Bispos manifestam disponibilidade para debater disciplina de Cidadania e Desenvolvimento

| 10 Set 20

P. Manuel Barbosa, porta-voz da CEP: bispos manifestam-se abertos ao debate sobre a disciplina de Cidadania. Imagem: agência Ecclesia.

 

O conselho permanente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) manifestou, nesta quarta-feira, 9 de Setembro, a disponibilidade dos bispos católicos para debater o papel da disciplina de Cidadania e Desenvolvimento nas escolas do país.

“Reafirmamos a nossa disponibilidade para colaborar na busca de parâmetros comuns para a clarificação do importante papel desta disciplina na nossa sociedade”, referiu, citado pela Ecclesia, o porta-voz da CEP, padre Manuel Barbosa, no final do encontro mensal do conselho, que decorreu em Fátima.

Esta posição pode ser lida como mais cautelosa do que o manifesto que foi divulgado no passado dia 1, assinado por uma centena de personalidades, entre as quais o patriarca de Lisboa, o bispo de Aveiro e os antigos Presidente da República e primeiro-ministro, Cavaco Silva e Passos Coelho, respectivamente.

Agora, no final do conselho permanente, os bispos afirmaram que não põem em causa “a existência duma disciplina que verse a cidadania e a formação para o seu exercício consciente e activo”, de acordo com “a Declaração Universal dos Direitos Humanos, a Constituição da República Portuguesa e outros textos convergentes”.

É preciso procurar linhas de convergência que “tenham em conta as diversas tradições hoje presentes na sociedade portuguesa, desde que compatíveis com os referidos textos basilares e comuns”, defendem os bispos. Mas, ao mesmo tempo, na linha do que o manifesto propõe, é sublinhado o papel dos pais como primeiros responsáveis pela educação dos filhos, “a quem o Estado apoia, mas não substitui”.

“A igualdade de todos, nos vários papéis sociais, não significa a indistinção de cada um, no respeitante à sua unidade psicofísica, à complementaridade masculino-feminino ou à herança cultural que as famílias legitimamente transportam”, acrescentam os bispos, ainda de acordo com a Ecclesia.

 

Objecção de consciência no centro do debate

O manifesto “em defesa das liberdades de educação”, que foi dinamizado pelo ex-reitor da Universidade Católica Portuguesa, Manuel Braga da Cruz, e por outro antigo professor da mesma UCP, Mário Pinto, defende que as políticas de educação devem respeitar “a objecção de consciência das mães e pais quanto à frequência da disciplina de Educação para a Cidadania e o Desenvolvimento, cujos conteúdos, aliás de facto muito densificados do ponto de vista das liberdades de educação em matéria cívica e moral, não podem ser impostos à liberdade de consciência”.

É neste ponto da objecção de consciência – que não aparece referida pelos bispos – que a posição do episcopado aparenta ser mais prudente do que a do manifesto.

Nesse abaixo-assinado, defende-se que “as políticas públicas de educação, em Portugal, respeitem sempre escrupulosamente, neste caso e em todos os demais casos análogos, a prioridade do direito e do dever das mães e pais de escolherem ‘o género de educação a dar aos seus filhos’, como diz, expressamente por estas palavras, a Declaração Universal dos Direitos Humanos”.

A existência do manifesto levou, entretanto, o Chega a apresentar um projecto de resolução no Parlamento que prevê que a disciplina de Cidadania passe a ser facultativa. Já nesta semana, o CDS – alguns dirigentes ou ex-dirigentes são também subscritores do manifesto – seguiu também a mesma opção, apresentando já nesta semana um projecto idêntico.

Entretanto, além do debate público que tem havido nas páginas de jornais e nos outros média, surgiu também um manifesto de sinal contrário, em defesa da disciplina de Cidadania, que até dia 7 tinha sido assinado por cinco mil subscritores.

Na origem desta polémica, está um caso particular ocorrido em Famalicão, onde os pais de dois alunos invocaram objecção de consciência à disciplina, por causa das temáticas sobre sexualidade e igualdade de género incluídas nas temáticas que podem ser abordadas (o guião das matérias pode ser consultado aqui; o capítulo sobre afectos e sexualidade está sobretudo a partir da página 75).

Num debate realizado segunda-feira, 7, na Renascença, entre Braga da Cruz e o secretário de Estado da Educação, João Costa, este garantiu que os alunos em causa irão, para já, passar de ano.

(O registo do debate em vídeo pode ser visto a seguir)

 

A assembleia da CEP irá reunir em assembleia plenária entre 11 e 13 de Novembro, para debater duas propostas de documentos: as “Normas para a Proteção de Menores e Pessoas Vulneráveis na Igreja” e uma reflexão sobre a pandemia e os desafios pastorais que ela coloca à Igreja Católica. No dia seguinte, ainda em Fátima, os bispos celebram uma eucaristia pelas vítimas da pandemia de covid-19 no país.

 

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos

Papa regressou da Eslováquia

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos novidade

O aborto é homicídio, mas os bispos têm de ser próximos de quem defende a sua legalização; os Estados devem apoiar as uniões de pessoas do mesmo sexo, mas a Igreja continua a considerar o sacramento do matrimónio apenas entre um homem e uma mulher; e as vacinas têm uma “história de amizade” com a humanidade, não se entendem por isso os negacionismos. Palavras do Papa a bordo do avião que o levou da Eslováquia de regresso a Roma.

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa

Enredado em movimentos tradicionalistas

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa novidade

São visíveis na Igreja Católica dos Estados Unidos da América, em especial nos últimos anos, movimentações de setores conservadores e tradicionalistas que, embora não assumindo o cisma, se comportam objetivamente como cismáticos. São numerosas as organizações que contam com o apoio de figuras de projeção mediática e que ostensivamente denigrem o Papa e uma parte dos bispos do seu país. Um nome aparece cada vez mais como elemento comum e de suporte: Carlo Maria Viganò, o arcebispo que foi núncio em Washington e que exigiu, em 2018, a demissão do Papa Francisco. Mais recentemente, outra figura de grande projeção pública que vem surgindo nestas movimentações é a do ator e realizador Mel Gibson.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo

Estreia na Igreja de São Tomás de Aquino

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo novidade

“Os primeiros esboços deste texto terão surgido nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial”, explica o compositor Alfredo Teixeira, autor da Missa sobre o Mundo, obra para órgão e voz recitante que terá a sua estreia mundial absoluta no próximo sábado, 18 de Setembro, às 16h30 (entrada livre, sujeita ao número de lugares existentes). A obra, construída a partir de excertos do texto homónimo de Pierre Teilhard de Chardin (1881-1955), padre jesuíta e paleontólogo, abrirá a temporada de concertos na Igreja Paroquial de São Tomás de Aquino, em Lisboa.

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais novidade

Hoje, 15 de setembro, celebro e comemoro e agradeço e relembro António Arnaut, o criador em 1979 do Serviço Nacional de Saúde, o SNS da sobrevida de tantos de nós, portugueses. Depois de ter passado um dia de quase dez horas como doente de oncologia em imenso espaço de hospital, entre variadas mãos, procedimentos, cuidados, não posso deixar vazio na data.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This