Bispos denunciam violência contra católicos na “crise anglófona” dos Camarões

| 11 Mar 19 | Estado, Política e Religiões, Igreja Católica, Newsletter, Últimas

Foto © Fundação AIS (ACN Portugal)

 

Depois de ataques a paróquias e até do assassinato de um missionário e de um seminarista, o rapto de mais de uma centena e meia de estudantes e alguns professores numa escola católica foi entendido como um aviso à Igreja Católica, alerta a Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS). Os ataques inserem-se na chamada “crise anglófona” dos Camarões, que se traduz na luta pela independência que as regiões onde predomina a língua inglesa estão a realizar contra o poder da maioria francófona.

O rapto dos alunos e professores no Colégio Santo Agostinho, na cidade de Kumbo, foi concretizado a 16 de fevereiro. O bispo de Kumbo, George Nkuo, citado pela AIS, diz que as negociações para a libertação dos alunos e professores foram mediadas por padres católicos que não impediram, porém, o encerramento da escola pelas autoridades por alegada falta de condições de segurança: “Os separatistas querem encerrar todas as escolas na região. A nossa (escola) era a única ainda aberta e foi para nos castigar que levaram as crianças, por lhes termos desobedecido.” Os prisioneiros acabaram por ser libertados no dia seguinte.

À medida que crescem tensões entre os separatistas e o Governo do país têm vindo a aumentar ataques aos estabelecimentos de ensino da Igreja Caólica ou de outras entidades cristãs nos Camarões, assim como ao próprio clero. O bispo Michael Bibi, de Bamenda, na região onde predomina a língua inglesa (sudoeste do país), conta que ele mesmo foi alvo de uma tentativa de sequestro, e acrescenta: “A Igreja está na linha de frente. Um padre e um seminarista foram assassinados na região anglófona. Num dos casos (o assassinato do seminarista Gerard Anjiangwe, de 19 anos de idade, a 4 de Outubro), foi mesmo uma execução deliberada, que ocorreu diante da igreja e na presença dos paroquianos.”

Bispo George Nkuo. Foto © Fundação AIS

O que começou como uma série de protestos pacíficos, em 2016, foi evoluindo para o aparecimento de grupos armados independentistas, que tiveram uma resposta violenta do Governo, contrariando o desejo de uma “maior paridade na utilização da língua inglesa ao nível judiciário e educacional”. Calcula-se que só no ano passado tenham morrido centenas de pessoas em resultado dos confrontos entre os grupos rebeldes e as forças armadas.

Artigos relacionados

Breves

Limpar uma praia porque o planeta está em jogo

Sensível ao ambiente, à poluição e ao seu impacto sobre o mundo animal e o planeta em geral, Sylvia Picon, francesa residente em Portugal, decidiu convocar um piquenique ecológico na Praia do Rei (Costa de Caparica, Almada), no próximo sábado, 20 de abril. A concentração será no parque de estacionamento da Praia do Rei e ao piquenique segue-se uma limpeza do areal desta praia da Costa de Caparica.

União Europeia acusada de financiar trabalho forçado em África

A Fundação Eritreia para os Direitos Humanos (FHRE) e a Agência Habeshia alertaram para o facto de o financiamento da União Europeia (UE) poder estar a ajudar na promoção de situações de semi-escravatura de militares jovens, através dos fundos para a construção de estradas na Eritreia, até à fronteira com a Etiópia, e que supostamente se destinam a combater a “migração irregular”.

Bispos do México fazem frente a Trump e ajudam migrantes nas fronteiras

Os bispos católicos do nordeste do México uniram-se para receber comboios de imigrantes que tentam entrar nos Estados Unidos da América e ficam retidos na fronteira com o seu país. Para tal estão a ser tomadas várias medidas de apoio como a criação de novos centros de acolhimento de migrantes em dioceses transfronteiriças, à semelhança do que já acontece na diocese de Saltillo.

Boas notícias

República Centro Africana: jovens promovem acordo de não-agressão entre bairros

República Centro Africana: jovens promovem acordo de não-agressão entre bairros

Dois jovens centro-africanos – Fabrice Dekoua, cristão, e Ibrahim Abdouraman, muçulmano – decidiram promover um pacto de não-agressão entre as populações dos bairros de Castores (de predominância cristã) e Yakite (maioria mulçumana), na capital da República Centro-Africana, Bangui, para tentar mostrar que é possível pôr fim à violência que assola o país.

É notícia 

Entre margens

A Páscoa como escândalo

A falta de compreensão do sentido da Páscoa tornou-se generalizada no mundo ocidental, apesar de a celebrar, por força da tradição e da cultura. A maior parte dos que se afirmam cristãos revela enorme dificuldade em entender o facto de a época pascal ser a mais significativa no calendário da fé cristã.

Jesus Cristo, o estrangeiro aceite pelos povos bantus

Jesus Cristo é uma entidade exterior aos bantu. É estrangeiro, praticamente um desconhecido, mas aceite pelos bantu. Embora se saiba de antemão que Jesus é originário do Médio Oriente e não português, povo que levou o Evangelho para África. Parece um contrassenso?

Papa Francisco: “Alegrai-vos e exultai”. Santidade e ética

No quinto aniversário do início solene do seu pontificado, a 19 de março de 2018 (há pouco mais de um ano), o Papa Francisco publicou a Exortação Apostólica Gaudete et Exsultate, “sobre a santidade no mundo atual”. Parte do capítulo V da Constituição do Vaticano II, Lumen Gentium. Aí se propõe a santidade para todos os cristãos, entendida em dois níveis: a santidade como atributo de Deus comunicada aos fiéis, a que se pode chamar “santidade ontológica”, e a resposta destes à ação de Deus neles, a “santidade ética”.

Cultura e artes

As Sete Últimas Palavras

Talvez muitas pessoas não saibam que a obra de Joseph Haydn As Sete Últimas Palavras de Cristo na Cruz foi estreada em Cádis, na Andaluzia, depois de encomendada pelo cónego José Sáenz de Santamaria, responsável da Irmandade da Santa Cova.

Laranjeiras em Atenas

Há Laranjeiras em Atenas, de Leonor Xavier (Temas e Debates/Círculo de Leitores, 2019) reúne um conjunto diversificado de textos, a um tempo divertidos e sérios, livro de memórias e de viagens, de anotações e comentários… O gosto e a surpresa têm a ver com pequenos pormenores, mas absolutamente marcantes.

Sete Partidas

Uma gotinha do Tamisa contra o “Brexit”

Mas o meu objectivo número um para a visita neste sábado era o de participar na grande e anunciada manifestação contra o Brexit. Quando cheguei junto ao Parlamento já lá estava tudo preparado para as intervenções políticas.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco