Bênção de uniões homossexuais em debate na TSF

| 7 Abr 2021

Homofobia. Homossexualidade

Manifestação em Estrasburgo, em Janeiro de 2013: “Perante a homofobia, Jesus grita”, diz o cartaz. Foto © Claude Truong-Ngoc/WikiCommons.

“Há portas que não devem ser fechadas, porque Deus é que está do outro lado dessas portas”, dizia, a terminar o debate, Jorge Teixeira da Cunha, padre e professor de Teologia Moral na Universidade Católica Portuguesa (UCP), no Porto. No programa Olhe Que Não, que passou nesta quarta-feira, 7 de abril, ao início da tarde, na TSF, com moderação do jornalista Pedro Pinheiro, discutiu-se o documento da Congregação para a Doutrina da Fé, do Vaticano, que respondia “negativo” a uma pergunta sobre se a Igreja não pode abençoar uniões homossexuais.

No debate onde se aprofundaram argumentos, tocando com dignidade um tema nem sempre fácil, o também diretor-adjunto da Faculdade de Teologia da UCP disse que nem a pergunta nem a resposta deveriam ter sido feitas e publicadas. E afirmou ainda que a proposta de Jesus é a de uma “invenção do mundo”. O mesmo Jesus que era “afoito”, acrescentou.

Rui Aleixo, artista plástico e músico, o outro interveniente no debate, lamentou a publicação de documentos como este. Afirmando-se católico e de condição homossexual, Rui Aleixo disse que o Papa Francisco tem proposto um caminho em conjunto com as pessoas que estão nas margens. Acrescentando que todos os crentes precisam de se deixar incentivar pelo movimento de escuta que o Papa tem proposto, afirmou que esta questão “não pode ser varrida para debaixo do tapete”.

O programa Olhe Que Não pode ser ouvido na íntegra na página da TSF.

(A legenda da fotografia foi corrigida dia 8, às 13h)

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Seria grande caridade tratar do caso com urgência”

Cartas de Luiza Andaluz em livro

“Seria grande caridade tratar do caso com urgência” novidade

Preocupações com um homem que estava preso, com o funcionamento de uma oficina de costura para raparigas que não tinham trabalho, com a comida para uma casa de meninas órfãs. E também o relato pessoal de como sentiu nascer-lhe a vocação. Em várias cartas, escritas entre 1905 e 1971 e agora publicadas, Luiza Andaluz, fundadora das Servas de Nossa Senhora de Fátima, dá conta das preocupações sociais que a nortearam ao longo do seu trabalho e na definição do carisma da sua congregação.

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This