Pressões para calar Igreja

Bispo impedido de entrar na Cúria da sua diocese, na Nicarágua

| 27 Mai 2022

Quer o seminário quer a Cúria de Matagalpa estiveram cercados pela Polícia. Foto: Direitos reservados.

 

O bispo de Matagalpa, Nicarágua, Rolando Alvarez, que se tinha refugiado numa paróquia dos arredores de Manágua, no dia 19 de maio, devido a perseguição de forças policiais e que, nos dias seguintes, foi impedido de entrar na Cúria da sua diocese, reatou já a atividade pastoral normal. O bispo conseguiu sair na última segunda-feira, 23, para a sua diocese na parte noroeste do país, mas deparou com a sede da Cúria diocesana bloqueada, pelo que foi obrigado a alojar-se no seminário local.

A saída para a sua diocese, com escolta de várias patrulhas policiais, ter-se-á ficado a dever a diligência junto do Governo, feita por um clérigo não identificado, segundo relata o jornal Confidencial.

Quer o seminário quer a Cúria estiveram cercados pela Polícia.

As circunstâncias do alívio da pressão policial não são conhecidas. Há apenas um ato de agradecimento do bispo aos seus diocesanos e a uma longa lista de entidades, pela solidariedade recebida.

O facto de Rolando Alvarez ser um bispo que tem denunciado violações de direitos humanos e que é responsável pelo pelouro da comunicação no âmbito da Conferência Episcopal da Nicarágua leva a generalidade dos observadores a ver este assédio e intromissão como um aumento das pressões governamentais sobre a Igreja Católica.

Nas tomadas de posição, além da dos clérigos e leigos de Matagalpa, destaca-se a da Conferência Episcopal do país que, em comunicado,  exprime “solidariedade e proximidade” ao colega no episcopado. O cardeal Leopoldo Brenes, arcebispo de Manágua, numa homilia no domingo, 22, reconheceu que o país vive “tempos difíceis como nação”, acrescentando que “a Igreja é mestra no diálogo, na reconciliação e no perdão, porque assim nos ensinou Jesus”. E rezou pelos que, por causa do Evangelho, se associam à paixão de Cristo, nomeando expressamente a situação do bispo de Matagalpa.

O Conselho Episcopal Latinoamericano (CELAM), em comunicado emitido na última quinta-feira, 26, solidarizou-se também com o bispo e com a Igreja Católica e todo o povo nicaraguense “diante da difícil situação sociopolítica que o país atravessa e que afeta a vida pastoral e a integridade de vários membros da Igreja Católica”.

Do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos chegou também a confirmação de que “o cerco policial aos padres” na Nicarágua reitera que “ninguém está livre da perseguição incessante da divergência” e da “exigência de justiça”, que atinge agora o trabalho pastoral, o que constitui um condicionamento da liberdade religiosa.

Para além do bispo de Matagalpa, vários padres que desenvolvem ação pastoral que é vista como oposição ao regime têm vindo a sofrer o mesmo tipo de cerco, nos últimos tempos, não apenas por parte da Polícia Nacional, mas também por grupos de apoiantes do Governo de Ortega.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This