20 anos de independência

Bispos e Governo timorense renovam acordo de cooperação

| 19 Mai 2022

O primeiro-ministro de Timor-Leste, Taur Matan Ruak, com os bispos do pais, na assinatura de um protocolo de cooperação entre Governo e Igreja Católica, que atribui 15 milhões de dólares à Igreja para obras educativas e sociais, entre outras. 17 de Maio 2022. Foto reproduzida do Facebook.

Taur Matan Ruak com os bispos, na assinatura do protocolo: 15 milhões para obras educativas e sociais, entre outras. Foto reproduzida do Facebook.

 

O primeiro-ministro de Timor-Leste, Taur Matan Ruak, e o presidente da Conferência Episcopal Timorense (CET), o bispo Norberto do Amaral, de Maliana, renovaram um acordo de cooperação que alarga uma cláusula da Concordata entre o país de maioria católica e o Vaticano e que atribui à Igreja Católica a gestão de 15 milhões de dólares (cerca de 14 milhões, 171 mil euros).

A cerimónia decorreu na passada terça-feira, três dias antes desta sexta-feira, 20 de Maio, quando o país assinala os 20 anos de restauração da independência. Segundo o protocolo assinado, metade da verba é para ajudar os serviços educacionais geridos pela Igreja, enquanto outros 25% são para obras sociais. O restante destina-se a fins de gestão e governo eclesiástico (15%) e para a própria gestão do fundo (10%), refere a agência católica asiática UCANews.

“É para mim uma grande honra poder assinalar o 20º aniversário da restauração da independência com a assinatura deste acordo que visa renovar o quadro legal da nossa relação, mas também reconhecer, uma vez mais, os aspectos sociais, culturais e humanitários que a Igreja Católica sempre desempenhou na sociedade timorense”, afirmou na ocasião o primeiro-ministro Taur Matan Ruak.

Esta forma de cooperação é também uma forma de reconhecimento do importante papel da Igreja Católica durante o período de ocupação e de luta pela defesa dos direitos humanos sem concessões, acrescentou Matan Ruak.

O primeiro-ministro sublinhou que a Igreja está presente em todo o país, “em vários serviços educativos e de saúde, no apoio aos necessitados, vulneráveis e desfavorecidos, com grande amor”. E por isso Ruak espera que o acordo possa resultar em “melhorias para o bem-estar” do povo.

Este documento vem na sequência da Concordata assinada em 2015 entre o Vaticano e Timor-Leste durante uma visita do secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, em 2015, quando o país celebrou 100 anos de evangelização. A mesma fonte lembra que esse documento estabeleceu o quadro legal para as relações bilaterais entre o Vaticano e Timor-Leste e tornou-se a base para um acordo que abrange um período de cinco anos (2017-2022), que estipulava contribuições anuais, sujeitas à disponibilidade financeira do Governo, para actividades sociais, educação e governação eclesiástica para a Igreja Católica. O montante anual é estabelecido por um acordo separado.

No ano anterior, a verba atribuída – igual à deste ano – foi essencialmente destinada a escolas, incluindo a construção de salas de aula, e assistência social para crianças que não tinham sido cobertas por tal ajuda em anos anteriores.

Timor-Leste tem uma população de 1,3 milhões de habitantes, com 97 por cento deles a considerarem-se católicos.

 

Padre João Felgueiras: “Contente por ter contribuído alguma coisa”
P. João Felgueiras com alunos da Escola Amigos de Jesus, em Díli (Timor)

O padre Felgueiras, que foi para Timor aos 50 anos e fará 10 anos em 9 de Junho, com alunos da Escola Amigos de Jesus, por ele criada. Foto © Carla Araújo.

 

Um dos rostos do apoio à causa da independência foi o padre jesuíta João Felgueiras, que completará em Junho próximo 101 anos. “Sinto-me português e timorense. Vim para aqui como missionário para trabalhar, enquanto a Companhia de Jesus quisesse e assim foi até agora. Todos contribuímos. O passado foi vivido, e estou contente de ter vivido em paz, não fiz nada contra ninguém, nada de mal contra o povo e estou contente poder ter contribuído alguma coisa”, dizia há dias, em entrevista à agência Lusa, citada em vários meios de comunicação.

Com oito irmãos, incluindo outros dois padres e quatro freiras, o padre Felgueiras dedicou grande parte da sua vida à educação, como já se recordou no 7MARGENS. “Educador infatigável de sucessivas gerações de timorenses, na preservação da nossa identidade nacional e promoção do desenvolvimento cultural do país”, disse dele o actual primeiro-ministro e então Presidente da República, Taur Matan Ruak, quando em 2016 lhe atribuiu a Insígnia da Ordem de Timor-Leste.

Em 2017, concretizou-se o projecto de ampliar a Escola Amigos de Jesus, o grande sonho da sua vida.

João Felgueiras olha de forma positiva para o que tem sido feito no país: “Não estou desiludido. Cada um faz o que pode e acho que os timorenses com o que podem têm feito. As escolas têm trabalhado muito.” E acrescentava: “Problemas dramáticos há em toda a parte, olha agora nos nossos dias o que está a acontecer na Ucrânia, o que acontece na África ou noutros sítios. Aqui temos casas, estradas, edifícios. Estou contente com o que vejo em Timor, desde a fronteira até Tutuala, vejo um progresso grande.”

É essa mudança que Timor também assinala neste 20º aniversário da restauração da independência. Em Díli, o Presidente português está presente nas cerimónias, que incluem a tomada de posse do novo chefe de Estado timorense, José Ramos-Horta, eleito em Abril.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This