Pelos 48 anos da independência

Bispos de Angola pedem “comunicação social credível” e fim da corrupção no país

| 10 Nov 2023

Bispos da CEAST, fotografados em janeiro de 2023. Foto Pastoral e Comunicação da CEAST

Bispos do Conselho Permanente da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST), fotografados em janeiro de 2023. Foto © Pastoral de Comunicação da CEAST.

 

Os bispos católicos angolanos estão preocupados com a “corrupção gangrenosa que drenou do país os seus recursos” e apelam ao “estabelecimento efetivo de um Estado democrático”. Nesse sentido, pedem também “uma comunicação social credível” que “evite a propaganda” e possa ser “instrumento de paz”.

Os apelos foram feitos numa “Nota Pastoral sobre a Situação Social de Angola”, apresentada após a reunião do Conselho Permanente da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST), que decorreu esta quarta e quinta-feira (8 e 9 de novembro), em Luanda. No documento, enviado ao 7MARGENS, os bispos recordam que, já este sábado, 11 de novembro, se celebra o 48º aniversário da independência do país.

“Aqueles que sofreram na pele a brutalidade do sistema colonial viram naquele dia [11 de novembro de 1975] o renascer das suas esperanças com a possibilidade do alcance da autodeterminação e a consequente criação de um Estado novo capaz de dar o melhor para os seus filhos”, escrevem, lamentando que a esperança tenha depois dado “lugar à guerra civil” e que, mesmo após alcançada a paz em 2002, não tenham sido tiradas “as lições que se impunham, para melhorar o modo de governar e alcançar o bem-estar duradoiro para todos”.

Entre os principais problemas vividos atualmente em Angola, os bispos referem “as crises económicas cíclicas, a depreciação da moeda, a perda do poder de compra e o consequente difícil acesso aos bens da cesta básica”, que “parecem fazer parte do quotidiano dos angolanos sem fim á vista”.

Reconhecendo que “diante deste quadro, a tentação maior é a do desespero, da resignação e da desistência”, a CEAST incentiva os angolanos a “não perder a esperança” e a “refletir em conjunto sobre o que correu mal” e iniciar “imediatamente” a “reconstrução do sentido social”.

Nesse sentido, os bispos apontam como prioridade a “reconciliação nacional”, com o “estabelecimento efetivo de um Estado democrático e de direito onde o primado da lei e da justiça sejam para todos, sem exceção”.

E assinalam também “a urgência de uma comunicação social credível que una os angolanos e se regule por critérios de serena objetividade, evite a propaganda e se livre de métodos de informação que, violando a justiça e a verdade, ferem a dignidade e o bom nome dos cidadãos”. Os média deverão ser – defendem os líderes católicos – “um instrumento de paz e de desenvolvimento”.

 

Diocese de Braga propõe criação de ministério para o acolhimento e escuta

Sínodo sobre a sinodalidade

Diocese de Braga propõe criação de ministério para o acolhimento e escuta novidade

Apontar para a criação de novos ministérios na Igreja Católica e repensar os já existentes, apostando na formação de leigos para esse fim e tornar os conselhos pastorais efetivos nas comunidades cristãs, com funções consultivas, mas também “executivas” são alguns dos caminhos propostos pela Arquidiocese de Braga, no âmbito da consulta sinodal tendo em vista a segunda sessão do Sínodo sobre a Sinodalidade, que ocorrerá em outubro, no Vaticano. [Texto de Manuel Pinto]

Todos são responsáveis pela missão da Igreja

Relatório síntese do Patriarcado para o Sínodo

Todos são responsáveis pela missão da Igreja novidade

A necessidade de todos serem responsáveis pela missão da Igreja; o lugar central da família; a atenção às periferias humanas; a importância de ouvir as vozes dos que se sentem excluídos; o reforço dos Conselhos Pastorais Paroquiais; e a promoção da participação das mulheres nos ministérios, incluindo a reflexão sobre “a matéria pouco consensual” da sua ordenação – são alguns dos temas referidos no documento elaborado pela comissão sinodal do Patriarcado de Lisboa no âmbito da preparação da segunda assembleia do Sínodo sobre a sinodalidade.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Cada vez mais crianças morrem na Ucrânia por causa da guerra

“Aumento acentuado”

Cada vez mais crianças morrem na Ucrânia por causa da guerra novidade

O número de crianças mortas em território ucraniano devido à guerra com a Rússia está a subir exponencialmente. Em março, pelo menos 57 crianças morreram e, já durante os primeiros dez dias de abril, 23 perderam a vida. “A UNICEF está profundamente preocupada com o aumento acentuado do número de crianças mortas na Ucrânia, uma vez que muitas áreas continuam a ser atingidas por ataques intensos, 780 dias desde a escalada da guerra”, afirma Munir Mammadzade, representante na Ucrânia desta organização das Nações Unidas de apoio humanitário à infância.

Papa cria comissão independente para escutar as vítimas de abusos

Dominicanas do Espírito Santo, em França

Papa cria comissão independente para escutar as vítimas de abusos novidade

O Papa Francisco acaba de ordenar uma nova visita apostólica ao instituto francês das Dominicanas do Espírito Santo, a fim de aprofundar denúncias de abusos que ali se terão verificado nos primeiros anos da década passada. Esta decisão, anunciada por um comunicado emitido pelo próprio instituto nesta segunda-feira ao fim do dia, vem adensar ainda mais o contexto de várias polémicas vindas a lume nos últimos tempos, na sequência da expulsão de uma religiosa, decidida em 2021 pelo cardeal Marc Ouellet, então prefeito da Congregação para os Bispos

Interfaces relacionais insubstituíveis

Interfaces relacionais insubstituíveis novidade

Numa típica sala de aula do século XVIII, repleta de jovens alunos mergulhados em cálculos e murmúrios, um desafio fora lançado pelo professor J.G. Büttner: somar todos os números de 1 a 100. A esperança de Büttner era a de ter um momento de paz ao propor aquela aborrecida e morosa tarefa. Enquanto rabiscos e contas se multiplicavam em folhas de papel, um dos rapazes, sentado discretamente ao fundo, observava os números com um olhar penetrante. [Texto de Miguel Panão]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This