Exploração mineira

Bispos católicos brasileiros ao lado do povo Yanomami

| 26 Abr 2022

Canteiro de garimpo no Xitei. Crianças e mulheres Yanomami no lado esquerdo da imagem. Foto © Relatório da Hutukara Associação Yanomami.

Canteiro de garimpo no Xitei. Crianças e mulheres Yanomami no lado esquerdo da imagem. Foto © Relatório da Hutukara Associação Yanomami.

 

“O povo Yanomami está a ser ameaçado”, denuncia a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) numa posição pública assumida na última semana, que refere a violência contra o povo indígena da floresta amazónica e a inação do governo de Bolsonaro.

Em causa estão “projectos de mineração predatórios e gananciosos em áreas indígenas” que desde há algum tempo têm vindo a colocar em risco a existência de um dos últimos povos a viver na floresta amazónica.

Um relatório da Hutukara Associação Yanomami mostra que a exploração mineira no território situado na fronteira com a Venezuela cresceu 46% em 2021 em relação a 2020.

O estudo, de 120 páginas, documenta com fotografias de áreas desflorestadas e uma profusão de dados quantitativos, as práticas de extração ilegal de ouro, que afetam 16 000 pessoas Yanomami, ou seja, 56 por cento do total da população Yanomami.

A partir deste quadro de situação, o bispo Evaristo Pascoal Spengler, OFM, que é também presidente da Comissão Episcopal de Cuidados Pastorais Especiais na Luta contra o Tráfico de Pessoas (CEPEETH), emitiu uma declaração em que considera “alarmante” o número de ataques criminosos contra as comunidades Yanomami e exprime a sua “solidariedade e empenho na defesa da vida das comunidades e das florestas Yanomami, especialmente nas áreas de reservas indígenas”.

Os bispos brasileiros têm acompanhado este processo e denunciam não apenas os efeitos devastadores da mineração como a violência e prepotência dos garimpeiros que chegam a atacar sexualmente as jovens das comunidades Yanomami.

Por sua vez, o bispo Evaristo Pascoal Spengler escrevia, na sua mais recente denúncia: “Nos últimos três anos, o dragão devorador da mineração tomou força novamente e avança com toda a ferocidade e poder das organizações criminosas sobre a Terra Yanomami. Quem de nós não tem acompanhado as impactantes notícias das agressões armadas às aldeias, as várias mortes causadas pelo garimpo, tais como a draga que sugou as duas crianças no rio Parima, em outubro do ano passado, e a violação de meninas e mulheres que são aliciadas em troca de comida pelos donos do garimpo?”

Para tornar a situação ainda mais grave, o governo do presidente brasileiro Jair Bolsonaro apresentou em meados de março deste ano ao Congresso Nacional um projeto de lei que poderia autorizar o governo a legalizar a exploração dos recursos mineiros no território Yanomami.

Como observa o jornal digital La Croix International, num trabalho recente sobre este caso, o texto legal, uma vez adotado, facilitaria a exploração dos recursos em territórios indígenas para compensar a falta de matérias-primas, devido à queda das importações desde o início da guerra na Ucrânia e ao embargo aos produtos russos.

A defesa dos povos indígenas e dos seus direitos às suas terras tem sido objecto de apelos recorrentes por parte dos bispos brasileiros, especialmente desde a assembleia especial do Sínodo dos Bispos na Região Pan-Amazónica, em outubro de 2019.

Para conhecer melhor o povo Yanomami, aceder AQUI.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This