Jornadas com convidados em Fátima

Bispos escolhem grupo de acompanhamento nacional do sínodo

| 19 Jun 2022

Abertura da 201ª Assembleia Plenária da CEP: as Jornadas do Episcopado contarão com quase 100 participantes, entre bispos, sacerdotes e leigos. Foto © HM/Agência Ecclesia

 

Os bispos portugueses vão decidir esta semana quem integrará o grupo de acompanhamento que irá elaborar o texto nacional de síntese e contributo para o Sínodo que a Igreja está a viver.

A decisão sobre os nomes a incluir no grupo será tomada depois das jornadas pastorais da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), que decorrem em Fátima neste início de semana (segunda e terça-feira, 20 e 21 de Junho). Nas jornadas, participam desta vez, além de cerca de três dezenas de bispos titulares, auxiliares e eméritos, 40 padres e 20 leigos (dos quais 13 mulheres) com o estatuto de convidados. Na quarta-feira, caberá apenas aos bispos, já sem esses convidados, decidir quem são os nomes escolhidos.

Para lá de elaborar a síntese nacional a partir das de 21 dioceses, aquele grupo ficará responsável também por acompanhar a dinâmica sinodal nos próximos anos, explica ao 7MARGENS o secretário da CEP, padre Manuel Barbosa. À semelhança desse grupo nacional de acompanhamento, “também as equipas sinodais diocesanas permanecerão activas nos próximos anos para acompanhar o processo”, garante ainda o mesmo responsável.

Os convidados destas jornadas pastorais do episcopado – cada bispo podia levar duas pessoas da sua diocese – são precisamente, na maior parte dos casos, os coordenadores e membros das equipas diocesanas de coordenação do Sínodo.

As jornadas terão como tema de fundo a sinodalidade, na relação entre as igrejas locais e a CEP. “Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal” é o tema de abertura do debate, que será desenvolvido na tarde desta segunda-feira por José Eduardo Borges de Pinho. O professor da Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa exprimiu já, numa sessão sobre o Sínodo promovida pela Capela do Rato (Lisboa) em 2021, a ideia de que deve haver, na Igreja, muito mais espaços e dinâmicas de participação de todos os baptizados do que aqueles que existem actualmente. Na segunda parte da tarde deste dia 20, o padre Sérgio Leal, prefeito do Seminário Maior do Porto, falará sobre “Sinodalidade: resistências e oportunidades”.

Na terça-feira de manhã, o programa prevê que cinco dioceses apresentem o seu balanço sobre o processo que levou à elaboração das sínteses diocesanas. É o caso de Braga, Évora e Lisboa (as três dioceses metropolitas), Funchal e Porto. À tarde, os participantes dividem-se em grupos, após o que um plenário preparará as conclusões, que serão apresentadas pelos três consultores de comunicação da CEP: Carmo Rodeia (Santuário de Fátima), Anabela Sousa (Setúbal) e Pedro Gil (Opus Dei).

A síntese nacional de contributo português para o Sínodo será elaborada durante o mês de Julho e primeira metade de Agosto, já que ainda há dioceses que estão a ultimar os seus textos até final deste mês. Esse documento nacional deverá ficar pronto até 15 de Agosto, de modo a ser enviado à secretaria-geral do Sínodo, em Roma.

Convocado pelo Papa como forma de repensar o papel do catolicismo no mundo para os próximos anos, este processo sinodal pretende ainda promover a participação e a corresponsabilidade dentro das estruturas católicas. Uma assembleia de bispos em Outubro do próximo ano será um ponto alto do processo, antes de o próprio Papa redigir um documento com propostas concretas sobre o tema. Nesta primeira fase, que agora está a terminar, pretendia-se que grupos, paróquias, movimentos e outras estruturas católicas contribuíssem com as suas reflexões. O 7MARGENS tem publicado (e continuará a fazê-lo por mais alguns dias) vários contributos de comunidades, paróquias e grupos católicos.

 

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se” novidade

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

A Poesia na Rua

A Poesia na Rua novidade

“É preciso ajudar. Ajudar quem gostaria que a poesia estivesse na rua, que a alegria fosse um privilégio de todos. Ajudá-los contra os que lubrificam a máquina do cinismo e do ódio.” – A reflexão de Eduardo Jorge Madureira, na rubrica À Margem desta semana.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Mais de 56 mil pessoas detidas na Síria são sujeitas a tortura

EUA contribuíram para sistema, acusa Amnista

Mais de 56 mil pessoas detidas na Síria são sujeitas a tortura novidade

Entre espancamentos, choques elétricos ou violações, são muitos os métodos de tortura a que têm sido sujeitas mais de 56 mil pessoas detidas na sequência da derrota do autoproclamado Estado Islâmico (EI) na Síria em 2019. Estes e outros dados são revelados por um relatório da Amnistia Internacional, que acusa também os Estados Unidos de conivência na perpetuação deste modelo de detenções.

Ação de demolição num bairro precário em Loures “desrespeita direito à habitação”

Comissão Justiça, Paz e Ecologia alerta

Ação de demolição num bairro precário em Loures “desrespeita direito à habitação” novidade

Uma ação de demolição de várias casas num bairro precário da zona de Montemor, em Loures, levada a cabo pela Câmara Municipal nos dias 8 e 16 de abril, provocou vários desalojados. Num comunicado, a Comissão Justiça, Paz e Ecologia da Conferência dos Institutos Religiosos de Portugal, fala de desrespeito pelo direito a uma habitação adequada.

Celebrações e Frugalidade

Celebrações e Frugalidade novidade

A minha empregada de há mais de 25 anos foi pela primeira vez a Roma com o marido e o neto de 8 anos, levados pelo filho que, graças aos sacrifícios dos pais, pôde fazer uma licenciatura com mestrado incorporado, passando a pertencer claramente à classe média, e subindo no ascensor social graças ao trabalho dos seus pais e à escola pública que frequentou. [Texto de Teresa Vasconcelos]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This