Bem-aventurados os puros de coração

| 15 Dez 18

Este filme tinha tudo para ser ‘arrumado’ na prateleira dos que, um dia, passariam pela televisão e, se calhasse, talvez desse para uma espreitadela disfarçada: uma história mais do que contada, a tender para o choradinho, pouco mais do que um entretenimento. Enfim, preconceitos são preconceitos mas, felizmente, seja porque que razão for, alguém nos ‘leva’ a ver o filme. As críticas são simpáticas, afinal parece interessante, e até Clara Ferreira Alves começa assim uma crónica: «Gostei muito de “Assim Nasce uma Estrela” (Expresso-Revista, 27 de Outubro). Vejamos então. E vale mesmo a pena gastar 135 minutos – é um filme longo – a ouvir e contemplar esta história de amor, de ascensão e queda, de encontro e desencontro, de verdade e mentira que, não sendo nova, é magnificamente recriada pelos dois actores (Bradley Cooper/Jackson Maine e Lady Gaga/Ally). Imperdível.

Talvez na vida real seja uma história impossível de acontecer, mas ainda bem que existe a ficção para nos fazer acreditar que ainda há homens e mulheres de coração puro, mesmo que não dure para sempre, mesmo que ‘acabe mal’.

Entremos por aqui: o filme também é sobre o impacto – forte e quase sagrado – que uma mulher pode ter num homem e vice-versa. Nenhum fica igual depois do encontro; e tudo poderia acabar bem se as pessoas fossem capazes de não ouvir as insídias do Diabo do Mercado que só pensa no lucro. Mas essa é a luta mais difícil.

Imprevisivelmente, e porque não aguenta não beber, Jackson Maine, numa quase madrugada, entra num bar de drag queens. E enquanto bebe, ouve uma voz poderosa e irresistível, diferente. E não desiste de a levar e ter consigo. Para além de ser um famoso cantor, dependente do álcool, ele é também um homem bom (repare-se naquele gesto quase imperceptível de trazer para o seu motorista um pacote de cheerios, quando vão a um supermercado à procura de gelo para pôr na mão dela que se tinha aleijado). No meio de algumas dúvidas e recusas – por parte dela – e de muitas insistências – por parte dele – descobrem-se a alma gémea um do outro. E é assim que a história vai até que o ‘Diabo’ passa a ser agente de Ally que se tinha revelado, entretanto, uma magnífica cantora. Jackson assiste impotente, mas sobretudo desolado, à ingénua transformação da sua cantora, que vai perdendo autenticidade, cai na vulgaridade, muda a imagem. Torna-se uma estrela segundo as regras do mainstream. Ainda por cima tem de ouvir do tal Diabo que ela não vai mais longe por causa dele. E ele, que estava ‘recuperado’ e feliz, decide morrer como pai.

Também eu gostei do filme: porque é bem filmado, tem uma boa fotografia, tem canções incríveis e soberbamente interpretadas, mas sobretudo é uma belíssima história de amor – os mais sensíveis deixarão sair ‘uma furtiva lágrima’ e não é vergonha nenhuma – a recordar-nos que o amor é mesmo possível, mas que continua a ser necessária uma força muito grande para resistir às tentações do Diabo mentiroso e divisor.

Uma nota final apenas para dizer que se trata, 42 anos depois, da quarta remake do filme ‘Assim Nasce Uma Estrela’ e que esta é talvez, segundo os cinéfilos mais atentos e sabedores, a melhor. Bom filme.

Breves

Boas notícias

Outras margens

Cultura e artes

CRC promove homenagem a Luís Salgado Matos

O Centro de Reflexão Cristã promove no próximo dia 10 de março um encontro de homenagem a Luís Salgado de Matos, falecido a 15 de fevereiro, autor com um largo contributo para o estudo da história religiosa contemporânea com muitas obras e artigos.

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

Pessoas

CRC promove homenagem a Luís Salgado Matos

CRC promove homenagem a Luís Salgado Matos

O Centro de Reflexão Cristã promove no próximo dia 10 de março um encontro de homenagem a Luís Salgado de Matos, falecido a 15 de fevereiro, autor com um largo contributo para o estudo da história religiosa contemporânea com muitas obras e artigos.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada novidade

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Banco da solidariedade, experiência única

Sobre uma oportunidade de resistência coletiva     Muito se tem escrito e tenho escrito sobre a falta de saúde mental a que, provavelmente, estamos e estaremos sujeitos durante e após esta pandemia. Os números crescem, traduzidos por sofrimentos enquadráveis...

Que futuro, Iémen?

O arrastar do conflito tornou insuficiente a negociação apenas entre Hadi e houthis, já que somados não controlam a totalidade do território e é difícil encontrar uma solução que satisfaça todos os atores. Isso será ainda mais difícil porque as alianças não são sólidas, os objetivos são contraditórios e enquanto uns prefeririam terminar a guerra depressa, outros sairiam beneficiados se o conflito continuasse. Além disso, muitos são os que enriquecem à custa dele. Para esses, o melhor é que este não termine.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This