Mandato até 2028

Bispo do Funchal eleito vice-presidente da Comissão das Conferências Episcopais da UE

| 23 Mar 2023

bispo do funchal, nuno bras martins, na assembleia da comece, 22 março 2023, foto Comece

Nuno Brás Martins, bispo do Funchal, é o delegado da Conferência Episcopal Portuguesa na Comece desde 2020. Foto © Comece.

 

O bispo do Funchal, Nuno Brás Martins, foi eleito esta quarta-feira, 22 de março, vice-presidente da Comissão das Conferências Episcopais da União Europeia (Comece), durante a assembleia daquele organismo a decorrer em Roma, avançou o Vatican News. O prelado português é o delegado da Conferência Episcopal Portuguesa na Comece desde 2020.

O novo Presidente é o bispo de Latina (Itália), Mariano Crociata, que substitui no cargo o cardeal Jean-Claude Hollerich, arcebispo do Luxemburgo. A direção fica completa com outros três vice-presidentes: os bispos Antoine Hérouard (França), Rimantas Norvila (Lituânia) e Czeslaw Kozon (Dinamarca). O seu mandato estende-se até 2028.

Crociata, 70 anos, expressou gratidão pela confiança em si depositada pelos membros da assembleia da Comece. “Este é um momento crucial para a Europa e para a Igreja. Unidade e solidariedade são necessárias mais do que nunca nesta transição”, afirmou o novo presidente, pensando na “recuperação justa e sustentável das consequências da pandemia de covid-19” e na importância de renivar a paz no continente e no mundo.

Após a eleição, a assembleia reuniu com o secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, para refletir sobre as implicações humanitárias, geopolíticas e sociais da guerra na Ucrânia e as formas como a Igreja pode encorajar e contribuir para o papel da União Europeia (UE) como um ator de paz global.

Nesta quinta-feira, 23, a nova Presidência, todos os delegados dos bispos da UE e membros do secretariado da Comece, juntamente com suas famílias, serão recebidos pelo Papa Francisco no Vaticano.

A Comece integra delegados de todos os Estados-membros da UE, tendo sido criada em 1980, com a aprovação da Santa Sé, para representar os episcopados católicos junto das instituições comunitárias.

 

Há menos países a aplicar a pena de morte, mas número de execuções foi o mais elevado em quase uma década

Relatório 2023

Há menos países a aplicar a pena de morte, mas número de execuções foi o mais elevado em quase uma década novidade

A Amnistia Internacional (AI) divulgou na madrugada desta quarta-feira, 29 de maio, o seu relatório anual sobre a aplicação da pena de morte a nível mundial, que mostra que em 2023 “ocorreram 1.153 execuções, o que representa um aumento de mais de 30 por cento em relação a 2022”, sendo que “este valor não tem em conta os milhares de execuções que se crê terem sido realizados na China”. Este “foi o valor mais alto registado” pela organização “desde 2015, ano em que houve 1.634 pessoas executadas”.

Há uma “nova vaga de terror contra os cristãos” no Paquistão

Ataques sucedem-se

Há uma “nova vaga de terror contra os cristãos” no Paquistão novidade

O recente ataque a um cristão falsamente acusado de ter queimado páginas do Corão, por uma multidão muçulmana enfurecida, no Paquistão, desencadeou “uma nova vaga de terror” contra a minoria religiosa no país. Depois deste incidente, que aconteceu no passado sábado, 25 de maio, já foram registados outros dois ataques devido a alegados atos de “blasfémia” por parte de cristãos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

A memória presente em pequenas tábuas

Museu Abade de Baçal

A memória presente em pequenas tábuas novidade

“Segundo uma Promessa” é o título da exposição inaugurada a 18 de maio no Museu Abade de Baçal, em Bragança, e composta por uma centena de pequenos ex-votos, registados em tábuas, que descrevem o autor e o recetor de vários milagres, ao longo dos séculos XVIII e XIX. “O museu tem a obrigação de divulgar e de mostrar ao público algum do património que está disperso pela diocese de Bragança-Miranda”, disse ao 7MONTES Jorge Costa, diretor do museu.

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This