Bispos brasileiros acusam Bolsonaro de “incompetência”, “totalitarismo” e “obscurantismo”

| 28 Jul 20

claudio hummes Foto Diocese de Santo André

O cardeal Cláudio Hummes, arcebispo emérito de São Paulo, é um dos 152 signatários da carta contra Bolsonaro. Foto © Diocese de Santo André.

Um grupo de 152 bispos brasileiros assinou uma carta contendo inúmeras críticas ao governo de Jair Bolsonaro. A publicação do texto estava prevista para o passado dia 22 de julho, mas foi suspensa pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) para que o seu conteúdo fosse revisto. Na versão original, à qual o jornal brasileiro Folha de São Paulo (ligação reservada a assinantes) teve acesso, os responsáveis católicos acusam o atual Governo de “incompetência” e “incapacidade” para enfrentar a crise, e de agir contra a democracia, aproximando-se do “totalitarismo” e apelando a “ideias obscurantistas”.

“O Brasil atravessa um dos períodos mais difíceis de sua história, comparado a uma ‘tempestade perfeita’ que, dolorosamente, precisa de ser atravessada”, começam por reconhecer os bispos na sua “Carta ao Povo de Deus”.  A causa dessa tempestade, na opinião dos signatários, “é a combinação de uma crise de saúde sem precedentes, com um avassalador colapso da economia e com a tensão que se abate sobre os fundamentos da República, provocada em grande medida pelo Presidente da República e outros setores da sociedade, resultando numa profunda crise política e de governação”.

“É dever de quem se coloca na defesa da vida posicionar-se, claramente, em relação a esse cenário”, continuam os bispos. E a posição que assumem é bastante crítica. “Analisando o cenário político, sem paixões, percebemos claramente a incapacidade e inabilidade do Governo Federal em enfrentar essas crises”, afirmam.

Entre as principais críticas apresentadas, incluem-se o facto de o governo “se colocar contra a ciência, contra estados e municípios, contra poderes da República; por se aproximar do totalitarismo e utilizar de expedientes condenáveis, como o apoio e o estímulo a atos contra a democracia”, nomeadamente o recurso a “notícias falsas”.

Os bispos referem também “o desprezo pela educação, cultura, saúde e pela diplomacia”, visível nas “demonstrações de raiva pela educação pública, no “apelo a ideias obscurantistas”, na “repugnância pela consciência crítica e pela liberdade de pensamento e de imprensa, ou na “indiferença pelo facto de o Brasil ocupar um dos primeiros lugares em número de infetados e mortos pela pandemia sem, sequer, ter um ministro titular no Ministério da Saúde”.

A carta alude ainda ao facto de o ministro da Economia “desdenhar dos pequenos empresários, responsáveis pela maioria dos empregos no País, privilegiando apenas grandes grupos económicos” e ao receio de que o número de desempregados possa “ultrapassar 20 milhões de brasileiros”.

Os mais de 150 bispos que assinam o texto acusam ainda o Governo de demonstrar “omissão, apatia e rechaço pelos mais pobres e vulneráveis da sociedade”, recordando que Bolsonaro “sob o argumento de não haver previsão orçamental, (…) vetou o acesso a água potável, material de higiene, oferta de leitos hospitalares e de terapia intensiva, ventiladores e máquinas de oxigenação sanguínea, nos territórios indígenas, quilombolas e de comunidades tradicionais”.

“Até a religião é utilizada para manipular sentimentos e crenças, provocar divisões, difundir o ódio, criar tensões entre igrejas e seus líderes”, denunciam os bispos brasileiros, que terminam o texto com a proposta de “um amplo diálogo nacional que envolva humanistas, os comprometidos com a democracia, movimentos sociais, homens e mulheres de boa vontade, para que seja restabelecido o respeito à Constituição Federal e ao Estado Democrático de Direito”.

Entre os signatários da carta, incluem-se o arcebispo emérito de São Paulo, Claudio Hummes, o bispo emérito de Blumenau, Angélico Sandalo Bernardino, o arcebispo de Belém, Alberto Taveira Corrêa, o bispo auxiliar de Belo Horizonte, Joaquim Giovani Mol, e o arcebispo de Manaus e ex-secretário-geral da CNBB, Leonardi Ulrich. De acordo com a Folha de São Paulo, o grupo de signatários receia agora que os seus colegas mais conservadores impeçam a divulgação do documento através dos canais oficiais.

