdotal. Em vez de Cristo, o legalismo e o moralismo. Além de denunciar esta situação, Francisco, segundo Austen Ivereigh, deu um contributo decisivo para a Igreja do futuro ao defender a escuta e a sinodalidade. De facto, “o que afecta a todos deve ser discutido por todos”.

Para o jornalista, o que a crise suscitada pelos abusos sexuais de menores está a fazer é a colocar em questão precisamente o clericalismo de uma Igreja auto-referencial, com abusos de poder e de consciência, para além dos sexuais. A vergonha, acrescenta Austen Ivereigh, interpretando o pensamento de Francisco, pode, todavia, fazer surgir a possibilidade da conversão e do perdão. Para que isso se concretize, torna-se necessário evitar dois tipos de reacções: uma, que tenderá a dar uma resposta defensiva ou negacionista, outra que se confinará a uma atitude juridista. O conferencista sublinhou que só uma conversão profunda é susceptível de renovar a Igreja e que o Papa sabe que ela não muda dando ordens de cima.

A conferência pode ser vista e ouvida aqui.

Artigos relacionados

Breves

Núncio que era criticado por vários bispos, deixa Lisboa por limite de idade

O Papa Francisco aceitou nesta quinta-feira, 4 de Julho, a renúncia ao cargo do núncio apostólico (representante diplomático) da Santa Sé em Portugal, Rino Passigato, por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico, de 75 anos. A sua acção era objecto de críticas de vários bispos, embora não assumidas publicamente.

Arcebispo da Beira lamenta que o Papa só visite Maputo

O arcebispo da Beira (Moçambique) lamenta que o Papa Francisco não visite, em Setembro, a zona directamente atingida pelo ciclone Idai, em Março: “Todos esperávamos que o Papa chegasse pelo menos à Beira. Teria sido um gesto de consolação para as pessoas e uma forma de chamar a atenção para as mudanças climáticas e para esta cidade, que está a tentar reerguer-se”, disse Cláudio Dalla Zuanna.

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

“Albino não morre, só desaparece”? E se fôssemos “bons samaritanos”?

A primeira frase do título não é nova, nem em Moçambique, nem fora do país. Lembrei-me dela, quando li/vi que o secretário-geral da ONU, António Guterres visitou Moçambique, em Julho último. Desse périplo, dois eventos prenderam a minha atenção: a sua ida à Beira, para se inteirar das consequências do ciclone Idai, e o seu encontro com pessoas com albinismo, e onde destacou que ninguém pode ser descriminado por causa da sua aparência física.

Refugiados e salgalhada de desinformação

O objetivo deste texto é combater alguns mitos, facilmente derrubáveis, sobre a questão dos refugiados com meia dúzia de dados, de forma a contribuir para uma melhor e mais eficaz discussão sobre o tema. Porque não acredito que devamos perder a esperança de convencer as pessoas com os melhores dados e argumentos.

Cultura e artes

Uma exposição missionária itinerante, porque “parar é retroceder”

Um altar budista do Tibete; uma barquinha em chifres, de Angola; um calendário eterno dos aztecas; crucifixos de África ou da Índia; uma cuia da Amazónia; uma mamã africana e uma Sagrada Família, de Moçambique; uma placa com um excerto do Alcorão; e um nilavilakku , candelabro de mesa indiano – estas são algumas das peças que podem ser vistas até sábado, 19 de Junho, na Igreja de São Domingos, em Lisboa (junto ao Rossio).

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco