Assassínio de Masha Amini

Autor de clip de protesto viral preso pelas autoridades iranianas

| 4 Out 2022

Imagem retirada do clip de Shervin Hajipour.

Imagem retirada do clip de Shervin Hajipour.

 

O artista iraniano Shervin Hajipour, cujo clip de música de apoio aos protestos populares contra o assassínio de Masha Amini teve milhões de visualizações em poucos dias, foi preso no dia 29 de setembro, de acordo com a Iran Human Rights, citada pelo jornal indiano Siasat Daily, na sua edição de 2 de outubro.

Hajipour teria sido preso na quinta-feira, 29 de setembro, em Teerão, embora as autoridades iranianas não o confirmem, apesar de garantir que “tomariam medidas contra celebridades que contribuíram para alimentar os tumultos”. O artista transformou slogans e tweets relacionados com os protestos pelo assassínio de Mahsa Amini em música e publicou o filme no Instagram pouco antes de ser preso. O vídeo foi visto mais de 40 milhões de vezes no Instagram e espalhou-se noutras plataformas das redes sociais, antes de ser removido.

De acordo com a Iran Human Rights, até dia 1 de outubro 133 pessoas tinham sido mortas pelas forças policiais e paramilitares que continuam a reprimir violentamente os protestos de rua que têm lugar por todo o país contra a morte de Mahsa Amini, de 22 anos, selvaticamente espancada por membros da polícia de moralidade do Irão por usar o hijab de “maneira imprópria”, ou seja, por não ter o cabelo totalmente coberto. Amini acabou por morrer no dia 16 de setembro, nunca tendo recuperado do estado de coma em que os policias a deixaram.

O clip de Shervin Hajipour pode ser visto a seguir:

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Santa Eufémia: comer a marrã, pagar promessas e receber certificados

Lavandeira, Carrazeda de Ansiães

Santa Eufémia: comer a marrã, pagar promessas e receber certificados novidade

romaria em honra de Santa Eufémia, na aldeia de Lavandeira, em Carrazeda de Ansiães, carrega consigo inúmeros segredos. A festa só tem lugar em meados de setembro, mas foi agora objeto de um estudo publicado na Revista Memória Rural, do Museu da Memória Rural,  que recorda a tradição da carne de porco grelhada (a marrã), das promessas e dos certificados da missa celebrada pelo familiar defunto.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This