Lisboa sem novidades

Bispo do Porto afasta três padres suspeitos de abusos

| 16 Mar 2023

Manuel Linda Foto Diocese do Porto

O bispo Manuel Linda, numa celebração na Sé do Porto, em setembro de 2022. Foto © Diocese do Porto.

 

A diocese do Porto anunciou esta quinta-feira, 16 de março, o afastamento temporário de três padres, no seguimento de uma investigação interna realizada após ter recebido, por parte da Comissão Independente, uma lista com os nomes de 12 clérigos acusados de ter abusado de menores, dos quais sete se encontravam no ativo.

“No âmbito da investigação interna sobre os nomes constantes da lista de suspeitos fornecida pela Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais de Crianças na Igreja Católica, o bispo do Porto decidiu afastar temporariamente três sacerdotes diocesanos de toda a atividade pastoral”, indica um comunicado divulgado no site da diocese.

No passado dia 10 de março, a diocese havia emitido um primeiro comunicado em que anunciava ter  sido “iniciada a investigação prévia a respeito dos sete clérigos vivos” e garantia que se, entretanto, aparecessem “indícios fiáveis”, o bispo Manuel Linda não hesitaria “em suspender preventivamente o clérigo em causa”. Na nova nota publicada esta quinta-feira, nada é dito relativamente aos restantes quatro padres no ativo que constam da lista.

A diocese do Porto é, até ao momento, aquela em que mais padres foram afastados no seguimento da entrega da lista pela Comissão Independente (e a segunda com maior número de alegados abusadores, a seguir a Lisboa).

Relativamente ao Patriarcado de Lisboa, que informou no passado dia 10 ter solicitado “com caráter de urgência” mais dados à Comissão Independente respeitantes aos cinco padres acusados que ainda se encontram no ativo (de um total de 24 que constam da lista recebida), não voltou a emitir qualquer comunicado até ao momento.

Em entrevista à Renascença e ao Público na passada terça-feira, 14, o bispo auxiliar de Lisboa, Américo Aguiar, explicou que o Patriarcado ainda não afastou nenhum dos “cinco, seis” clérigos que estão no ativo porque continua à espera de “mais dados”. Depois disso, admite que estes padres “podem ser sujeitos à tal proibição do exercício público do ministério”.

 

Há menos países a aplicar a pena de morte, mas número de execuções foi o mais elevado em quase uma década

Relatório 2023

Há menos países a aplicar a pena de morte, mas número de execuções foi o mais elevado em quase uma década novidade

A Amnistia Internacional (AI) divulgou na madrugada desta quarta-feira, 29 de maio, o seu relatório anual sobre a aplicação da pena de morte a nível mundial, que mostra que em 2023 “ocorreram 1.153 execuções, o que representa um aumento de mais de 30 por cento em relação a 2022”, sendo que “este valor não tem em conta os milhares de execuções que se crê terem sido realizados na China”. Este “foi o valor mais alto registado” pela organização “desde 2015, ano em que houve 1.634 pessoas executadas”.

Há uma “nova vaga de terror contra os cristãos” no Paquistão

Ataques sucedem-se

Há uma “nova vaga de terror contra os cristãos” no Paquistão novidade

O recente ataque a um cristão falsamente acusado de ter queimado páginas do Corão, por uma multidão muçulmana enfurecida, no Paquistão, desencadeou “uma nova vaga de terror” contra a minoria religiosa no país. Depois deste incidente, que aconteceu no passado sábado, 25 de maio, já foram registados outros dois ataques devido a alegados atos de “blasfémia” por parte de cristãos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

A memória presente em pequenas tábuas

Museu Abade de Baçal

A memória presente em pequenas tábuas novidade

“Segundo uma Promessa” é o título da exposição inaugurada a 18 de maio no Museu Abade de Baçal, em Bragança, e composta por uma centena de pequenos ex-votos, registados em tábuas, que descrevem o autor e o recetor de vários milagres, ao longo dos séculos XVIII e XIX. “O museu tem a obrigação de divulgar e de mostrar ao público algum do património que está disperso pela diocese de Bragança-Miranda”, disse ao 7MONTES Jorge Costa, diretor do museu.

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This