Cimeira das Nações Unidas

Bispos africanos: “Não temos o direito de destruir a biodiversidade”

| 21 Jun 2022

Bispos do Simpósio das Conferências Episcopais de África e Madagáscar (SCEAM). Foto © SCEAM.

Bispos do Simpósio das Conferências Episcopais de África e Madagáscar (SCEAM). Foto © SCEAM.

 

É mais um grito de alerta, agora lançado pelos bispos africanos, que pela primeira vez tomam uma posição pública sobre as ameaças à biodiversidade. Numa declaração divulgada pelo Movimento Laudato Si’, o Simpósio das Conferências Episcopais de África e Madagáscar (SCEAM) apelou aos governos para que desenvolvam ações urgentes e ambiciosas para proteger a biodiversidade.

Seguindo o caminho apontado pelo Papa Francisco, na sua encíclica Laudato Si’, este documento dos bispos africanos considera que o cuidado da natureza — como criação de Deus — e dos mais vulneráveis caminham lado a lado. Por isso, afirmam: “Não temos o direito de destruir a biodiversidade.”

Com esta posição, aponta o Movimento Laudato Si’, os bispos do SCEAM unem-se a quantos exigem que se proteja 50% da terra até 2030. 

O documento pede também que sejam respeitados os direitos dos povos indígenas e o abandono imediato da construção do oleoduto da África Oriental. Os bispos pedem por fim aos governos – especialmente aos do “Norte Global” (uma referência aos chamados países desenvolvidos) – que sejam transparentes e prestem contas, ao mesmo tempo que lhes recordam os seus compromissos financeiros para travar a perda da biodiversidade e iniciar a sua recuperação.

O texto foi apresentado num evento em Nairobi (Quénia), onde decorrem sessões preparatórias da cimeira das Nações Unidas sobre a Biodiversidade (COP15), que terá lugar na China antes do final do ano. A declaração contou com o apoio da Rede Eclesial para a Bacia do Rio Congo (REBAC) e do Movimento Laudato Si’ (MLS).  

Emergência climática e crise da biodiversidade

Na nota divulgada pelo MLS refere-se que a declaração do SCEAM faz uma menção especial à biomassa da bacia do rio Congo, que é a segunda maior floresta tropical do mundo. Segundo o texto, o abate ilegal e abusivo de árvores juntamente com o açambarcamento de terras relacionado com a agricultura industrial colocam em risco os povos indígenas e em perigo de extinção muitas espécies. 

O texto dos bispos sinaliza o facto de a emergência climática e a crise da biodiversidade estarem intimamente ligadas, identificando como causa a destruição da biomassa que conduz à perda de um recurso essencial para a absorção do carbono para a atmosfera, o que ajuda a mitigar o aquecimento global. O clima e a biodiversidade são assim as duas caras da mesma moeda, pelo que devem ser enfrentados em conjunto. 

Os bispos apontam ainda o facto de o problema ecológico ser inseparável da sua vertente social. Os abusos contra a biodiversidade, argumenta o episcopado, afetam comunidades vulneráveis que desde há séculos cuidam desses ecossistemas e também provocam diferentes conflitos sociais.

 

 

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This