Abusos sexuais

Bispos de Itália adotaram via original… e contestada

| 30 Mai 2022

O cardeal Matteo Maria Zuppi é o presidente da Conferência Episcopal Italiana. Foto © Francesco Pierantoni

O cardeal Matteo Maria Zuppi é o presidente da Conferência Episcopal Italiana. Foto © Francesco Pierantoni

 

Não a uma comissão de investigação independente dos abusos sexuais na Igreja; sim a um “via italiana” para colocar as vítimas de abuso no centro das preocupações e das ações. Assim se pode resumir o rumo traçado na última semana pela Conferência Episcopal Italiana (CEI), agora sob a direção do cardeal Matteo Maria Zuppi.

Em que consiste essa via italiana? Na produção de um relatório nacional bienal sobre as ações de prevenção e sobre os casos participados à rede de serviços diocesanos e inter-diocesanos; e, por outro lado, na análise dos dados de crimes supostos ou apurados perpetrados por clérigos, na Itália, no período compreendido entre 2000 e 2021, coligidos pela Congregação para a Doutrina da Fé.

Esta análise será realizada, segundo disse o cardeal Zuppi aos jornalistas, no final da assembleia dos bispos, “em colaboração” com algumas instituições de investigação independentes. Não foram indicadas quais nem em que condições decorrerá tal colaboração.

O caminho desenhado causou forte desagrado entre as organizações de vítimas e entre as muitas dezenas de instituições e coletivos que pressionaram por uma averiguação independente, a exemplo do que ocorreu recentemente na Alemanha e em França e está a ocorrer em Portugal e, com caraterísticas específicas, em Espanha. Mas qual o significado e qual o alcance e limites desse caminho?

Convém recordar alguns factos do passado recente, para perceber o significado das decisões tomadas.

Como escrevia este domingo, 29, em Il Fatto Quotidiano, o jornalista e vaticanista Francesco António Grana, a CEI definiu, em 2012, ainda no pontificado de Bento XVI, nas diretrizes sobre a pedofilia, o seguinte:

“No ordenamento jurídico italiano, o bispo, não ocupando cargo de funcionário público ou de encarregado de serviço público, não tem obrigação legal de denunciar à autoridade judiciária estatal qualquer informação que tenha recebido sobre atos ilícitos abrangidos pelas presentes Diretrizes.”

Esta norma não foi aceite pela Congregação para a Doutrina da Fé, que pediu modificações. Já com Francisco e com a continuidade da política de tolerância zero, os bispos da CEI mantiveram o texto, acrescentando apenas um inciso depois da “obrigação legal”, que dizia: “exceto dever moral de contribuir para o bem comum”. Em termos práticos, pouco mudava, mantendo-se uma prática efetiva de dar cobertura ao encobrimento.

Apenas em 2019, na sequência da cimeira mundial dos episcopados, convocada pelo Papa Francisco, a CEI assumiu de facto a obrigação moral de denunciar às autoridades civis os casos de abuso sexual contra menores, cometidos por padres.

 

Viragem radical ou enésima solução à italiana?

Neste contexto, Francesco António Grana considera o aprovado agora na assembleia dos bispos “uma viragem radical”, visão entusiasta que não é partilhada, por exemplo, pela professora universitária e colunista de La Stampa, Lucetta Scaraffia.

Scaraffia foi subscritora de uma tomada de posição coletiva de um conjunto de personalidades da cultura, da teologia e da política, que defendia a designação de uma comissão independente. Na sua coluna dominical, de 29 de maio, ela manifesta o desejo de que Matteo Zuppi seja bem-sucedido no que propôs, mas defende que as medidas aprovadas pela CEI “não são suficientes” para “fazer luz sobre a violência” dos abusos sexuais, “um problema dramático e gravíssimo” da Igreja italiana, que “envenena toda a vida eclesial”, diz.

Entre as limitações apontadas pela académica, pode destacar-se: apenas 70 por cento das dioceses têm as comissões diocesanas sobre abusos a funcionar; acresce que muitas vítimas nunca irão apresentar os seus casos aí, dado que são constituídas por peritos escolhidos pela hierarquia da Igreja.

E como se fará com as vítimas que preferem fazer as denúncias na justiça civil? E quanto às equipas de investigação independente? Quem as vai escolher e com que critérios? “Serão verdadeiramente independentes de quem encomenda a sua colaboração?”, pergunta.

Um aspeto crítico para Lucetta Scaraffia é o facto de se contemplar apenas o período a partir de 2000. “Nenhuma prevenção é eficaz se antes os culpados não forem encontrados e punidos”. E estes, acrescenta ela, não são só os dos últimos anos, mas “também aqueles que há muitos anos feriram pessoas que ainda vivem” e “a quem há que ressarcir do trauma sofrido, mediante um reconhecimento público e uma reparação tangível”.

Scaraffia admite que a dimensão do problema torne muito complicado à Igreja montar uma operação orientada para ressarcir as vítimas. Mas a verdade é que, sublinha, é fundamental fazer uma ideia qualitativa e quantitativa, sobre as vítimas e os perpetradores.

Participando no debate sobre o caminho definido pelos bispos italianos, o professor Vítor Mancuso escreve no jornal La Stampa de sábado, 28 (num texto traduzido pelo IHU da Unisinos), que “será o futuro próximo que nos permitirá entender se a receita da nova CEI de Zuppi produzirá realmente algo mais sábio e eficaz do ponto de vista humano e eclesial do que o que foi alcançado em outros países ou se, pelo contrário, tudo se resolverá na enésima solução ‘à italiana’”, ou seja, que vai dar em nada.

 

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

Nos 77 anos do ataque atómico

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia novidade

“Apelo a todos os membros” do Parlamento japonês, “bem como aos membros dos conselhos municipais e provinciais” para que se “encontrem com os hibakusha (sobreviventes da bomba atómica), ouçam como eles sofreram, aprendam a verdade sobre o bombardeio atómico e transmitam o que aprenderem ao mundo”, escreve, numa carta lida nas cerimónias dos 77 anos do ataque atómico sobre Nagasaki, por um dos seus sobreviventes, Takashi Miyata.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Padres de Lisboa saem em defesa do patriarca

Abusos sexuais

Padres de Lisboa saem em defesa do patriarca

O Secretariado Permanente do Conselho Presbiteral do Patriarcado de Lisboa saiu em defesa do cardeal patriarca, D. Manuel Clemente, numa nota publicada esta terça-feira à noite no site da diocese. Nas últimas semanas, Clemente tem sido acusado de não ter dado seguimento a queixas que lhe foram transmitidas de abusos sexuais.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This