Beleza e ecumenismo

| 19 Jan 20

A junção de beleza e ecumenismo evoca a luxuriante diversidade num jardim. A beleza tem afinidades com a surpresa: é a vitória sobre o banal, o monótono.

Acontece que uma espécie de medo ou acanhamento nos chega a impedir de sair de casa, de ver coisas diferentes do nosso pequeno mundo… até porque nos podemos perder, nos vários sentidos da palavra.

A relação com os outros é natural que gere alguma inquietação. Duvidamos, um bocadinho que seja, da qualidade das flores novas. Sabemos (sem saber dizê-lo) que a própria vida sexual é um estranho jardim… E até muitas vezes temos medo de Deus – porque nada pode ser mais estranho.

Como é que Jesus nos conseguiu sentar à mesa com Deus? Foi simplesmente ao encontro dos outros. Sem se pôr acima de ninguém – nem abaixo de ninguém. Como um singelo jardineiro.

Durante a sua vida (Mt.10,5-16; Lc.10,1-12), fez um teste aos discípulos: enviou-os como se se tratasse de um projecto de “jardinagem”. Não podiam perder tempo pelo caminho e muito menos durante o trabalho (o que é bom é para ser bem feito!). E se não fossem bem recebidos, até deviam sacudir o pó ou a lama que se agarrasse aos sapatos. Como quem diz: é perigoso deixar que os ideais sejam corrompidos por coisas aparentemente pequenas a que podemos ficar agarrados. Por outro lado, ele sabia bem o que é transparência a sério… Quem não gosta de melhorar os canteiros, não merece que lhe tratem do jardim. Pelo contrário, se gostam de multiplicar a beleza, todo o trabalho terá um ambiente de alegria e paz.

E deu exemplo do que disse: se a semente não cai na terra e não morre, não pode dar flores e frutos. Os discípulos, aprendizes desorientados, só passadas muitas semanas após a morte de Jesus, é que se deram conta do trabalho a fazer. Precisavam de relembrar os ensinamentos do Mestre e de vencer o medo de se expor.

Assim fizeram, durante sete x sete semanas – número “perfeito”, símbolo do tempo necessário para poderem, por sua vez, dar flor e fruto.

Portanto, foi no dia seguinte a estas semanas simbólicas – o dia de Pentecostes ou quinquagésimo – que apareceram na praça pública, com um ar tão confiante e transbordante de alegre energia, que toda a gente os queria como “jardineiros”. Não precisavam de lhes perceber as palavras: ficaram encantados e convencidos pela arte do trabalho deles. Sabiam juntar humildade e autoridade. Só faziam aquilo de que estavam convencidos ser o melhor.

Nascera o movimento ecuménico: uma nova era de jardins e de boas sementes, formando uma casa comum com a beleza irradiante de alternados canteiros simples ou exóticos.

A ciência e especialização crescente dos “jardineiros” deu ao ecumenismo novos sentidos, mais especializados e menos globais: organização institucional, convergência doutrinal, espiritualidade superior às barreiras burocráticas… Felizmente, é cada vez mais reconhecido que o essencial do ecumenismo é a união da humanidade e não especificamente das igrejas. Só vai ao encontro dos outros quem não fica sentado a classificar os canteiros. É preciso aventurar-se pelos jardins vivos, e crescer com eles espalhando optimismo, alegria a sério, o prazer de convívio…

É pelo diálogo que descobrimos as qualidades da boa terra local. Eliminando a cizânia da superioridade, fonte de discórdia, humilhações e ódios. Conscientes de que ninguém pode exprimir correctamente a verdade, e muito menos pretender possuí-la inteiramente. Todos os seres humanos têm esta limitação, mesmo se impelidos a falar pelo Espírito de Deus.

Para terminar em beleza: comecemos por conhecer a beleza do nosso jardim. Quanto mais aprofundarmos o cristianismo, mais alta será a prancha de lançamento ao encontro de todos os que procuram o mesmo Deus. É um exercício a ser feito no seio de qualquer outro sistema religioso. Então, o encontro entre religiões será transparente e só por si um acto profundamente religioso.

O Concílio Vaticano II deixou de usar o termo missão (por se ter desvirtuado) e prefere evangelização: deixando claro que a boa nova para um ser humano é a realização do bem-estar físico e espiritual, da união (trabalhosa!) entre liberdade e justiça.

 

Manuel Alte da Veiga é professor universitário aposentado

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Eutanásia, hora do debate novidade

Seja qual for a posição de cada um, a reflexão e o debate sobre a eutanásia é uma exigência de cidadania e não uma discussão entre alguns, em círculo fechado, mesmo se democraticamente nos representam. Quando está em jogo o tipo de sociedade que desejo para os meus netos, não quero que outros decidam sem saberem o que penso.

“Qual é o mal de matar?”

A interrogação que coloquei como título deste texto foi usada por Peter Singer que a ela subordinou o capítulo V do seu livro Ética Prática. Para este filósofo australiano, a sacralidade da vida humana é entendida como uma forma de “especismo”, uma designação que ele aplica a todas as teorias que sustentam a superioridade da espécie humana.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro novidade

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco