Bispos espanhóis propõem unir “salário familiar” ao rendimento mínimo vital

| 6 Jun 20

O secretário geral da Conferência Episcopal Espanhola, Luis Argüello, propôs ao Governo esta sexta-feira, 5 de Junho, que, juntamente com o salário mínimo vital, aprovado em abril para as famílias mais pobres, institua o “salário familiar”. Durante uma conferência de imprensa, o bispo auxiliar de Valladolid recordou que esta medida foi proposta há 40 anos por João Paulo II, e pediu que os migrantes em situação administrativa irregular possam também aceder a estas prestações.

“Pela importância que a família tem neste momento, com as dificuldades em levar as crianças à escola, a atenção aos mais idosos, as dificuldades em conciliar os trabalhos e a vida familiar, seria interessante poder incorporar a referência do salário familiar na perspetiva do rendimento mínimo vital”, explicou Luis Argüello.

Apresentado por João Paulo II na encíclica sobre o trabalho Laborem Exercens, o “salário famíliar” consiste num “salário único dado ao cabeça de família pelo seu trabalho e que seja suficiente para as necessidades da família sem que a mulher precise de desempenhar um trabalho retribuído fora de casa”.

Luis Argüello sublinhou que “esta procura de transformar o rendimento mínimo vital numa perspetiva do salário familiar, de possibilitar o trabalho e uma remuneração justa pelo mesmo, poderia contribuir para resolver outro tipo de problemáticas”, como por exemplo “a queda da natalidade”.

 

Artigos relacionados

Abusos na Igreja
Dar voz ao silêncio

Contactos da Comissão Independente

https://darvozaosilencio.org/

E-mail: geral@darvozaosilencio.org

Telefone: (+351) 91 711 00 00

You have Successfully Subscribed!

Pin It on Pinterest

Share This