Danças e cantos de Natal em Moçambique

Bandeira do Menino nas aldeias de Cabo Delgado em sinal de paz

| 27 Dez 2021

A Bandeira do Menino percorreu aldeias e comunidades em Cabo Delgado, Moçambique, afirmando a esperança num novo tempo de paz: “Em meio aos cantos alegres, a imagem da mãe cantando e amamentando o filho expressa o amor materno” e “a esperança de que o Menino Deus é a certeza de um novo tempo da paz tão sonhada” – escreve Ricardo Gomes, jornalista moçambicano, no VaticanNews, neste dia 27 de dezembro.

O jornalista cita o padre Edegard Silva Júnior, da Diocese de Pemba que acompanhou a ida da Bandeira do Menino a várias aldeias: “Adultos, jovens e crianças e todos seguram a Bandeira do Menino”, o estandarte com a imagem do Menino Jesus nascido. “Ele percorre nossas aldeias e nós suplicamos: ‘Deus menino queremos paz, queremos justiça, queremos vida digna, queremos água, comida, educação.’ Nestes dias a Bandeira do Menino vai passando por nossas comunidades e com muita simplicidade vamos celebrando o Natal do Menino Jesus com cantos e danças, num ambiente muito alegre e comunitário”.

Imagens da passagem da Bandeira do Menino podem ser vistos nos vídeos a seguir:

 

Os confins da fenomenologia

Emmanuel Falque na Universidade de Coimbra novidade

Reflectir sobre os confins da fenomenologia a partir do projecto filosófico de Emmanuel Falque é o propósito da Jornada Internacional de Estudos Filosóficos, “O im-pensável: Nos confins da fenomenalidade”, que decorrerá quinta-feira, dia 26 de Maio, na Universidade de Coimbra (FLUC – Sala Vítor Matos), das 14.00 às 19.00. O filósofo francês intervirá no encerramento da iniciativa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This