Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

| 1 Mar 2024

Pessoa em situação de sem-abrigo. Foto Halfpoint

A Igreja é chamada a cuidar das pessoas em situação de sem-abrigo porque “essas são pessoas verdadeiramente pobres, que sofrem profundamente com a indiferença”, afirmou o arcebispo de Bogotá. Foto © Halfpoint

 

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

O lançamento foi feito durante um encontro virtual que decorreu entre 26 e 28 de fevereiro e que teve, segundo o Vatican News, “uma participação maior do que a esperada”. Na sua intervenção, o primaz colombiano lembrou que a Igreja é chamada a cuidar das pessoas em situação de sem-abrigo porque “essas são pessoas verdadeiramente pobres, que sofrem profundamente com a indiferença”. “Mas há uma coisa que deve caracterizar a nossa proximidade com elas: a humildade e a capacidade de servir. Ser essa bela Igreja que percorre as ruas”, assinalou o cardeal Rueda.

E insistiu na importância de a Igreja não fazer esse trabalho de forma isolada. “Aprendi – disse o cardeal – que há uma necessidade de integração entre as expressões católicas e os movimentos de serviço, porque muitas vezes somos paralelos, não nos conhecemos… Também devemos integrar-nos, porque essa é uma questão ecuménica, com tantas denominações religiosas, com pastores que também saem às ruas motivados pela sua fé, para servir aqueles que estão na rua sem saber o seu nome, muitas vezes sem conhecer a sua história, mas que são gratos quando nos aproximamos deles sem medo e sem nojo”.

 

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS”

Entrevista à presidente da Associação Portuguesa

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS” novidade

“Se não prepararmos melhor o nosso Serviço Nacional de Saúde do ponto de vista de cuidados paliativos, não há maneira de ter futuro no SNS”, pois estaremos a gastar “muitos recursos” sem “tratar bem os doentes”. Quem é o diz é Catarina Pazes, presidente da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) que alerta ainda para a necessidade de formação de todos os profissionais de saúde nesta área e para a importância de haver mais cuidados de saúde pediátricos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bahá’ís plantam árvores em Lisboa, para que a liberdade religiosa floresça em todo o mundo

Em memória das "dez mulheres de Shiraz"

Bahá’ís plantam árvores em Lisboa, para que a liberdade religiosa floresça em todo o mundo

Quem passar pela pequena zona ajardinada junto ao Centro Nacional Bahá’í, na freguesia lisboeta dos Olivais, vai encontrar dez árvores novas. São jacarandás e ciprestes, mas cada um deles tem nome de mulher e uma missão concreta: mostrar – tal como fizeram as mulheres que lhes deram nome – que a liberdade religiosa é um direito fundamental. Trata-se de uma iniciativa da Junta de Freguesia local, em parceria com a Comunidade Bahá’í, para homenagear as “dez mulheres de Shiraz”, executadas há 40 anos “por se recusarem a renunciar a uma fé que promove os princípios da igualdade de género, unidade, justiça e veracidade”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This