Beleza e ecumenismo

| 19 Jan 20

A junção de beleza e ecumenismo evoca a luxuriante diversidade num jardim. A beleza tem afinidades com a surpresa: é a vitória sobre o banal, o monótono.

Acontece que uma espécie de medo ou acanhamento nos chega a impedir de sair de casa, de ver coisas diferentes do nosso pequeno mundo… até porque nos podemos perder, nos vários sentidos da palavra.

A relação com os outros é natural que gere alguma inquietação. Duvidamos, um bocadinho que seja, da qualidade das flores novas. Sabemos (sem saber dizê-lo) que a própria vida sexual é um estranho jardim… E até muitas vezes temos medo de Deus – porque nada pode ser mais estranho.

Como é que Jesus nos conseguiu sentar à mesa com Deus? Foi simplesmente ao encontro dos outros. Sem se pôr acima de ninguém – nem abaixo de ninguém. Como um singelo jardineiro.

Durante a sua vida (Mt.10,5-16; Lc.10,1-12), fez um teste aos discípulos: enviou-os como se se tratasse de um projecto de “jardinagem”. Não podiam perder tempo pelo caminho e muito menos durante o trabalho (o que é bom é para ser bem feito!). E se não fossem bem recebidos, até deviam sacudir o pó ou a lama que se agarrasse aos sapatos. Como quem diz: é perigoso deixar que os ideais sejam corrompidos por coisas aparentemente pequenas a que podemos ficar agarrados. Por outro lado, ele sabia bem o que é transparência a sério… Quem não gosta de melhorar os canteiros, não merece que lhe tratem do jardim. Pelo contrário, se gostam de multiplicar a beleza, todo o trabalho terá um ambiente de alegria e paz.

E deu exemplo do que disse: se a semente não cai na terra e não morre, não pode dar flores e frutos. Os discípulos, aprendizes desorientados, só passadas muitas semanas após a morte de Jesus, é que se deram conta do trabalho a fazer. Precisavam de relembrar os ensinamentos do Mestre e de vencer o medo de se expor.

Assim fizeram, durante sete x sete semanas – número “perfeito”, símbolo do tempo necessário para poderem, por sua vez, dar flor e fruto.

Portanto, foi no dia seguinte a estas semanas simbólicas – o dia de Pentecostes ou quinquagésimo – que apareceram na praça pública, com um ar tão confiante e transbordante de alegre energia, que toda a gente os queria como “jardineiros”. Não precisavam de lhes perceber as palavras: ficaram encantados e convencidos pela arte do trabalho deles. Sabiam juntar humildade e autoridade. Só faziam aquilo de que estavam convencidos ser o melhor.

Nascera o movimento ecuménico: uma nova era de jardins e de boas sementes, formando uma casa comum com a beleza irradiante de alternados canteiros simples ou exóticos.

A ciência e especialização crescente dos “jardineiros” deu ao ecumenismo novos sentidos, mais especializados e menos globais: organização institucional, convergência doutrinal, espiritualidade superior às barreiras burocráticas… Felizmente, é cada vez mais reconhecido que o essencial do ecumenismo é a união da humanidade e não especificamente das igrejas. Só vai ao encontro dos outros quem não fica sentado a classificar os canteiros. É preciso aventurar-se pelos jardins vivos, e crescer com eles espalhando optimismo, alegria a sério, o prazer de convívio…

É pelo diálogo que descobrimos as qualidades da boa terra local. Eliminando a cizânia da superioridade, fonte de discórdia, humilhações e ódios. Conscientes de que ninguém pode exprimir correctamente a verdade, e muito menos pretender possuí-la inteiramente. Todos os seres humanos têm esta limitação, mesmo se impelidos a falar pelo Espírito de Deus.

Para terminar em beleza: comecemos por conhecer a beleza do nosso jardim. Quanto mais aprofundarmos o cristianismo, mais alta será a prancha de lançamento ao encontro de todos os que procuram o mesmo Deus. É um exercício a ser feito no seio de qualquer outro sistema religioso. Então, o encontro entre religiões será transparente e só por si um acto profundamente religioso.

O Concílio Vaticano II deixou de usar o termo missão (por se ter desvirtuado) e prefere evangelização: deixando claro que a boa nova para um ser humano é a realização do bem-estar físico e espiritual, da união (trabalhosa!) entre liberdade e justiça.

 

Manuel Alte da Veiga é professor universitário aposentado

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo novidade

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

O hospital pediátrico Bambino Gesú, em Roma, gerido pelo Vaticano, separou com êxito duas irmãs siamesas de 2 anos, que nasceram unidas pelo crâneo na República Centro Africana. A complexa operação, que durou 18 horas e contou com uma equipa de 30 profissionais de saúde, teve lugar no passado dia 5 de junho, mas o hospital só revelou todos os detalhes esta quarta-feira, 8 de julho, numa conferência de imprensa.

É notícia

Entre margens

Re-cristianizar é preciso! novidade

Muita gente pensa que se eliminarmos a religião da arena pública, também acabarão as noções éticas que (ainda) sustentam a nossa sociedade. Mas para essas pessoas a moral cristã é a mãe de todas as repressões. A sociedade utópica está na música de John Lennon. É preciso deixar de cultivar moralismos “medievais”. Sejamos livres. Sejamos livres para gritar e estrebuchar.

Do confinamento às Minas novidade

Vestígios dos trilhos usados para o contrabando abundante nesta zona da raia. Algum complemento a um salário magro. Histórias de perigos, ousadia, dignidade, persistência e superação. Na aldeia de Santana das Cambas existe um Museu do Contrabando que soubemos estar encerrado.   
Curvo-me perante uma realidade que desconhecia, apenas intuía… Ao olhar para os mineiros envelhecidos e suas famílias passei a vê-los como heróis, príncipes daquela terra, figuras exemplares de cidadania e coragem.

A favor do argumento ontológico

A realidade é um extraordinário abismo de Ilimitado em todas as direções e dimensões. É isto o Absoluto. Não tendo na sua constituição nenhuma descontinuidade, nenhum vazio absoluto (pois nele o nada absoluto [ou Nada] não pode simplesmente ter lugar), o Absoluto é plenitude de Ser. A isto se chega pela simples consideração de que o Nada, precisamente por ser Nada, não existe nem pode existir, pelo que sobra “apenas” aquilo que existe de facto, que é Tudo.

Cultura e artes

Aquilino e Bartolomeu dos Mártires: o “pai dos pobres e mártir sem desejos”

Aquilino Ribeiro, escritor de prosa escorreita, pujante, honrou a dignidade da língua portuguesa à altura de outros antigos prosadores de grande qualidade. Irmanado com a Natureza beirã: aves, árvores, animais e homens. Espirituoso e de fina ironia, é bem o Mestre da nossa Língua. Em “Dom Frei Bertolameu” faz uma espécie de hagiografia do arcebispo de Braga, D. Frei Bartolomeu dos Mártires (1514-1590), canonizado pelo Papa Francisco a 6 de Julho de 2019.

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco