Bento XVI, a marca da Esperança

| 18 Jan 2023

“Bento XVI foi um grande intérprete dos sinais dos tempos. Tradição e modernidade, razão e fé, complexidade e unidade são elementos que caracterizam o paradoxo virtuoso, como exigência de sentido crítico e de reflexão sobre a novidade e a diferença.” Foto: Papa Bento XVI © Vatican Media.

 

Em lugar da simplificação tão repetida centrada num perfil conservador, temos de entender que, ao longo do seu percurso teológico e pastoral, o Papa Bento XVI foi uma figura de paradoxos virtuosos. E tais paradoxos correspondem a uma articulação futurante entre a compreensão das raízes culturais e históricas da tradição e a perceção crítica da modernidade. O pensamento do Papa emérito constitui motivo para uma reflexão aprofundada sobre o fenómeno religioso – relacionando fé e razão, como necessário modo de compreensão da pessoa humana enquanto centro da vida, mas também como assunção do pluralismo e das diferenças em contraponto ao relativismo ético.

Desde o tempo em que foi perito no Concílio Vaticano II, junto do cardeal Frings de Colónia, assumiu uma evidente abertura de espírito, bem presente na fundação da revista Communio, com Hans Urs von Balthasar e Henri de Lubac, e nas encíclicas fundamentais que subscreveu como sumo pontífice – Deus Caritas Est, Spe Salvi e Caritas in Veritate, além da Lumen Fidei, partilhada com o Papa Francisco.

Bento XVI foi um grande intérprete dos sinais dos tempos. Tradição e modernidade, razão e fé, complexidade e unidade são elementos que caracterizam o paradoxo virtuoso, como exigência de sentido crítico e de reflexão sobre a novidade e a diferença. O facto de citar autores não religiosos ou seculares nos seus documentos, o que antes não acontecia, e de abrir novas pistas de reflexão, demonstra bem uma capacidade teológica e profética desafiante, que concede aos seus documentos uma fecundidade essencial.

A esta consideração teológica, temos de somar a coragem de ter sido pioneiro no assumir das responsabilidades dos católicos em matéria de exemplo moral, de ter denunciado com veemência as faltas de membros da Igreja, bem como as injustiças económicas ditadas pela crise financeira. E recordo como a reflexão sobre a esperança (no contributo decisivo de Charles Péguy) foi, na expressão e na vivência de João Bénard da Costa, motivo de fortalecimento de uma fé renovada.

De facto, Henri de Lubac, baseando-se na teologia dos Padres da Igreja em toda a sua amplitude, «pôde demonstrar que a salvação foi sempre considerada como uma realidade comunitária». Por isso, a Carta aos Hebreus fala da “cidade” e de uma salvação comunitária. Deste modo, o pecado é entendido como destruição da unidade do género humano, como fragmentação e divisão. A «redenção» aparece, assim, em Spe Salvi, «como a restauração da unidade, onde nos encontramos novamente juntos numa união que se manifesta na comunidade mundial dos crentes». Agostinho de Hipona apresentou, por isso, o seu ponto de partida com a expressão «vida bem-aventurada», citando o Salmo 144 (143), 15: «Feliz o povo cujo Deus é o Senhor».

Para poder formar parte deste povo e viver eternamente com Ele, “o fim dos mandamentos é promover a caridade, que procede de um coração puro, de uma consciência reta e de uma fé sincera” (1 Tm 1,5)».  E esta vida verdadeira, para a qual tendemos, depende da união existencial com um «povo» e apenas pode realizar-se para cada pessoa no âmbito de uma partilha, na qual «nós» existimos singularmente e em comum, o que pressupõe, precisamente, o êxodo da prisão do próprio «eu», pois só com este sujeito universal se abre o olhar para a fonte da alegria, para o amor em pessoa, para Deus.

