Bielorrússia: bispos acusam governo de agir ilegalmente e exigem o “regresso imediato” do arcebispo de Minsk

| 4 Set 20

Tadeusz Kondrusiewicz, Foto CCEE

“Não quero que uma decisão irracional e ilegal do serviço de fronteiras aumente as tensões no nosso país”, escreveu o arcebispo de Minsk numa mensagem aos católicos da Bielorrússia. Foto © CCEE.

 

Retido na fronteira com a Polónia na passada segunda-feira, 31 de agosto, quando regressava das celebrações em honra de Nossa Senhora de Częstochowa, o arcebispo de Minsk (Bielorrússia), Tadeusz Kondrusiewicz, continua sem autorização para entrar no seu país. O Conselho das Conferências Episcopais da Europa (CCEE) emitiu esta quarta-feira, 2, um comunicado em que pede o “regresso imediato a casa” do arcebispo e o “retomar do seu ministério episcopal”, enquanto a conferência episcopal do país acusa o Governo de estar a agir ilegalmente.

“A presidência do CCEE expressa a proximidade de todo o episcopado europeu a monsenhor Kondrusiewicz e à Igreja da Bielorrússia neste assunto delicado e faz seu o apelo do Papa Francisco ‘ao diálogo, rejeição da violência e respeito pela justiça e lei’”, pode ler-se na nota, publicada no site do conselho europeu.

Também os bispos da Bielorrússia emitiram uma declaração na quarta-feira, 2 de setembro, em que afirmam ser “inadmissível” e “incompatível com a atual legislação da República da Bielorrússia” que “um bispo da Igreja Católica, que é o pastor dos fiéis a si confiados, seja privado da oportunidade de estar na sua própria diocese e de nela exercer o ministério que lhe foi confiado pelo Papa Francisco”.

“A Conferência dos Bispos Católicos da Bielorrússia espera que a recusa do arcebispo Tadeusz Kondrusiewicz de entrar no país seja apenas um lamentável mal-entendido que será resolvido o mais rápido possível, e que tais incidentes não voltem a ocorrer no futuro”, acrescentam.

No dia anterior, o próprio arcebispo de Minsk, que é também o presidente da conferência episcopal bielorrussa, tinha já enviado uma mensagem aos católicos do país, relatando o que estava a passar-se. Na missiva, escrita a partir da cidade polaca de Białystok, próxima da fronteira com a Bielorrússia, Kondrusiewicz explicava que os guardas fronteiriços “agiram de forma muito educada”, mas sublinhava que o facto de lhe recusarem a entrada na sua terra natal era “absolutamente incompreensível” e contrário à lei.

“Não quero que uma decisão irracional e ilegal do serviço de fronteiras aumente as tensões no nosso país”, escreveu o arcebispo de Minsk, apelando ao diálogo e reconciliação no país, onde se sucedem os protestos motivados pelas eleições do dia 9 de agosto.

Os resultados oficiais do ato eleitoral reconduziram Aleksandr Lukashenko a um sexto mandato presidencial, com 80% dos votos. A oposição denunciou a eleição como fraudulenta e milhares de bielorrussos têm saído às ruas por todo o país para exigir o afastamento do Presidente. Os protestos têm sido reprimidos pelas forças de segurança, com milhares de pessoas detidas e centenas de feridos.

Na véspera de ter sido impedido de entrar no país, o arcebispo de Minsk tinha referido “as dificuldades económicas em que a Bielorrússia parece estar a afundar-se” e alertado para a possibilidade de “um isolamento internacional do país”. Além disso, Kondrusiewicz estava preocupado com “as divisões dentro da sociedade” e relatou rumores que “provavelmente dariam origem ao risco de guerra civil”.

Com 9,6 milhões de habitantes, a Bielorrússia é composta maioritariamente por cristãos ortodoxos. De acordo com a Catholic News Agency, os católicos são a segunda maior comunidade religiosa no país, correspondendo a 6% da população, e constituem a maior comunidade católica de toda a Europa do Leste.

 

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos

Papa regressou da Eslováquia

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos novidade

O aborto é homicídio, mas os bispos têm de ser próximos de quem defende a sua legalização; os Estados devem apoiar as uniões de pessoas do mesmo sexo, mas a Igreja continua a considerar o sacramento do matrimónio apenas entre um homem e uma mulher; e as vacinas têm uma “história de amizade” com a humanidade, não se entendem por isso os negacionismos. Palavras do Papa a bordo do avião que o levou da Eslováquia de regresso a Roma.

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa

Enredado em movimentos tradicionalistas

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa novidade

São visíveis na Igreja Católica dos Estados Unidos da América, em especial nos últimos anos, movimentações de setores conservadores e tradicionalistas que, embora não assumindo o cisma, se comportam objetivamente como cismáticos. São numerosas as organizações que contam com o apoio de figuras de projeção mediática e que ostensivamente denigrem o Papa e uma parte dos bispos do seu país. Um nome aparece cada vez mais como elemento comum e de suporte: Carlo Maria Viganò, o arcebispo que foi núncio em Washington e que exigiu, em 2018, a demissão do Papa Francisco. Mais recentemente, outra figura de grande projeção pública que vem surgindo nestas movimentações é a do ator e realizador Mel Gibson.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo

Estreia na Igreja de São Tomás de Aquino

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo novidade

“Os primeiros esboços deste texto terão surgido nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial”, explica o compositor Alfredo Teixeira, autor da Missa sobre o Mundo, obra para órgão e voz recitante que terá a sua estreia mundial absoluta no próximo sábado, 18 de Setembro, às 16h30 (entrada livre, sujeita ao número de lugares existentes). A obra, construída a partir de excertos do texto homónimo de Pierre Teilhard de Chardin (1881-1955), padre jesuíta e paleontólogo, abrirá a temporada de concertos na Igreja Paroquial de São Tomás de Aquino, em Lisboa.

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais novidade

Hoje, 15 de setembro, celebro e comemoro e agradeço e relembro António Arnaut, o criador em 1979 do Serviço Nacional de Saúde, o SNS da sobrevida de tantos de nós, portugueses. Depois de ter passado um dia de quase dez horas como doente de oncologia em imenso espaço de hospital, entre variadas mãos, procedimentos, cuidados, não posso deixar vazio na data.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This