Covid-19

Bispos abrandam limites nas igrejas e Fátima convida peregrinos

| 30 Set 2021

Fiéis de máscara numa missa numa igreja do Porto. Foto © João Lopes Cardoso/Diocese do Porto.

 

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) decidiu abrandar “de forma ponderada os distanciamentos e os limites impostos à lotação das nossas igrejas”, mantendo no entanto “as outras medidas de proteção — higienização das mãos e uso da máscara” — relativas ao combate contra a pandemia da covid-19. 

Num comunicado divulgado nesta quinta-feira, a CEP considera que é “tempo de ir retomando uma maior participação dos fiéis, abrandando algumas das medidas em vigor, no quadro do levantamento das restrições de controlo da pandemia em vigor em Portugal continental, que acontecerá a partir desta sexta-feira, 1 de Outubro. 

“Mantendo-se o apelo a um comportamento responsável, o país assiste ao termo ou mitigação de muitas das medidas de protecção à saúde pública que comportavam restrições aos direitos e liberdade dos cidadãos, nomeadamente na vida social, económica e cultural”, dizem os bispos, na nota enviada às redacções.

O uso da máscara, a comunhão e o ofertório têm novas orientações, que pretendem privilegiar as “devidas normas de segurança e de saúde”; a saudação da paz continua suspensa e as pias de água benta, nas entradas das igrejas, mantêm-se vazias.

A comunhão deve continuar a ser ministrada apenas na mão dos fiéis, dizem os bispos. “No tocante à celebração dos demais Sacramentos, Sacramentais e Exéquias cristãs, deverão retomar-se as prescrições dos livros litúrgicos”, diz o texto. Já a confissão deve ser feita com “suficiente distância entre o confessor e o penitente”, devendo ambos usar máscara.

As outras actividades nos espaços eclesiais seguirão “as regras previstas pelas autoridades competentes para situações educativas, sociais e culturais semelhantes”.

Fiéis de máscara numa missa numa igreja do Porto. Foto © João Lopes Cardoso/Diocese do Porto.

Também o reitor do Santuário de Fátima, padre Carlos Cabecinhas, deixou na tarde desta quinta-feira um convite aos peregrinos para que regressem a Fátima, com “responsabilidade e cuidado”, de forma a que este novo período possa ser uma “transição serena e progressiva”.

“Nestes últimos meses percebemos que a presença de peregrinos se estendeu ao longo do tempo, não se concentrando apenas nos dias das grandes peregrinações. É esta presença cuidada e exemplar que vos pedimos, agora que cabe a cada um de nós a responsabilidade de garantir uma transição serena e progressiva para a normalidade”, afirma.

De olhos postos já na peregrinação dos próximos dias 12-13 de Outubro o reitor de Fátima deixa “um convite renovado” para que os peregrinos se desloquem à Cova da Iria “com a mesma responsabilidade” e mantendo “o uso da máscara e o distanciamento necessário” como formas de protecção pessoal e dos outros.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This