Importa reler com atenção Caritas in Veritate, no seu sentido profético, tantas vezes esquecido. O quadro do desenvolvimento hoje é policêntrico. As causas do subdesenvolvimento como do desenvolvimento são múltiplas e diferenciadas. Devemos libertar-nos das ideologias que simplificam as questões, de forma artificiosa, examinando com objetividade a consistência humana dos problemas. A distinção entre países ricos e pobres já não é tão nítida como no tempo de S. Paulo VI. Cresce a riqueza mundial em termos absolutos, mas aumentam as desigualdades. Novas categorias sociais empobrecem e nascem novas pobrezas. Em áreas mais pobres, ocorre um fenómeno de consumismo e desperdício que se associa com situações duradouras de miséria desumanizadora.

«A corrupção e a ilegalidade estão presentes tanto no comportamento de sujeitos económicos e políticos dos países ricos, como nos próprios países pobres. No número dos que não respeitam os direitos humanos dos trabalhadores, contam-se às vezes grandes empresas transnacionais e grupos de produção local. As ajudas internacionais foram muitas vezes desviadas das suas finalidades, por irresponsabilidades que se escondem tanto na cadeia dos sujeitos doadores como na dos beneficiários». E há formas excessivas de proteção do conhecimento por parte dos países ricos, através duma utilização rígida do direito de propriedade intelectual, especialmente no campo da saúde, como vimos na pandemia. Tudo isto foi referido por Bento XVI, como marca de esperança, e tem sido base do magistério do Papa Francisco. Eis o que não podemos esquecer.

 

Guilherme d’Oliveira Martins é administrador executivo da Fundação Calouste Gulbenkian. Contacto: gom@cnc.pt 

 

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

7MARGENS antecipa estudo

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas novidade

Ao basear-se em inquéritos junto das famílias, as estatísticas oficiais em Portugal não captam as situações daqueles que não vivem em residências habituais, como as pessoas em situação de sem-abrigo, por exemplo. E é por isso que “subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia a Cáritas Portuguesa na introdução ao seu mais recente estudo, que será apresentado na próxima terça-feira, 27 de fevereiro, na Universidade Católica Portuguesa do Porto.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra

Atividades abertas a todos

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra novidade

Empenhado em ser “um lugar onde a Cultura e a Espiritualidade dialogam com a cidade”, o Seminário de Coimbra acolhe, na próxima segunda-feira, 26, a atividade “Humanizar através do teatro – A Importância da Compaixão” (que inclui a representação de uma peça, mas vai muito além disso). Na terça-feira, dia 27, as portas do Seminário voltam a abrir-se para receber o biólogo e premiado fotógrafo de natureza Manuel Malva, que dará uma palestra sobre “Salvar a natureza”. 

Era uma vez na Alemanha

Era uma vez na Alemanha novidade

No sábado 3 de fevereiro, no centro de Berlim, um estudante judeu foi atacado por outro estudante da sua universidade, que o reconheceu num bar, o seguiu na rua, e o agrediu violentamente – mesmo quando já estava caído no chão. A vítima teve de ser operada para evitar uma hemorragia cerebral, e está no hospital com fracturas em vários ossos do rosto. Chama-se Lahav Shapira. [Texto de Helena Araújo]

Vitrais e escultura celebram videntes de Fátima na Igreja da Golpilheira

Inaugurados dia 25

Vitrais e escultura celebram videntes de Fátima na Igreja da Golpilheira novidade

A comunidade cristã da Golpilheira – inserida na paróquia da Batalha – vai estar em festa no próximo domingo, 25 de fevereiro, data em que serão inaugurados e benzidos os novos vitrais e esculturas dos três videntes de Fátima que passarão a ornamentar a sua igreja principal – a Igreja de Nossa Senhora de Fátima. As peças artísticas foram criadas por autores nacionais, sob a coordenação do diretor do Departamento do Património Cultural da Diocese de Leiria-Fátima, Marco Daniel Duarte.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This