Carta do arcebispo Gadecki ao bispo Bätzing

Bispo polaco acusa bispos alemães de se afastarem do Evangelho

| 26 Fev 2022

Stanislaw Gadecki (Foto): “Não devemos ceder às pressões do mundo, ou aos padrões da cultura dominante, pois isso pode levar à corrupção moral e espiritual.” Foto © Silar | Wikimedia Commons

 

O presidente da conferência episcopal polaca, arcebispo Stanislaw Gadecki, divulgou uma carta aberta que endereçou a 22 de fevereiro ao seu homólogo alemão, o bispo Georg Bätzing, e na qual afirma que “tendo em conta os frutos” da via sinodal alemã “tem-se a impressão de que o Evangelho nem sempre tem estado na base da reflexão” feita pelos participantes.

A carta aberta do arcebispo polaco é um facto inédito na relação entre a Igreja católica da Polónia e a da Alemanha e constitui um novo passo na contestação aos temas e proposições em debate no contexto do sínodo alemão protagonizada pelos sectores católicos mais conservadores.

Recorde-se que a última reunião da via sinodal alemã realizada entre 3 e 5 de fevereiro deu um voto favorável às recomendações sobre o celibato opcional dos presbíteros, a abertura do diaconato às mulheres e a possibilidade de todos participarem na escolha do seu bispo (ver 7MARGENS). No final daquela assembleia, o núncio apostólico na Alemanha, o arcebispo Nikola Eterović, criticou veemente as conclusões votadas, lembrando que “o Papa frequentemente fala da sinodalidade e dos aspetos positivos a ela associados, mas também incentiva a evitar uma falsa compreensão e os erros.”

Contra aquelas orientações se insurge o arcebispo polaco Gadecki na carta em que ataca em cinco pontos as conclusões da via sinodal alemã: a tentação de buscar a plenitude da verdade fora do Evangelho; a tentação de acreditar na infalibilidade das ciências sociais; a tentação de viver com um complexo de inferioridade; a tentação do pensamento corporativo; a tentação de sucumbir à pressão [dos modismos eclesiais e sociais].

O presidente da conferência episcopal polaca não tem dúvidas e exorta assim os seus irmãos alemães: “Não devemos ceder às pressões do mundo, ou aos padrões da cultura dominante, pois isso pode levar à corrupção moral e espiritual.” E prossegue apelando: “Evitemos a repetição de slogans gastos e das reivindicações do costume como a abolição do celibato, o sacerdócio das mulheres, a comunhão dos divorciados e a bênção das uniões de pessoas do mesmo sexo.”

Gadecki defende que a crise contemporânea da Igreja na Europa é sobretudo uma crise de fé. “A crise de fé é uma das razões pelas quais a Igreja tem dificuldades em proclamar uma doutrina teológica e moral clara”, escreve, para concluir que “a autoridade do Papa e dos bispos é sempre mais necessária quando a Igreja passa por um momento difícil e quando é pressionada a desviar-se dos ensinamentos de Jesus”.

 

Críticas sobem de tom

O presidente da conferência episcopal alemã, o bispo Georg Bätzing, furtou-se a comentar a missiva do seu homólogo polaco, dizendo que “não é costume responder a cartas abertas”, ou a outras posições “difundidas pela comunicação social”.

Mas não faltaram outras reações. Enquanto, num extremo, o vigário-geral da diocese de Essen, o Padre Pfeffer, reagia ao texto do arcebispo polaco, afirmando que a carta parece vir “de um passado católico distante” e mostra “até que ponto “o legado de João Paulo II continua a determinar o clima de pensamento e ação de algumas partes da Igreja Universal”, o bispo de Gorlitz, Wolfgang Ipolt, veio pôr água na fervura. Em declarações à agência católica alemã citadas pela GuadiumPress de hoje, 26 de fevereiro, declarou: “No contexto do caminho sinodal na Alemanha, sempre sublinhámos que somos e queremos fazer parte da Igreja universal. A carta da Polónia é uma voz da Igreja universal. Devemos, primeiro, ouvi-la. O arcebispo Gądecki fala de várias tentações às quais a Igreja como um todo pode sucumbir. Quem poderá negar que essas tentações existem? A Igreja na Polónia enfrenta atualmente desafios muito semelhantes aos que temos na Alemanha.”

As críticas ao desenrolar do processo sinodal alemão têm vindo a subir de tom nos últimos tempos, através, por exemplo, da iniciativa intitulada “Novo Começo”, centrada na figura de Bernhard Meuser, um jornalista e editor católico da Baviera, muito conhecido, entre outras coisas, por ter orientado a publicação do Youcat, (o catecismo para os jovens). A iniciativa “Novo Começo” difundiu um longo manifesto em que rebate uma a uma as principais posições do Caminho Sinodal, documento que entregou, com 6.000 mil assinaturas, ao Papa Francisco em audiência no dia 5 de janeiro de 2022.

Muito antes desta audiência já o cardeal alemão Gerhard Müller, ex-prefeito da Congregação para a Doutrina da fé (substituído no cargo pelo Papa Francisco, a 1 de julho de 2017), publicara um artigo no The Catholic Thing de 19 de julho de 2021, acusando a via sinodal alemã de ser um processo em que “uma maioria de bispos alemães e funcionários leigos” negam de “forma herética” as verdades fundamentais da fé católica “em contradição aberta com o Vaticano II” (ver 7MARGENS).

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This