Egipto

Bahá’ís sem cemitério em Alexandria

| 14 Jan 2022

santuario e jardins bahá'í Haifa foto leonid andronov

Santuário do Báb, monumento localizado em Haifa, Israel, onde se encontra sepultado o precursor da Fé Bahá’í. Foto © Leonid Andronov.

 

As autoridades locais de Alexandria recusaram a possibilidade de um cemitério próprio para egípcios que não pertencem a uma das três principais religiões monoteístas. Já há vários anos que os egípcios que pertencem à fé bahá’í têm lutado para ter um espaço para enterrar os seus mortos em Alexandria, a segunda maior cidade do país. No entanto, essa possibilidade foi agora negada, noticia o La Croix International (ligação exclusiva para assinantes).

Os bahá’í, que nasceram do islão xiita, têm origem na Pérsia em meados do século XIX e reivindicam actualmente cerca de cinco milhões de crentes em todo o mundo. O número de membros que vivem hoje no Egipto não é  conhecido, mas na década de 1960 calculava-se que 10.000 egípcios pertenciam à fé bahá’í. Para eles, só há um lugar em todo o país onde podem enterrar os mortos: um cemitério já superlotado no Cairo.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This