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Os confins da fenomenologia

Emmanuel Falque na Universidade de Coimbra

Reflectir sobre os confins da fenomenologia a partir do projecto filosófico de Emmanuel Falque é o propósito da Jornada Internacional de Estudos Filosóficos, “O im-pensável: Nos confins da fenomenalidade”, que decorrerá quinta-feira, dia 26 de Maio, na Universidade de Coimbra (FLUC – Sala Vítor Matos), das 14.00 às 19.00. O filósofo francês intervirá no encerramento da iniciativa.

Eventos decorrem até dia 29

Semana Laudato si’ 2022

A Semana Laudato Si’, evento de uma semana de duração que marca o sétimo aniversário da encíclica do Papa Francisco sobre o cuidado da criação, contará com uma série de celebrações globais e a primeira apresentação pública do trailer oficial de O Convite, um novo filme com o Papa Francisco.

China

Repressão contra uigures não para

O município de Konasheher, no centro da região uigur chinesa (Xinjiang), detém, segundo um levantamento da Associated Press (AP), a maior taxa de prisão conhecida no mundo: mais de 10.000 uigures (um em cada 25 habitantes) estão presos, acusados pelos tribunais chineses de atos de terrorismo.

Entrada livre

Livro sobre Pemba apresentado em Braga

Fundada em 1957, a diocese moçambicana de Pemba tornou-se amplamente conhecida pela circunstância de, desde há anos, ter sido constantemente vítima do terrorismo. Um livro com a história da evangelização do seu território, intitulado Testemunhas de uma Memória Viva – História da Evangelização da Província de Cabo Delgado, é apresentado em Braga, no Centro Pastoral da Arquidiocese (Rua de São Domingos, 94 B), na próxima segunda-feira, 16 de Maio, às 17h00.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Dia dos Mártires

Igreja na Índia recorda massacre de 2008

Treze anos depois da onda de violência que varreu o Estado de Orissa, na Índia, provocando mais de 100 mortos, a justiça é ainda uma miragem, denuncia a Fundação AIS. Desde 2016 que é celebrado pela Igreja em Orissa o dia dos Mártires. 

Fundação AIS

Padre haitiano morto a tiro

Um padre que dirigia um orfanato no Haiti foi morto a tiro, Andrè Sylvestre, de 70 anos de idade, foi assassinado na tarde de segunda-feira, 6 de setembro, durante uma tentativa de assalto, revelou a Fundação AIS. 

IndieLisboa

Cinema: prémio Árvore da Vida atribuído a “Sopro”

O filme “Sopro”, realizado por Pocas Pascoal, uma cineasta angolana de 58 anos, foi distinguido na segunda-feira com o prémio Árvore da Vida, atribuído pelo Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura (SNPC), no final da 18.ª edição do festival de cinema independente IndieLisboa. 

Máximo histórico

Quatro em cada dez espanhóis dizem-se ateus ou não crentes

O estudo mais recente do Centro de Investigações Sociológicas de Espanha revela que quase quatro em cada dez espanhóis (38,7%) se declaram ateus ou não crentes e são apenas 16,7% os inquiridos que se assumem como católicos praticantes. Trata-se do máximo histórico do número de não crentes e do valor mais baixo alguma vez registado em relação aos católicos praticantes. Se a tendência se mantiver, estima-se que dentro de dois anos o número de não crentes no país ultrapasse, pela primeira vez, o de crentes.

Entre margens

Tríptico e eco novidade

É nesse momento de suspensão, de silêncio, em que deixamos de procurar activamente, entrando delicadamente no espaço-sem-espaço e no tempo-atemporal, que “mergulhamos com ele até ao fundo” e nos aproximamos do clarão do farol que dissolve as trevas ao varrer a noite [não fosse este jogo de escondidas e pensaríamos nós um dia ter já um domínio total e um conhecimento perfeito daquele que nos procura] para que, pelos vislumbres da beleza da sua presença, nos sintamos chamados a ir procurando mais e sempre de modo renovado.

