Proposta de Lei na Câmara dos Lordes

Bispo anglicano quer regresso do apoio a famílias numerosas

| 8 Jul 2022

tres irmaos a caminho da escola, familia numeroda foto oscar jimenez

“Num momento de crescente insegurança social e económica para as famílias em todo o Reino Unido, o limite de dois filhos impõe um fardo desnecessário e desproporcional às famílias”, afirmou o bispo. Foto © Oscar Jimenez.

 

A Câmara dos Lordes debateu esta sexta-feira, 8 de julho, em segunda leitura, a proposta de Lei submetida pelo bispo de Durham, Paul Butler, para que o terceiro e subsequentes filhos das famílias pobres voltem a ser fator de aumento dos subsídios sociais que estas recebem no Reino Unido. A proposta recebeu o apoio público do bispo católico de Northampton, David Oakley, noticiou o Crux Now.

A norma foi introduzida pelo Governo de Theresa May com a argumentação de que os pobres têm filhos para beneficiarem de maiores apoios do Estado, nada fazendo para procurar emprego, ou outras fontes de rendimento. A proposta da sua supressão passará agora por várias etapas típicas do processo britânico de elaboração das leis até chegar à Câmara dos Comuns.

“Num momento de crescente insegurança social e económica para as famílias em todo o Reino Unido, o limite de dois filhos impõe um fardo desnecessário e desproporcional às famílias, principalmente às famílias que sofreram a dor do desemprego ou da deficiência”, disse Oakley em apoio à iniciativa de Paul Butler. O bispo anglicano de Durham é um dos 26 bispos da Igreja da Inglaterra que se sentam na Câmara dos Lordes do Reino Unido.

Vários estudos indicam que a remoção desta limitação tiraria de imediato 250.000 crianças da pobreza [ver 7MARGENS]. No Reino Unido, vivem na pobreza 4,3 milhões de crianças (75% das quais pertencem a famílias trabalhadoras). Metade (46%) de todas as crianças de famílias negras e de outras minorias étnicas vivem na pobreza.

 

Irene Pimentel: “Não aprendemos com a História” e por isso devemos perceber como chegámos ao Holocausto

Dia em Memória das Vítimas assinala-se nesta sexta, 27

Irene Pimentel: “Não aprendemos com a História” e por isso devemos perceber como chegámos ao Holocausto novidade

“Está mais que provado que a História nos ensina muito pouco!” A frase pode ser desconcertante, ainda para mais vinda de uma historiadora. Neste caso, de Irene Pimentel, premiada investigadora do Instituto de História Contemporânea. Mas, então, valerá a pena continuar a estudá-la e a transmiti-la, particularmente aos mais jovens? Depois do “périplo” que já fez por inúmeras escolas secundárias do país, a propósito do Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, que se assinala esta sexta-feira, 27 de janeiro, Irene Pimentel tem a certeza de que sim.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Maria Emília Brederode Santos: uma mulher de liberdade

Doutora honoris causa pelo ISPA

Maria Emília Brederode Santos: uma mulher de liberdade novidade

Maria Emília Brederode Santos é uma mulher de liberdade. Foi esta a mensagem que se destacou do discurso de elogio proferido pelo professor José Ornelas na cerimónia de atribuição do doutoramento honoris causa, pelo ISPA – Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida, a Maria Emília Brederode Santos. Sala cheia e muitos aplausos, para homenagear esta grande humanista com uma vida política, social e cultural intensa.

Transumanismo

Transumanismo novidade

A corrente de pensamento que se vem sendo designada como transumanismo pretende a superação de todos os limites que pode representar a natureza humana, aumentando as capacidades da espécie transformando-a em algo de distinto e superior (a ponto de, numa vertente mais radical, se transformar numa espécie distinta: o pós-humaníssimo).

Câmara de Lisboa investe 35 milhões naquilo que “é o pedido” da Igreja para a JMJ

Vice-presidente esclareceu em conferência

Câmara de Lisboa investe 35 milhões naquilo que “é o pedido” da Igreja para a JMJ

A construção das infraestruturas nos quatro espaços da cidade de Lisboa conde irão decorrer os principais momentos da Jornada Mundial da Juventude irá custar à autarquia da capital 35 milhões de euros. O vice-presidente da Câmara, Filipe Anacoreta Correia, apresentou os detalhes desse investimento numa conferência de imprensa que decorreu esta quarta-feira, 25 de janeiro, no Parque Tejo, um dia depois de o Observador ter divulgado que a construção do “altar-palco”, onde decorrerão a vigília e missa de encerramento da jornada, foi adjudicada por 4,2 milhões. O autarca, que tem o pelouro da JMJ na vereação lisboeta, garante que este palco “corresponde àquilo que é o pedido pelo promotor” da Jornada e que, face aos requisitos exigidos pela Fundação JMJ e pela Santa Sé, foi escolhida a proposta com o melhor preço.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This