Haiti

Bispos incitam à união contra o banditismo e a insegurança

| 1 Ago 2022

© IOM HaitiMonica Chiriac In early 2022, the UN helped to relocate people displaced by gang Violence in Port-au-Prince, Haiti.

No início de 2022, as Nações Unidas ajudaram a realojar populações deslocadas devido à violência em Port-au-Prince. Foto © IOM Haiti/Monica Chiriac.

 

“Chegou a hora de acordar do nosso torpor, de dizer com todas as nossas forças: não à insegurança! Não aos sequestros! Não à legalização, por cumplicidade, da atividade das quadrilhas armadas! Não a qualquer projeto de aniquilação do Estado!”, escrevem os bispos do Haiti na sua mensagem deste domingo, 31 de julho, em que incitam “o povo, empresários, políticos, representantes de instituições e da sociedade civil” a unirem-se no combate contra “o flagelo da insegurança”.

“A deterioração geral da situação no país preocupa-nos cada vez mais como pastores deste povo que tanto sofre”, assim começa a longa mensagem da Conferência Episcopal do Haiti difundida pela agência SIR.  Os bispos descrevem “a presença agora descontrolada e sistemática de gangues armados”, que se junta à “corrupção, pobreza extrema, precariedade generalizada, sequestro, desconfiança interpessoal” que marcam a realidade quotidiana do Haiti.

A Conferência Episcopal reconhece-se “surpreendida e indignada com a impotência das autoridades estatais, que deixam o campo aberto a gangues fortemente armados” que impunemente “sequestram, destroem, matam, queimam” e pergunta: “por que não age o Estado para reprimir com o rigor necessário (dentro dos princípios do Estado de Direito) para colocar os bandidos em condições de não fazer mal? É impossível neutralizar as fontes que fornecem armas e munições a grupos e a indivíduos, ou há pessoas intocáveis que beneficiam” desse comércio?

É contra este torpor permissivo que os bispos clamam ser “urgente trabalhar o quanto antes para desarmar as quadrilhas” e decidem juntar a sua voz “à de todos aqueles que sofrem com esta situação e que aspiram à segurança e à paz, para exigir a intervenção imediata das autoridades estatais responsáveis ​​pelo bem-estar dos cidadãos.”.

Segundo relato das Nações Unidas de 16 de julho, entre janeiro e o final de junho foram documentados “934 assassinatos, 684 feridos e 680 sequestros em toda a capital”. Depois disso, a violência cresceu de tal modo que “num período de cinco dias, de 8 a 12 de julho, pelo menos mais 234 pessoas foram mortas ou feridas em confrontos entre gangues na área de Cité Soleil (arredores da capital, Port-au-Prince)”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Índia

Carnataca é o décimo Estado a aprovar lei anticonversão

O Estado de Carnataca, no sudoeste da Índia, tornou-se, no passado dia 15 de setembro, o décimo estado daquele país a adotar leis anticonversão no âmbito das quais cristãos e muçulmanos e outras minorias têm sido alvo de duras perseguições, noticiou nesta sexta-feira, 23, o Vatican News, portal de notícias do Vaticano.

Neste sábado, em Lisboa

“Famílias naturais” em convívio contra a ideologia de género

Prometem uma “tarde de convívio e proximidade”, um concerto, diversão e “múltiplas actividades para crianças e adultos: o “Encontro da Família no Parque” decorre esta tarde de sábado, 24 de Setembro, no Parque Eduardo VII (Lisboa), a partir das 15h45, e “pretende demonstrar um apoio incondicional à família natural e pela defesa das crianças”.

Gratuito e universal

Documentário sobre a Laudato Si’ é lançado a 4 de outubro

O filme A Carta (The Letter) será lançado no YouTube Originals no dia 4 de outubro, anunciou, hoje, 21 de setembro, o Movimento Laudato Si’. O documentário relata a história da encíclica Laudato Si’, recolhe depoimentos de vários ativistas do clima e defensores da sustentabilidade do planeta e tem como estrela principal o próprio Papa Francisco.

Promessa cumprida, pacto assinado, e agora… “esperamos por ti em Lisboa”, Papa Francisco

Terminou o encontro em Assis

Promessa cumprida, pacto assinado, e agora… “esperamos por ti em Lisboa”, Papa Francisco novidade

“Espero por vocês em Assis.” Assim terminava a carta que o Papa escreveu aos jovens em maio de 2019, convidando-os a participar na Economia de Francisco. Apesar de uma pandemia o ter obrigado a adiar dois anos este encontro, e ainda que as dores no joelho o tenham impedido de vir pelo seu próprio pé, Francisco cumpriu a sua promessa, como só os verdadeiros amigos sabem fazer. Este sábado, 24, logo pela manhã, chegou à cidade de Assis para se juntar aos mil participantes do encontro A Economia de Francisco. Escutou atentamente os seus testemunhos e preocupações, deu-lhes os conselhos que só um verdadeiro amigo sabe dar, selou com eles um pacto e até reclamou por não terem trazido cachaça (bem sabemos que é próprio dos amigos rabujar e fazer-nos rir). Mas sobretudo provou-lhes que acredita neles e que é com eles que conta para fazer do mundo um lugar melhor.

Agenda

Fale connosco

Autores