Enquanto há corrupção, há desesperança

“Se o Estado é forte, esmaga-nos. Se é fraco, perecemos.” Terá sido assim que noutro tempo Paul Valéry (1871-1945) se referiu àquele que é um dos mais fraturantes assuntos da praça pública portuguesa ao longo da última década: a corrupção. 

O “irmão universal” está connosco

O amor, o cuidado e o serviço levam-nos a entender a fé como um dom, que não se alimenta de valores abstratos, mas sim de uma relação entre pessoas concretas, feita de entrega, de troca, de experiências e de uma permanente aprendizagem. A chave das Bem-aventuranças está, pois, na relação entre as pessoas e no reconhecimento da dignidade de todos. A abertura da porta da fé corresponde, assim, à procura do amor.

Cultura e artes

Emissão filatélica

Lenda da Nazaré em selo sobre mitos europeus

A história é conhecida e desde a semana passada está também evocada num selo de correio, numa emissão filatélica dedicada a mitos da Europa: em 14 de Setembro de 1182, Fuas Roupinho, alcaide-mor de Porto de Mós, andava à caça, quando encontrou o que parecia ser um veado. Lançando-se em sua perseguição, acabou no alto de uma falésia, à beira de cair. Invocou Nossa Senhora e o cavalo manteve-se erguido apenas pelas patas traseiras, enquanto o veado desaparecera – seria, afinal, a figura do demónio…

Pré-publicação

Qual é a religião de Deus?

Na próxima quinta-feira, 19 de maio, será apresentado no Porto Todos Nós Somos Sendo (ed. Contraponto), o livro que completa uma trilogia de conversas entre frei Fernando Ventura e Joaquim Franco. O 7MARGENS antecipa um excerto da obra, na qual frei Fernando e Joaquim questionam: “qual é a religião de Deus?” 

Filme no Dia Internacional

Aprender a “Viver Juntos em Paz” 

Em sintonia com os objetivos do Dia Internacional de Viver Juntos em Paz, que esta segunda-feira, 16 de maio, se celebrou, a organização Aliança das Civilizações, da ONU, lançou o filme All of Us [Todos nós], do realizador Pierre Pirard, em parceria com outras organizações internacionais.

Exposições, música e debates

“Diakuyu”: uma iniciativa para ajudar os ucranianos, e agradecer-lhes também

Uma exposição solidária com recolha de fundos para apoio aos refugiados ucranianos em Portugal está patente desde esta quinta-feira, 12, na Galeria Santa Maria Maior, em Lisboa. O título da exposição, Diakuyo, ou “obrigado” em ucraniano, foi escolhido por se tratar de “uma homenagem e agradecimento ao povo ucraniano, que não está está só a lutar em causa própria, mas para a defesa de valores universais da humanidade como a liberdade e a justiça”, explica a organização em nota enviada ao 7MARGENS.

Festival Terras Sem Sombra

“O esplendor da polifonia sacra portuguesa” na Vidigueira

O grupo vocal Cupertinos, dirigido por Luís Toscano será o convidado do segundo concerto do Festival Terras sem Sombra, na sua temporada 2022. O espectáculo decorre na Igreja de São Cucufate, em Vila de Frades (Vidigueira), um monumento que a organização considerou ter “excepcionais condições acústicas para a interpretação da música vocal”. Será neste sábado, 14 de Maio, a partir das 21h30. Uma forma de (re)descobrir “o esplendor da polifonia sacra portuguesa do Renascimento e do Maneirismo”, como sugere a organização.

Sete Partidas

Páscoa na Arménia

Quando andámos a filmar o ARtMENIANS em 2014, pudemos assistir ao #rito da Páscoa da Igreja Arménia: Domingo de Ramos em Etchmiadzin (o “Vaticano” da Igreja Arménia), e Domingo de Páscoa no mosteiro de Gelarde. Recomendo tudo: as celebrações, os cânticos antiquíssimos, a vivência da fé, os cenários. A alegria das crianças no Domingo de Ramos, a festa da ressurreição em Gelarde – e uma solista a cantar numa sala subterrânea, uma das primeiras igrejas cristãs do mundo. 

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This