Mensagem em vídeo

Bispo de Évora recorda Rui Nabeiro como “um homem bom” que tinha na Igreja a “sua casa”

| 21 Mar 2023

 

Um “grande empresário”, um “visionário”, alguém “com uma inteligência arguta”, mas acima de tudo “um homem bom”: assim descreve o arcebispo de Évora, Francisco Senra Coelho, o “senhor Nabeiro”, como costumava chamar ao empresário fundador do Grupo Delta Cafés, que faleceu este domingo aos 91 anos. Antecedendo as exéquias às quais preside esta terça-feira, pelas 12h, na Igreja Matriz de Campo Maior, o bispo fez questão de gravar uma mensagem em vídeo, em que é visível a admiração e gratidão que sente por Rui Nabeiro.

“Vendo muito longe, teve sempre um coração de povo. Nunca deixou de ser do povo”, sublinha Francisco Senra Coelho, na mensagem divulgada ao final desta segunda-feira nas redes sociais da arquidiocese de Évora, e que pode ser vista acima. “Fez da empresa uma família”, acompanhando o dia a dia dos milhares de funcionários, que “conhecia pelo nome, pelos seus problemas”  e a quem tantas vezes ajudou, acrescenta o arcebispo.

Por isso, refere, não é de admirar que as pessoas falassem dele “como de um amigo” e que, nas ruas de Campo Maior, tantas vezes o tratassem como “o tio Rui Nabeiro”. Para Francisco Senra Coelho, é mesmo  “impressionante esta ligação ao seu povo, a fidelidade à sua terra”, da qual “nunca se desgarrou”, apesar dos custos acrescidos que isso implicou para o seu grupo empresarial.

Ao longo da mensagem, que se estende por mais de 15 minutos, o arcebispo recorda vários momentos em que esteve com Rui Nabeiro e assinala  a relação de “pertença” que este tinha com a Igreja Católica e o sentido “pedagógico” com que ajudou inúmeras instituições paroquiais e padres, ao longo da sua vida.

No recente encontro que decorreu durante a visita pastoral do arcebispo de Évora a Elvas, Rui Nabeiro chegou mesmo a afirmar: “A Igreja é a minha casa”. E “deu-me coragem”, reconhece Senra Coelho, para quem “a sua preocupação social e participação cívica, com a comunidade e com o país, devem ser um exemplo e uma inspiração”.

As cerimónias fúnebres são celebradas esta terça-feira em Campo Maior, onde o comendador nasceu a 28 de março de 1931. O município local decretou um luto de cinco dias.

 

Há menos países a aplicar a pena de morte, mas número de execuções foi o mais elevado em quase uma década

Relatório 2023

Há menos países a aplicar a pena de morte, mas número de execuções foi o mais elevado em quase uma década novidade

A Amnistia Internacional (AI) divulgou na madrugada desta quarta-feira, 29 de maio, o seu relatório anual sobre a aplicação da pena de morte a nível mundial, que mostra que em 2023 “ocorreram 1.153 execuções, o que representa um aumento de mais de 30 por cento em relação a 2022”, sendo que “este valor não tem em conta os milhares de execuções que se crê terem sido realizados na China”. Este “foi o valor mais alto registado” pela organização “desde 2015, ano em que houve 1.634 pessoas executadas”.

Há uma “nova vaga de terror contra os cristãos” no Paquistão

Ataques sucedem-se

Há uma “nova vaga de terror contra os cristãos” no Paquistão novidade

O recente ataque a um cristão falsamente acusado de ter queimado páginas do Corão, por uma multidão muçulmana enfurecida, no Paquistão, desencadeou “uma nova vaga de terror” contra a minoria religiosa no país. Depois deste incidente, que aconteceu no passado sábado, 25 de maio, já foram registados outros dois ataques devido a alegados atos de “blasfémia” por parte de cristãos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

A memória presente em pequenas tábuas

Museu Abade de Baçal

A memória presente em pequenas tábuas novidade

“Segundo uma Promessa” é o título da exposição inaugurada a 18 de maio no Museu Abade de Baçal, em Bragança, e composta por uma centena de pequenos ex-votos, registados em tábuas, que descrevem o autor e o recetor de vários milagres, ao longo dos séculos XVIII e XIX. “O museu tem a obrigação de divulgar e de mostrar ao público algum do património que está disperso pela diocese de Bragança-Miranda”, disse ao 7MONTES Jorge Costa, diretor do museu.

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This