Bispo polaco acusado de encobrir pedofilia substituído rapidamente pelo Papa

| 14 Ago 2020

Sławoj Leszek Głódź

O arcebispo polaco Sławoj Leszek Głódź, conhecido pelo seu estilo de vida luxuoso, foi alvo de diversas acusações de abuso psicológico e encobrimento de pedofilia. Foto: Wikimedia Commons.

É uma atitude fora do comum no Vaticano: substituir um bispo no próprio dia em que celebra os 75 anos (a idade a partir da qual pode retirar-se, devendo apresentar o pedido de resignação).  Mas parece que o Papa não quis esperar nem mais um dia para afastar o arcebispo polaco de Gdansk, Sławoj Leszek Głódź, acusado de encobrir inúmeros casos de abuso sexual dentro da Igreja. Nesta quinta-feira, 13 de agosto, dia em que Głódź assinalava o seu 75º aniversário, a Santa Sé comunicou que Francisco tinha aceite a sua resignação e nomeado um administrador temporário para a diocese.

Głódź é um dos visados na polémica despertada por dois documentários da autoria do jornalista polaco Tomasz Sekielski, que denunciaram o modo como a hierarquia da Igreja no país foi negligente em relação a inúmeros casos de abuso sexual, tendo protegido os abusadores.

Conhecido pelo seu estilo de vida luxuoso, o arcebispo foi também acusado publicamente por 16 padres da sua diocese, em outubro do ano passado. Os clérigos escreveram uma carta ao núncio apostólico, relatando o seu envolvimento em casos de abuso psicológico e encobrimento de pedofilia.

Já em março deste ano, um grupo de leigos da diocese de Gdansk escreveu diretamente ao Papa pedindo o afastamento de Głódź antes mesmo que ele completasse os 75 anos, alegando que ela tinha perdido “a credibilidade moral necessária para exercer o ministério de bispo diocesano”.

Três meses depois, o grupo católico Enough Harm, constituído por leigos de diversas dioceses polacas, apelou novamente ao Papa que interviesse para “reparar a Igreja” da Polónia, tendo publicado o pedido como anúncio de página inteira no diário italiano La Repubblica.

“Por favor, olhe com carinho para a Igreja da Polónica, onde os bispos estão a esconder casos de pedofilia. A lealdade à instituição é cega, surda e mais importante do que as vítimas. O episcopado e o núncio apostólico estão a fingir que não veem isto”, podia ler-se no anúncio.

O facto de o Papa ter decidido afastar o arcebispo de Gdansk logo no dia do seu aniversário é um sinal da “sua forte desaprovação” em relação ao que está a passar-se na Polónia, considera Anne Barrett Doyle, da Bishop Accountability, uma associação norte-americana de apoio à denúncia de abusos na Igreja, citada pelo Crux.

Doyle defende, no entanto, que Francisco poderia fazer mais, e questiona: “Se ele está indignado com a proteção do arcebispo em relação aos abusadores, porque não denunciá-lo publicamente? Porque não despedi-lo explicitamente, em vez de dar-lhe a dignidade da reforma?”

 

Sida: 60% das crianças entre os 5 e os 14 anos sem acesso a tratamentos

Relatório da ONU alerta

Sida: 60% das crianças entre os 5 e os 14 anos sem acesso a tratamentos novidade

O mais recente relatório da ONUSIDA, divulgado esta terça-feira, 29 de novembro,  é perentório: “o mundo continua a falhar à infância” na resposta contra a doença. No final de 2021, 800 mil crianças com VIH não recebiam qualquer tratamento. Entre os cinco e os 14 anos, apenas 40% tiveram acesso a medicamentos para a supressão viral. A boa notícia é que as mortes por sida caíram 5,79% face a 2020, mas a taxa de mortalidade observada entre as crianças é particularmente alarmante.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Gracia Nasi, judia e “marrana”

Documentário na RTP2

Gracia Nasi, judia e “marrana” novidade

Nascida em Portugal em 1510, com o nome cristão de Beatriz de Luna, Gracia Nasi pertencia a uma uma família de cristãos-novos expulsa de Castela. Viúva aos 25 anos, herdeira de um império cobiçado, Gracia revelar-se-ia exímia gestora de negócios. A sua personalidade e o destino de outros 100 mil judeus sefarditas, expulsos de Portugal, são o foco do documentário Sefarad: Gracia Nasi (RTP2, 30/11, 23h20).

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This