Preparação para a segunda sessão do Sínodo

Bispos católicos belgas debatem ordenação de homens casados e mulheres diáconos

| 24 Fev 2024

Sínodo: Bispos da Bélgica pretendem preparar trabalhos da próxima sessão. Foto © Vatican News

 

Os bispos católicos da Bélgica enviaram às dioceses e comunidades locais do seu país uma carta no dia 16 de fevereiro sugerindo a reflexão sobre dois temas ministeriais, a ordenação sacerdotal de homens casados e a instituição de mulheres diáconos, como forma de preparação dos trabalhos da segunda sessão do Sínodo dos Bispos, que decorrerá em Roma em outubro próximo.

A carta foi enviada e Tommy Sholtes, um dos porta-vozes da conferência episcopal belga, referiu, citado pelo La Croix, que “os bispos quiseram retomar os trabalhos da primeira sessão do Sínodo e continuar a sua reflexão a pedido da secretaria do Sínodo”. Para já, o objetivo é debater o que vamos enviar a Roma na próxima primavera”, disse Tommy Scholtes.

No projeto de texto, os bispos belgas colocam a questão de como ter “unidade na diversidade” numa Igreja que abrange diferentes culturas e formas de pensar. “Especificamente, o que é que pode ser decidido por um bispo, uma conferência episcopal ou uma assembleia continental de bispos?”, pergunta o texto.

Os bispos sugerem a reflexão sobre vários assuntos, desde o papel do próprio bispo e a sua capacidade de decisão dentro da comunidade, até à possível ordenação de mulheres diáconos ou ordenação sacerdotal de homens casados, os viri probati, passando ainda pelo desafio dos jovens no mundo digital. “Cada vez mais as mulheres assumem responsabilidades pastorais… Coloca-se a questão de saber se as mulheres podem também ser admitidas ao ministério ordenado do diaconado”, sublinham os prelados belgas.

Mas também estão conscientes do impacto cultural, afirmando que “a atribuição de responsabilidades pastorais crescentes e a ordenação diaconal de mulheres não devem ser universalmente obrigatórias ou proibidas”, considerando o mesmo em relação à ordenação de homens casados. “Pedimos que cada conferência episcopal ou assembleia episcopal continental possa tomar certas medidas relativamente à ordenação sacerdotal dos viri probati”, afirmam.

Scholtes, o porta-voz dos bispos, disse que se trata de aprofundar as questões já abordadas durante a primeira fase do Sínodo, com os bispos a quererem levá-las em consideração com a ajuda dos fiéis católicos. “Este é o próprio sentido do Sínodo, que é um espaço de diálogo. E a nossa pequena Igreja da Bélgica quer participar”, disse o jesuíta.

Defendendo uma “Igreja sinodal missionária”, os bispos da Bélgica defendem “uma Igreja que deve ter a coragem de envolver a sua Tradição – as suas tradições – em diálogo com os conhecimentos actuais da investigação teológica, filosófica e científica”. “A Igreja está a mudar num espírito verdadeiramente sinodal”, concluiu Scholtes.

 

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS”

Entrevista à presidente da Associação Portuguesa

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS” novidade

“Se não prepararmos melhor o nosso Serviço Nacional de Saúde do ponto de vista de cuidados paliativos, não há maneira de ter futuro no SNS”, pois estaremos a gastar “muitos recursos” sem “tratar bem os doentes”. Quem é o diz é Catarina Pazes, presidente da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) que alerta ainda para a necessidade de formação de todos os profissionais de saúde nesta área e para a importância de haver mais cuidados de saúde pediátricos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bahá’ís plantam árvores em Lisboa, para que a liberdade religiosa floresça em todo o mundo

Em memória das "dez mulheres de Shiraz"

Bahá’ís plantam árvores em Lisboa, para que a liberdade religiosa floresça em todo o mundo

Quem passar pela pequena zona ajardinada junto ao Centro Nacional Bahá’í, na freguesia lisboeta dos Olivais, vai encontrar dez árvores novas. São jacarandás e ciprestes, mas cada um deles tem nome de mulher e uma missão concreta: mostrar – tal como fizeram as mulheres que lhes deram nome – que a liberdade religiosa é um direito fundamental. Trata-se de uma iniciativa da Junta de Freguesia local, em parceria com a Comunidade Bahá’í, para homenagear as “dez mulheres de Shiraz”, executadas há 40 anos “por se recusarem a renunciar a uma fé que promove os princípios da igualdade de género, unidade, justiça e veracidade”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This