“Preocupados” com situação social

Bispos consideram “descabido” falar de ocultação de abusos

| 28 Abr 2022

Conferência de imprensa da 202ª assembleia plenária da Conferência Episcopal Portuguesa, com o bispo José Ornelas (c), presidente da CEP e bispo de Leiria-Fátima, Virgílio Antunes (e), bispo de Coimbra, e p. Manuel Barbosa (d), secretário da CEP. Foto © António Marujo

Conferência de imprensa final da assembleia do episcopado, com o presidente da CEP, José Ornelas, ao centro. Foto © António Marujo

 

Falar de “indícios de encobrimento” de abusos sexuais por parte de bispos, neste momento, “parece descabido”, considera o presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), José Ornelas, reagindo deste modo à avaliação feita há duas semanas pela Comissão Independente que estuda os abusos sobre crianças dentro da Igreja.

A declaração surgiu ao início da tarde desta quinta-feira, 28, na conferência de imprensa final da assembleia plenária da CEP, que reuniu em Fátima desde segunda, 25. Embora admitisse que aguarda a “conclusão” do estudo da comissão e que não tem “dados concretos” sobre o tema, o também bispo de Leiria-Fátima acrescentou que “as coisas são para ser tomadas seriamente, mas com dados concretos”.

“Aguardo a conclusão de tudo isso”, disse D. José, referindo-se aos eventuais casos de encobrimento, “tal como sobre as 16 denúncias” que foram remetidas pela Comissão Independente ao Ministério Público. E que estão, para já, em “segredo de justiça”, que deve ser “realmente preservado”, aguardando com “serenidade” a conclusão dos processos, de modo a que “a justiça não se faça na praça pública”. Para já o presidente da CEP afirma, sobre esses casos: “Não tenho dados. A seu tempo sim, [iremos pedi-los], mas há coisas que só perceberemos no fim.”

Os membros da Comissão Independente para o Estudos dos Abusos Sexuais Contra as Crianças na Igreja Católica participaram na reunião da CEP esta semana. O 7MARGENS sabe que em alguns sectores da Igreja não caiu bem o facto de a comissão ter feito a conferência de imprensa de balanço do trabalho dos três meses em plena Semana Santa – dia 12 de Abril. Mas, inquirido sobre se a comissão – criada por iniciativa dos bispos – estaria a falar demais, o presidente da CEP respondeu: “Não, a comissão faz o seu trabalho e nós estamos satisfeitos e gratos por isso.” Mas relativizou os “indícios” de que falou o coordenador daquele organismo, o pedopsiquiatra Pedro Strecht, afirmando que “é preciso ver que sentido se dá ao encobrimento”.

O bispo Ornelas foi enfático na defesa que fez do bom relacionamento entre os bispos e os investigadores: “Temos contactos muito cordiais sobre o andamento do trabalho da comissão, mas não temos acesso à informação. Nós não somos a comissão, ela trabalha autonomamente e está a funcionar muito bem. Ter dado autonomia [de funcionamento à comissão] significa que não somos nós a gerir esses resultados.”

José Ornelas insistiu também que “é importante” que a comissão divulgue a informação que achar conveniente, “para que se crie cultura e uma forma de pensar, que passe para a opinião pública [a ideia de que os abusos] não podem acontecer e que, se acontecer”, a Igreja não vai “pactuar”.

Acerca das faltas de respostas de alguns bispos para reunir com a Comissão Independente, o presidente da CEP reafirmou que “ninguém se recusou” a responder, mas que o prazo estipulado para tal era depois da assembleia plenária que agora se realizou.

No seu discurso de abertura dos trabalhos da assembleia episcopal, D. José Ornelas tinha vincado a ideia de que os bispos reafirmam o “pedido de perdão” – que, no entanto, até agora foi feito apenas em declarações públicas e avulsas, e não em qualquer celebração específica para o efeito, como já fez o Papa. No comunicado final da assembleia, lê-se agora: “Às pessoas que passaram pela dramática situação do abuso no âmbito eclesial, os Bispos reafirmam um sentido pedido de perdão, em nome da Igreja Católica, e o empenho em ajudar a curar as feridas. Agradecem também a quem se aproximou para contar a sua dura história, superando compreensíveis resistências interiores.”

Na conferência de imprensa, o presidente da CEP insistiu no apelo a que eventuais vítimas falem. “Temos de ter uma clara noção do que existe e como é que o vamos tratar, [para] identificar o que há, de forma cabal e clara”.

Questionado sobre o porquê das afirmações aparecerem desligadas de qualquer momento mais solene, José Ornelas considerou ser “importante reafirmar” o pedido de perdão. “Estamos a fazer um percurso, a sua conclusão vai ter momentos próprios”, garantiu. E sobre o eventual pedido de perdão público pelo facto de ainda há pouco tempo vários bispos – por exemplo, os do Porto ou Lamego – desvalorizarem a importância de uma comissão de investigação para o caso português, o presidente da CEP admitiu que há um caminho feito também pelo episcopado: “Há uma evolução da Conferência Episcopal, da Igreja e da sociedade. A perspectiva onde nos movemos e que fez mudar [a mentalidade] é a dos direitos de vítimas e crianças. Hoje percebemos a situação de modo diferente.” E acrescentou, garantindo que a decisão de criar a comissão foi criada por “unanimidade” pelos bispos: “A consciência vem da evolução social e da evolução da Igreja.”

Sobre a eventual aceitação da quebra do segredo de confissão para investigar abusos, o bispo de Leiria-Fátima foi peremptório: “Não está, nunca esteve nem estará em questão. É importante debater as coisas, mas no respeito pelas pessoas e este segredo não vai ser posto em causa, seria uma injustiça muito grande, pois abalaria toda a confiança necessária na confissão.”

Na assembleia plenária, esteve também o historiador Francisco Azevedo Mendes, professor da Universidade do Minho que coordena a equipa de historiadores e arquivistas que vai proceder à consulta dos arquivos das dioceses e congregações religiosas. O comunicado final reitera que a CEP e a Conferência dos Institutos Religiosos de Portugal têm “todo o interesse em colaborar” com esse estudo, mas José Ornelas disse que a metodologia de acesso aos arquivos está a ser ainda afinada – até porque a própria organização dos arquivos está, em vários casos, “muito atrasada”. Mas é importante que “não restem dúvidas”, afirmou.

 

“Extremamente preocupados”
O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa e bispo de Leiria-Fátima, na conferência de imprensa final da 202ª assembleia plenária da CEP, 28 Abril 2022. Foto © António Marujo

D. José Ornelas: “É necessária uma resposta adequada, por parte do Governo, para que o sector [social] não paralise.” Foto © António Marujo

Noutro ponto das declarações aos jornalistas, o presidente da CEP disse que os bispos estão “extremamente preocupados” com o impacto da actual crise económica e social nos centros sociais e outras instituições de solidariedade. No comunicado, referia-se que o presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social e Mobilidade Humana, José Traquina, referiu durante a assembleia as consequências dos recentes aumentos de preços nos “bens alimentares, energia, gás e combustíveis” por causa da guerra na Ucrânia. “O aumento do custo de vida e o expectável aumento dos juros são preocupações para as famílias e especialmente para quem está com despesas de mensalidades com habitação”, lê-se no comunicado.

“É necessária uma resposta adequada, por parte do Governo, para que este sector [social] não paralise”, disse D. José, tendo em conta as “dificuldades económicas” de muitas das instituições sociais. Há “centenas de milhares de pessoas” que dependem da ajuda dessas organizações e muitas delas estão “em risco”, numa situação agravada pela pandemia, mas que teve medidas positivas da parte do Governo, considerou.

Acerca da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, o presidente da CEP disse que não tem “acompanhado pessoalmente” o que se está a fazer em termos da preparação. Mas garantiu que “agora é que [a JMJ] começa a tocar as pessoas”, ao mesmo tempo que se prepara o acolhimento aos peregrinos, os voluntários, os contactos com entidades civis, escolas, etc.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This