Pressões para calar Igreja

Bispo impedido de entrar na Cúria da sua diocese, na Nicarágua

| 27 Mai 2022

Quer o seminário quer a Cúria de Matagalpa estiveram cercados pela Polícia. Foto: Direitos reservados.

 

O bispo de Matagalpa, Nicarágua, Rolando Alvarez, que se tinha refugiado numa paróquia dos arredores de Manágua, no dia 19 de maio, devido a perseguição de forças policiais e que, nos dias seguintes, foi impedido de entrar na Cúria da sua diocese, reatou já a atividade pastoral normal. O bispo conseguiu sair na última segunda-feira, 23, para a sua diocese na parte noroeste do país, mas deparou com a sede da Cúria diocesana bloqueada, pelo que foi obrigado a alojar-se no seminário local.

A saída para a sua diocese, com escolta de várias patrulhas policiais, ter-se-á ficado a dever a diligência junto do Governo, feita por um clérigo não identificado, segundo relata o jornal Confidencial.

Quer o seminário quer a Cúria estiveram cercados pela Polícia.

As circunstâncias do alívio da pressão policial não são conhecidas. Há apenas um ato de agradecimento do bispo aos seus diocesanos e a uma longa lista de entidades, pela solidariedade recebida.

O facto de Rolando Alvarez ser um bispo que tem denunciado violações de direitos humanos e que é responsável pelo pelouro da comunicação no âmbito da Conferência Episcopal da Nicarágua leva a generalidade dos observadores a ver este assédio e intromissão como um aumento das pressões governamentais sobre a Igreja Católica.

Nas tomadas de posição, além da dos clérigos e leigos de Matagalpa, destaca-se a da Conferência Episcopal do país que, em comunicado,  exprime “solidariedade e proximidade” ao colega no episcopado. O cardeal Leopoldo Brenes, arcebispo de Manágua, numa homilia no domingo, 22, reconheceu que o país vive “tempos difíceis como nação”, acrescentando que “a Igreja é mestra no diálogo, na reconciliação e no perdão, porque assim nos ensinou Jesus”. E rezou pelos que, por causa do Evangelho, se associam à paixão de Cristo, nomeando expressamente a situação do bispo de Matagalpa.

O Conselho Episcopal Latinoamericano (CELAM), em comunicado emitido na última quinta-feira, 26, solidarizou-se também com o bispo e com a Igreja Católica e todo o povo nicaraguense “diante da difícil situação sociopolítica que o país atravessa e que afeta a vida pastoral e a integridade de vários membros da Igreja Católica”.

Do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos chegou também a confirmação de que “o cerco policial aos padres” na Nicarágua reitera que “ninguém está livre da perseguição incessante da divergência” e da “exigência de justiça”, que atinge agora o trabalho pastoral, o que constitui um condicionamento da liberdade religiosa.

Para além do bispo de Matagalpa, vários padres que desenvolvem ação pastoral que é vista como oposição ao regime têm vindo a sofrer o mesmo tipo de cerco, nos últimos tempos, não apenas por parte da Polícia Nacional, mas também por grupos de apoiantes do Governo de Ortega.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This