Exploração mineira

Bispos católicos brasileiros ao lado do povo Yanomami

| 26 Abr 2022

Canteiro de garimpo no Xitei. Crianças e mulheres Yanomami no lado esquerdo da imagem. Foto © Relatório da Hutukara Associação Yanomami.

Canteiro de garimpo no Xitei. Crianças e mulheres Yanomami no lado esquerdo da imagem. Foto © Relatório da Hutukara Associação Yanomami.

 

“O povo Yanomami está a ser ameaçado”, denuncia a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) numa posição pública assumida na última semana, que refere a violência contra o povo indígena da floresta amazónica e a inação do governo de Bolsonaro.

Em causa estão “projectos de mineração predatórios e gananciosos em áreas indígenas” que desde há algum tempo têm vindo a colocar em risco a existência de um dos últimos povos a viver na floresta amazónica.

Um relatório da Hutukara Associação Yanomami mostra que a exploração mineira no território situado na fronteira com a Venezuela cresceu 46% em 2021 em relação a 2020.

O estudo, de 120 páginas, documenta com fotografias de áreas desflorestadas e uma profusão de dados quantitativos, as práticas de extração ilegal de ouro, que afetam 16 000 pessoas Yanomami, ou seja, 56 por cento do total da população Yanomami.

A partir deste quadro de situação, o bispo Evaristo Pascoal Spengler, OFM, que é também presidente da Comissão Episcopal de Cuidados Pastorais Especiais na Luta contra o Tráfico de Pessoas (CEPEETH), emitiu uma declaração em que considera “alarmante” o número de ataques criminosos contra as comunidades Yanomami e exprime a sua “solidariedade e empenho na defesa da vida das comunidades e das florestas Yanomami, especialmente nas áreas de reservas indígenas”.

Os bispos brasileiros têm acompanhado este processo e denunciam não apenas os efeitos devastadores da mineração como a violência e prepotência dos garimpeiros que chegam a atacar sexualmente as jovens das comunidades Yanomami.

Por sua vez, o bispo Evaristo Pascoal Spengler escrevia, na sua mais recente denúncia: “Nos últimos três anos, o dragão devorador da mineração tomou força novamente e avança com toda a ferocidade e poder das organizações criminosas sobre a Terra Yanomami. Quem de nós não tem acompanhado as impactantes notícias das agressões armadas às aldeias, as várias mortes causadas pelo garimpo, tais como a draga que sugou as duas crianças no rio Parima, em outubro do ano passado, e a violação de meninas e mulheres que são aliciadas em troca de comida pelos donos do garimpo?”

Para tornar a situação ainda mais grave, o governo do presidente brasileiro Jair Bolsonaro apresentou em meados de março deste ano ao Congresso Nacional um projeto de lei que poderia autorizar o governo a legalizar a exploração dos recursos mineiros no território Yanomami.

Como observa o jornal digital La Croix International, num trabalho recente sobre este caso, o texto legal, uma vez adotado, facilitaria a exploração dos recursos em territórios indígenas para compensar a falta de matérias-primas, devido à queda das importações desde o início da guerra na Ucrânia e ao embargo aos produtos russos.

A defesa dos povos indígenas e dos seus direitos às suas terras tem sido objecto de apelos recorrentes por parte dos bispos brasileiros, especialmente desde a assembleia especial do Sínodo dos Bispos na Região Pan-Amazónica, em outubro de 2019.

Para conhecer melhor o povo Yanomami, aceder AQUI.

 

Visite o andar-modelo. Há muitos e bons livros para lembrar Abril

Três obras para ler

Visite o andar-modelo. Há muitos e bons livros para lembrar Abril novidade

Abril, livros mil é o cliché óbvio, e até preguiçoso, para o manancial de edições no mercado livreiro português sobre os 50 anos do 25 de Abril ou que, aproveitando a efeméride redonda da Revolução dos Cravos, se inscrevem na história da ditadura do Estado Novo e da democracia nascida em 1974. O 7MARGENS traz três (breves) propostas. Abril é sinónimo de diversidade e as férias podem ser ocasião para descobrir mais como se fez a democracia que vivemos há cinco décadas.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Jovens bahá’ís dedicam férias de verão ao serviço comunitário

De norte a sul do país

Jovens bahá’ís dedicam férias de verão ao serviço comunitário novidade

O período do verão é muitas vezes utilizado pelos jovens bahá’ís como uma oportunidade para dedicar tempo ao serviço, e este ano não está a ser diferente. A Caravana de Serviço, um projeto que reúne jovens de diversas localidades para atividades de serviço comunitário de norte a sul do país, começou com grande entusiasmo no final de junho com o evento Reconecta, realizado em Monchique, e já em julho com um  acampamento nacional, em Palmela.

Palavras violentas, consequências violentas

Palavras violentas, consequências violentas novidade

Com uma percentagem significativa do país armada, e pelo menos uma percentagem violentamente zangada, temos de concordar que a única esperança para a paz é, como se diz, “reduzir a retórica”. – A reflexão de Phyllis Zagano sobre o panorama atual nos EUA

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This