Crise alimentar

Bispos do Sri Lanka denunciam a “pior tragédia” do país

| 22 Jun 2022

Arcebispo de Colombo, cardeal Malcolm Ranjith. Foto da página de Facebook da diocese de Colombo, Sri Lanka.

 

Os bispos do Sri Lanka expressaram a sua “profunda preocupação pela triste situação que existe hoje no país”, avançando com uma descrição muito crítica do que se passa na ilha, num momento em que os protestos aumentam por todo o país face à crise alimentar que se vive.

A Conferência Episcopal do Sri Lanka descreveu o terrível quotidiano cingalês, citada num comunicado das Obras Missionárias Pontifícias: “As pessoas andam pelas estradas, sem produtos básicos como alimentos, combustível e gás doméstico e industrial. Os pacientes são deixados na mão sem medicamentos necessários para se tratamentos. Os pais desejam encontrar produtos lácteos para bebés e crianças. A tragédia que atingiu a nossa nação é, sem dúvida, a pior do nosso tempo.” 

A crise no Sri Lanka acelerou com a queda do turismo devido à pandemia da covid-19 e, sobretudo, devido a um passo drástico para uma agricultura ‘ecológica’ que levou a que a produção do país, segundo várias estimativas, tenha ficado reduzida a menos de metade. 

Segundo os bispos, “o país está paralisado e tem que viver dia a dia”, o que conduz a um “aumento desenfreado dos preços dos produtos de primeira necessidade”, com a escassez a afetar “seriamente o dia-a-dia das pessoas que são obrigadas a fazer longas filas nas ruas”.

A Igreja Católica tentou ajudar através da Caritas, mas não é suficiente, resume o episcopado. “Em primeiro lugar”, pedem os bispos, “a produção de alimentos deve ser melhorada. Para isso, o setor agrícola deve receber subsídios substanciais em fertilizantes”. E pedem ainda que, “em vez de participar em disputas políticas, é imperativo pensar no futuro do país. Não deve haver incitamento ao ódio entre as pessoas, especialmente com base na raça, religião e partidos políticos”. 

Os constantes protestos e manifestações, especialmente de jovens, levam “a abordar a necessidade de mudança do sistema”. Para os bispos, estes protestos são legítimos, porque “as principais causas da crise económica foram a corrupção desenfreada e a má gestão dos sucessivos governos e a instabilidade política”. 

Os bispos pedem e imploram que a corrupção pare e que “a independência absoluta dos tribunais” seja consagrada na Constituição do Sri Lanka, porque só assim “o país poderá avançar com a esperança de soluções de longo prazo, como autossustentabilidade agrícola, economia orientada para a exportação, investimento estrangeiro e turismo”.

A tensão entre a Igreja Católica e o poder político tem sido grande, sobretudo depois dos atentados na Páscoa de 2019. O arcebispo de Colombo, cardeal Malcolm Ranjith, tem sido muito criticado por políticos próximos do poder.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

Polícia da moralidade encerrada no Irão

Protestos a produzir efeitos

Polícia da moralidade encerrada no Irão novidade

A ausência de polícia de moralidade nas ruas de Teerão e de outras grandes cidades iranianas nos últimos meses alimentaram a especulação que foi confirmada na noite de sábado pelo Procurador-Geral do Irão, Mohammad Jafar Montazeri, de que a polícia havia sido desmantelada por indicação “do próprio local onde foi estabelecida”.

Um Deus mergulhado na nossa humanidade

Um Deus mergulhado na nossa humanidade novidade

Diante de uma elite obcecada pelo ritualismo de pureza, da separação entre puros e impuros, esta genealogia revela-nos um Deus que não se inibe de operar no ordinário e profano, que não toma preferência alguma acerca daqueles que se assumem categoricamente como sendo corretos, puros de sangue ou mesmo como pertencentes a determinada etnia ou género.

feitos de terra

feitos de terra

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, Domingo II do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 3 de Dezembro de 2022.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This