“Avó, a rua do teu ateliê é bonita”

| 28 Jun 19

Trinta placas pintadas na Rua da Páscoa. Foto © Ana Cordovil

 

A rua é a Rua da Páscoa, na freguesia de Campo de Ourique, em Lisboa, onde “mora” há 25 anos o meu ateliê de Pintura de Azulejos e Artes Plásticas e que levou a este comentário da minha neta mais velha num dos passeios a caminho do ateliê.

Eu queria dinamizar parcerias de vizinhança na Rua da Páscoa e procurava uma ideia positiva para unir os moradores da rua, ajudando a criar laços de atenção e solidariedade.

O comentário inesperado da minha neta de quatro anos foi o mote!

A Rua da Páscoa é uma rua em Lisboa onde ainda se vive a proximidade da vida nas aldeias.

É natural darmos os “bons dias” a quem passa, mesmo sem sabermos os nomes das pessoas em causa. Talvez 30% dos moradores tenha mais de 65 anos e muitas memórias da vida no bairro. Quase todos têm poucos recursos económicos, mas não há pobreza clara. Nos últimos dez anos as casas têm sido melhoradas e vêm sendo ocupadas por gente mais nova ou destinadas a alugueres de curta duração. Agora tornou-se habitual cruzarmo-nos com estrangeiros que vêm morar por poucos dias na nossa rua. São bem o espelho de uma realidade em mudança acelerada na nossa cidade!

Muitos dos conflitos de vizinhança que se vivem são em tudo iguais aos que conhecemos noutros bairros da cidade e que se centram sobretudo na organização dos lixos e no estacionamento dos carros que tapam o acesso às portas. Na nossa rua não temos bares que façam barulho fora de horas. Temos um restaurante, lugar de encontro e acolhimento a quem precisa, uma loja de artigos de fotografia e uma escola particular, o Colégio Alegria, de ensino integrado, para crianças até ao 4º ano de escolaridade.

A rua tem 49 portas que dão acesso aos mais diversos tipos de habitações caraterísticas da Lisboa antiga. Portas que dão para pátios com diversas casas, portas com janelas que se abrem para a conversa e janelas junto à calçada que iluminam quem mora nas caves.

Foto © Ana Cordovil

 

Agarrar uma ideia positiva em diálogo com o Belo

Partir do Belo na rua e como…?

A partir das recordações do Belo na Rua da Páscoa que cada um guarda consigo e aproveitando o tema da intervenção artística do pintor Mike Biberstein no teto da Igreja de Santa Isabel – que fica a cinco minutos da Rua da Páscoa – entrevistei 31 vizinhos sobre as suas recordações do Belo nesta rua. Nas entrevistas, perguntava também se gostariam de participar numa exposição coletiva de todos os vizinhos. Cada um pintaria uma parcela de céu numa placa de madeira e depois esta seria colocada durante um mês junto ao número da sua porta.

Foram dez meses inesquecíveis de entrevistas que foram ganhando em mim uma carga de responsabilidade e de gratidão.

Havia que respeitar tempos de sedução e dúvidas, não esquecer os mais “sós”, as diferentes gerações e acolher as críticas como importantes sugestões.

Não foi fácil!

Também não foi fácil conseguir a autorização dos proprietários, obter no bairro os materiais (tinta e placas de madeira), acertar o envolvimento da Junta de Freguesia, mas tudo se conseguiu.

Este tipo de projetos questiona-nos sobretudo quando envolvemos outros e nos tornamos responsáveis por eles.

Mas conseguimos!

Parte da pintura das placas foi realizada por um grupo de alunos do Colégio Alegria, mas a maioria foi pintada numa sessão ao ar livre em que participou um grupo muito animado de moradores.

A exposição decorreu entre 8 de junho e 9 de julho de 2018. Um mês de exposição era o que tinha sido acordado com proprietários e Junta de Freguesia.

Estiveram expostas 37 placas, sendo que os alunos do Colégio Alegria pintaram 11. Estas foram colocadas nas portas de casas dos moradores que aderiram à exposição, mas que por algum motivo não as puderam pintar.

Foto © Ana Cordovil

 

A exposição foi uma grande alegria para os moradores que, apesar de não terem muito à vontade na sua apresentação e divulgação, ficaram muito orgulhosos com a inauguração e constantes visitas de olhares curiosos, mas amigos, que se prolongaram durante o mês em que as portas da rua estiveram assim enfeitadas.

Ao retiramos as placas pintadas – tinha sido essa a combinação feita com os proprietários –, a maior parte dos moradores ficou um bocado triste. Uma das senhoras que é moradora e dona de uma casa com duas portas decidiu deixar as duas placas que ladeiam os números 30 e 32.

O balanço real desta iniciativa respira-se no ar de maior cumplicidade amiga entre os vizinhos e alguns meses depois novo projeto se concretizou!

Mas esta crónica já vai longa e essa história fica para uma próxima.

 

Nota

Cheguei a dizer e a pensar que este era o maior projeto da minha vida fora todos os outros que realizei no foro familiar. E até hoje penso o mesmo.

Este projeto retoma e fundamenta o que dizia na primeira crónica que escrevi no 7MARGENS: “É nestas descobertas inesperadamente participadas e de prazer que encontro a transcendência. Dá-me ideia de que há um olhar, uma força que não sabíamos ter e que nos abriu o coração.”

Ana Cordovil, junho de 2019

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Durante esta semana, estudantes e movimento associativo de Fafe debatem o impacto do confinamento na cidadania e na justiça. A Semana Online dos Clubes Terra Justa é assinalada em conferências, trabalhos e exposições, com transmissão exclusiva pela internet. Entre as várias iniciativas, contam-se as conversas com alunos do 7º ao 12º ano, constituídos como Clubes Terra Justa dos vários agrupamentos de escolas de Fafe.

É notícia

Entre margens

De joelhos os grandes sistemas económicos novidade

Mas – dizem –, se existem catástrofes na economia motivada por um vírus exponencial, a “mão humana” lá está para dar alento a esta tempestade. E essa tem um “confinamento” suave, porque quem sofre são os trabalhadores mais vulneráveis, os informais, os pobres, as mulheres, as pessoas de cor, os migrantes e os refugiados. A violência doméstica aumenta, os direitos humanos são atrofiados e a indústria privada farmacêutica e o seu sistema de patentes é orientada para lucros inconcebíveis, em que a defesa da dignidade das mulheres e dos homens é colocada em causa.

O poder tende a corromper e o poder absoluto corrompe absolutamente

Presumir a virtude do sujeito que detém o poder é, para além de naïf, algo injusto. Expor qualquer pessoa à possibilidade do poder sem limites (ainda que entendido como serviço) é deixá-la desamparada nas múltiplas decisões que tem de tomar com repercussões não só em si mesma, mas igualmente em terceiros. E também, obviamente, muito mais vulnerável para ceder a pressões, incluindo as da sua própria fragilidade.

Economista social ou socioeconomista?

Em 2014, a revista Povos e Culturas, da Universidade Católica Portuguesa, dedicou um número especial a “Os católicos e o 25 de Abril”. Entre os vários testemunhos figura um que intitulei: “25 de Abril: Católicos nas contingências do pleno emprego”. No artigo consideram-se especialmente o dr. João Pereira de Moura e outros profissionais dos organismos por ele dirigidos; o realce do “pleno emprego”, quantitativo e qualitativo, resulta do facto de este constituir um dos grandes objetivos que os unia.

Cultura e artes

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir” novidade

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano novidade

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Morreu João de Almeida, renovador da arquitectura religiosa em Portugal

Em Maio de 2015, manifestava-se, em entrevista ao Expresso um homem “cem por cento contente com a vida”. O arquitecto e pintor João de Almeida, fundador do Movimento de Renovação da Arte Religiosa (MRAR) morreu na segunda-feira, em Lisboa, aos 92 anos. O seu funeral e cremação será esta quarta, 24 de Junho, às 17h, no cemitério do Alto de São João.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco