Um novo modo de ser Igreja

Bispos latino-americanos agradecem “decisão ousada” de ampliar o Sínodo

| 20 Out 2022

bispo Miguel Cabrejos, presidente do Celam Foto Vatican Media

O bispo Miguel Cabrejos considera que a decisão do Papa ajudará “a desenvolver em profundidade o chamamento à comunhão, participação e missão”. Foto © Vatican Media.

 

O presidente do Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam), o bispo Miguel Cabrejos, reagiu com alegria ao anúncio do Papa de prolongar o Sínodo sobre a Sinodalidade até 2024, reconhecendo que se trata de “uma decisão ousada na medida em que enfatiza a necessidade de priorizar o processo, mais do que o evento sinodal”, e de garantir que toda a Igreja é envolvida, e “não apenas a Assembleia Sinodal”.

“Esta decisão favorecerá o amadurecimento do caminho em que estamos” e “ajudar-nos-á a desenvolver em profundidade o chamamento à comunhão, participação e missão, rumo a uma Igreja cada vez mais sinodal”, enfatizou o arcebispo de Trujillo, em declarações ao site do Instituto Humanitas – Unisinos.  “Do Celam continuaremos a acompanhar e participar ativamente das orientações que o bispo de Roma e a Secretaria Geral do Sínodo nos indiquem”, assegurou.

Mauricio López, diretor do Centro de Programas e Redes de Ação Pastoral do Celam, salienta que, para a igreja latino-americana, “foi fundamental ter vivido dois processos que marcaram esta experiência, o Sínodo Amazónico, como uma extensão da escuta do povo de Deus, alcançando as periferias, e a Assembleia Eclesial da América Latina e das Caraíbas”. Isso aconteceu “numa perspetiva de inserir o discernimento comunitário como uma ferramenta viva para poder buscar o que o Espírito Santo quer dizer-nos, e além dos documentos magistrais, encontrar no sensus fidei os convites para as reformas da nossa Igreja, para as novidades estruturais”.

Isto já se refletiu na realidade da Igreja da América Latina, sublinha Mauricio López, através da “criação da Conferência Eclesial da Amazónia, na renovação e reestruturação do Celam, na própria Assembleia Eclesial”.

Agora, com o prolongamento do Sínodo, “o que o Papa Francisco está a tentar fomentar é uma dinâmica de reciprocidade, de circularidade. Ao acrescentar um ano ao processo, o que ele está a fazer é abrir o espaço para que o discernimento seja aprofundado”, enfatiza.

Assim, após a primeira assembleia em outubro de 2023, com o que sair dela, “teremos realmente a possibilidade de voltar ao povo de Deus, em toda a sua diversidade, para garantir que este povo possa também contribuir para a construção do que serão os documentos finais, seja uma exortação apostólica ou sobretudo as novas perspectivas para uma Igreja mais sinodal em termos de comunhão, participação e missão”, conclui.

“Romper a espiral da violência” é uma opção, garante o Papa

Segundo dia na RD Congo

“Romper a espiral da violência” é uma opção, garante o Papa novidade

“Esengo – alegria!” Assim iniciou Francisco a sua homilia na missa da manhã desta quarta-feira, 1 de fevereiro, que decorreu no aeroporto Ndolo, em Kinshasa, capital da República Democrática do Congo (RDC). E a mesma palavra descreve na perfeição o ambiente que se viveu do início ao fim da celebração. Um ambiente pleno de cor, música e dança, em que ressoou a mensagem do Papa: sim, a paz é possível, se escolhermos “romper a espiral da violência”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver

40ª viagem apostólica

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver novidade

O Papa acaba de embarcar naquela que tem sido descrita como uma das viagens mais ousadas do seu pontificado, mas cujos riscos associados não foram motivo suficiente para que abdicasse de a fazer. Apesar dos problemas de saúde que o obrigaram a adiá-la, Francisco insistiu sempre que queria ir à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul. Mais do que uma viagem, esta é uma missão de paz. E no Congo, em particular, onde os conflitos já custaram a vida de mais de seis milhões de pessoas e cuja região leste tem sido atingida por uma violência sem precedentes, a presença do Papa será determinante para mostrar a toda a comunidade internacional aquilo que ela parece não querer ver.

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This