Bispos hesitam na suspensão das missas e esperam pelo Governo (com padres a criticar indecisão)

| 21 Jan 2021

Os evangélicos recomendam a celebração do culto online, na Mesquita Central de Lisboa já se suspendeu a principal oração semanal, enquanto os bispos hesitam e dizem que na próxima semana verão o que o Governo decide. Mas o Executivo terá antecipado, entretanto, o anúncio de um novo confinamento geral – incluindo as escolas – já para esta sexta-feira. Uma oportunidade perdida, criticam vários padres.  

D. José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal: é preciso “restringir ao máximo aquilo que possa ser ocasião de contágio”. 

 

Na quarta-feira de manhã falou-se na possibilidade de um comunicado conjunto, mas a ideia acabou numa declaração do presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), D. José Ornelas, depois de contactos entre os bispos – e da falta de consenso entre eles: os responsáveis católicos não suspendem as eucaristias presenciais, para já, aguardam decisões do Governo e estão “a adaptar, em cada situação, as formas de actuação nas nossas igrejas, nos nossos movimentos e eventos pastorais, para restringir ao máximo aquilo que possa ser ocasião de contágio” na pandemia de covid-19.

Na declaração do também bispo de Setúbal, feita ao final da tarde desta quarta-feira, 20, à agência Ecclesia, Ornelas não diz se os bispos se preparam para suspender ou não a celebração da eucaristia – sendo a liberdade de culto um direito constitucional, terão de ser os responsáveis de cada confissão religiosa a tomar a decisão, mesmo que isso suceda em articulação com o Governo.

A declaração de José Ornelas pode ser interpretada como reflexo da vontade de alguns dos bispos (incluindo o próprio presidente da CEP) em avançar já para a suspensão. Vários deles, de acordo com fontes consultadas pelo 7MARGENS, estariam mais voltados para a decisão de suspender as celebrações presenciais.

Tal opinião, no entanto, não é acompanhada por outros membros do episcopado. Por isso, a declaração do presidente da CEP pode ser vista também como um primeiro aviso, sujeito ao expectável agravamento da situação da pandemia e das medidas de confinamento. E “na próxima semana”, quando o Governo “introduzir novas medidas”, que devem “exigir um esforço muito maior” de todos, o episcopado poderia anunciar nova decisão, conforme a declaração, que pode ser vista no vídeo a seguir:

 

Só que a dramatização que se foi verificando ao longo do dia de quarta-feira culminou com a Grande Entrevista da RTP3, na noite desta quarta-feira, 20, à ministra da Saúde. Marta Temido admitiu que a decisão política poderia ser antecipada já para esta quinta-feira, 21, na reunião do Conselho de Ministros. E vários jornais desta quinta-feira garantem que o fecho de todas as escolas será, nessa reunião, decidido pelo Governo.

No ano passado, em Março, os bispos anteciparam-se ao Governo e (tal como outras confissões religiosas) suspenderam as celebrações religiosas antes mesmo da declaração do estado de emergência.

“Como Igreja, tomamos as nossas providências e adaptamos o nosso modo de estar, de funcionar”, diz o presidente da CEP. E as comunidades católicas querem “colaborar activamente” com o resto da sociedade para “inverter a curva ascendente” de contágios de covid-19 e do número de mortes – de terça para quarta-feira registaram-se novos máximos: 219 mortos e 14.647 novos casos.

O bispo José Ornelas dá conta ainda que durante a manhã de dia 20 esteve “em contacto com todos” os colegas, reafirmando que “o básico das orientações” da semana passada se mantém: suspensão de baptismos, crismas e matrimónios, tendo em conta a “gravíssima situação” que já se vivia – e cuja gravidade duplicou em poucos dias.

“Não estamos a sair nem vamos sair desta situação sem sacrifício, sem esforço, sem contenção”, diz o presidente da CEP, sublinhando a importância de renunciar ao “que é preciso renunciar”. E acrescenta: “Antes de mais, temos de tomar conta. É importante que todos o façamos, como pessoas, como famílias, como instituições: tomar verdadeiramente conta da gravidade da situação que vivemos.”

No Porto, o bispo, Manuel Linda, determinou ainda na quarta-feira que para já se mantenham apenas as missas presenciais, suspendendo todas as restantes actividades presenciais.

 

“É tempo de propostas concretas”
Santuário de Fátima. 12 de Maio 2020, covid-19

O Santuário de Fátima vazio, a 12 de Maio: há padres muito críticos da decisão dos bispos em continuar a aceitar missas presenciais. Foto © Joaquim Franco, cedida pelo autor.

 

A decisão dos bispos, na semana passada, em manterem eucaristias presenciais foi criticada severamente, nos últimos dias, em posições públicas de vários padres. Já depois da declaração do presidente da CEP, o 7MARGENS falou com três deles, que não só reafirmam, como agravam as críticas.

“Soube a pouco”, diz o padre Nuno Folgado, pároco de São Miguel da Sé e São José Operário, duas das paróquias da cidade de Castelo Branco. No final da semana passada, os seis clérigos responsáveis das três paróquias da cidade suspenderam as eucaristias durante a semana.

A decisão foi tomada sabendo que a eucaristia é um “lugar seguro”. Mas o problema é as pessoas “saírem de casa” e, no caso dos dias de semana, irem a missas evocativas de pessoas falecidas e ficarem a conversar, no final. Por isso, quiseram dar um sinal, mas desde o início que defendiam que a suspensão deveria ser para todos os dias: “Era um sinal profético abdicar de alguma coisa a que temos direito, para significar a nossa comunhão com a comunidade humana.” Até porque os números de mortos já está no dobro de vítimas dos incêndios de 2017, onde morreram mais de 100 pessoas.

“Agora é tempo de propostas concretas. Não basta dizer que ‘renunciamos ao que é preciso renunciar’; eu, como crente e colaborador dos bispos, espero que concretizem, que me digam ao que devo renunciar”, diz o padre Folgado, comentando agora o adiamento da decisão dos bispos.

“Analisar as catástrofes diárias e responder com o documento de Maio passado, como se a situação fosse a mesma, assusta. A situação não é igual a ontem, quanto mais a Maio”, diz ao 7MARGENS.

“Prometer mais para a semana, à média de 200 mortos por dia, é prometer dizer mais qualquer coisa daqui a mil ou 1500 mortos, 50 mil ou 60 mil infectados”, acrescenta. Para concluir: “É impossível discordar do que quer que seja” da declaração do presidente da CEP, “e isso não é um bom sinal: discursos redondos que identificam os problemas já não deviam ter lugar agora. Não discordo em nada, mas soube-me a pouco.”

 

“Uma oportunidade perdida”
Conferência Episcopal. José Ornelas.

A nova presidência da Conferência Episcopal, no encontro com jornalistas, em Junho: a indecisão dos bispos foi uma “oportunidade perdida”, na opinião de vários padres. Foto © Ecclesia.

 

Uma “oportunidade perdida” é a expressão usada pelo padre Nuno Santos, reitor do Seminário de Coimbra, numa mensagem que enviou ao seu bispo. “Espantei-me com o não comunicado, tive uma desilusão total e escrevi ao meu bispo a dizer que foi mais uma ‘oportunidade perdida’”.

Terça-feira, na sua página no Facebook, Nuno Santos escrevera: “Sente-se no ar uma enorme falta de coragem criativa e gestos concretos do ‘cuidar’. Quando as Instituições (Igreja, Estado, Escola…) não cuidam das pessoas, perdem identidade e sentido. O sentido de responsabilidade e a noção da realidade não permitem decisões cómodas, confortáveis e nem agradáveis.”

Depois da declaração episcopal, o padre Nuno diz que não só mantém a observação feita antes, como a primeira imagem que lhe veio agora à mente foi a do samaritano: “Ou cuidamos ou passamos ao lado. Custa fazer parte de uma Igreja que insiste em passar ao lado da pessoa ferida.”

Nuno Santos enumera quatro razões para a sua posição: “Não houve coragem, porque em Março fechámos com menos de 15 mortos diários e agora temos 219 e não fechamos e isto é agir com calculismo.” Também não houve respeito pelos profissionais de saúde: “O Papa tem insistido muito em escutar, os bispos deviam ter ouvido médicos e enfermeiros católicos que vão à missa.”

O padre Nuno acrescenta que a (in)decisão reflecte que a Igreja está condicionada a uma lei, quando “as decisões morais deveriam estão acima da lei”. Finalmente, “não houve um gesto profético, de ser sinal no meio de uma certa escuridão; perdeu-se uma oportunidade de estar ao lado das pessoas”, como em Março de 2020.

Mesmo sabendo que há padres que advogam a continuação das celebrações presenciais – no ano passado, vários vieram a público endossando críticas ao Governo, quando a decisão de suspender as celebrações foi sempre dos bispos – o padre Nuno diz: “Se fosse uma das nossas mães ou pais, veríamos as coisas de outra maneira”. E acrescenta que “o corpo de Cristo continua à beira do caminho” e que “a credibilidade da presença cristã se ganha ou se perde nestas coisas”.

 

Bispos a “chutar para canto”, mesquita já suspendeu, evangélicos recomendam online
Mesquita de Lisboa

A Mesquita Central de Lisboa tem estado praticamente vazia nas orações, mas a oração semanal mais importante já foi suspensa. Foto © Khalid Jamal, cedida pelo autor.

 

Sérgio Torres, pároco de São Vítor, uma das maiores paróquias de Braga, também criticara no Facebook a decisão da semana passada: os bispos deviam resolver o mesmo que em Março, defendia, porque “os números são incomparavelmente superiores”. E acrescentava que lhe tem chegado “a opinião de muitos outros cristãos que também pensam o mesmo”.

Agora, diante da declaração do presidente da CEP, diz que esta é uma “resposta de chutar para canto”. Em Março, foi a Igreja que decidiu, porque ela tem “toda a liberdade” para o fazer. Agora, está a “atirar para o Governo”.

“Ultrapassou-se uma linha vermelha a partir do momento em que os hospitais não nos podem socorrer”, diz. E além das mensagens que recebe, garante que a maior parte do clero de Braga está a favor da suspensão: numa reunião de padres responsáveis da diocese, nesta quarta-feira, a maioria defendia isso; e numa consulta do arcebispo aos padres, também era unânime essa posição. Com uma ressalva: manter a possibilidade de funerais com a participação de familiares.

Enquanto os bispos católicos esperam pelo Governo, na Mesquita Central islâmica de Lisboa já foi suspensa a oração principal das sextas-feiras. Nas restantes, participam apenas três ou quatro pessoas, quase sempre funcionários da instituição, como diz o xeque David Munir, imã da Mesquita. E decisões semelhantes já foram tomadas noutras mesquitas, acrescenta.

Na Aliança Evangélica Portuguesa (AEP), que reúne centenas de comunidades evangélicas naquela que é a segunda confissão mais importante em Portugal, não há uma orientação geral, embora se recomende o culto através do vídeo. Em Sintra, onde é o responsável de uma comunidade, António Calaim, presidente da AEP e médico, dirige o culto dessa maneira.

“A verdade é que a celebração não está proibida, porque é um direito constitucional, mas devemos usar o senso comum e ficar em casa”, diz.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

Polícia da moralidade encerrada no Irão

Protestos a produzir efeitos

Polícia da moralidade encerrada no Irão novidade

A ausência de polícia de moralidade nas ruas de Teerão e de outras grandes cidades iranianas nos últimos meses alimentaram a especulação que foi confirmada na noite de sábado pelo Procurador-Geral do Irão, Mohammad Jafar Montazeri, de que a polícia havia sido desmantelada por indicação “do próprio local onde foi estabelecida”.

Um Deus mergulhado na nossa humanidade

Um Deus mergulhado na nossa humanidade novidade

Diante de uma elite obcecada pelo ritualismo de pureza, da separação entre puros e impuros, esta genealogia revela-nos um Deus que não se inibe de operar no ordinário e profano, que não toma preferência alguma acerca daqueles que se assumem categoricamente como sendo corretos, puros de sangue ou mesmo como pertencentes a determinada etnia ou género.

feitos de terra

feitos de terra

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, Domingo II do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 3 de Dezembro de 2022.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This