Bispos manifestam disponibilidade para debater disciplina de Cidadania e Desenvolvimento

| 10 Set 2020

P. Manuel Barbosa, porta-voz da CEP: bispos manifestam-se abertos ao debate sobre a disciplina de Cidadania. Imagem: agência Ecclesia.

 

O conselho permanente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) manifestou, nesta quarta-feira, 9 de Setembro, a disponibilidade dos bispos católicos para debater o papel da disciplina de Cidadania e Desenvolvimento nas escolas do país.

“Reafirmamos a nossa disponibilidade para colaborar na busca de parâmetros comuns para a clarificação do importante papel desta disciplina na nossa sociedade”, referiu, citado pela Ecclesia, o porta-voz da CEP, padre Manuel Barbosa, no final do encontro mensal do conselho, que decorreu em Fátima.

Esta posição pode ser lida como mais cautelosa do que o manifesto que foi divulgado no passado dia 1, assinado por uma centena de personalidades, entre as quais o patriarca de Lisboa, o bispo de Aveiro e os antigos Presidente da República e primeiro-ministro, Cavaco Silva e Passos Coelho, respectivamente.

Agora, no final do conselho permanente, os bispos afirmaram que não põem em causa “a existência duma disciplina que verse a cidadania e a formação para o seu exercício consciente e activo”, de acordo com “a Declaração Universal dos Direitos Humanos, a Constituição da República Portuguesa e outros textos convergentes”.

É preciso procurar linhas de convergência que “tenham em conta as diversas tradições hoje presentes na sociedade portuguesa, desde que compatíveis com os referidos textos basilares e comuns”, defendem os bispos. Mas, ao mesmo tempo, na linha do que o manifesto propõe, é sublinhado o papel dos pais como primeiros responsáveis pela educação dos filhos, “a quem o Estado apoia, mas não substitui”.

“A igualdade de todos, nos vários papéis sociais, não significa a indistinção de cada um, no respeitante à sua unidade psicofísica, à complementaridade masculino-feminino ou à herança cultural que as famílias legitimamente transportam”, acrescentam os bispos, ainda de acordo com a Ecclesia.

 

Objecção de consciência no centro do debate

O manifesto “em defesa das liberdades de educação”, que foi dinamizado pelo ex-reitor da Universidade Católica Portuguesa, Manuel Braga da Cruz, e por outro antigo professor da mesma UCP, Mário Pinto, defende que as políticas de educação devem respeitar “a objecção de consciência das mães e pais quanto à frequência da disciplina de Educação para a Cidadania e o Desenvolvimento, cujos conteúdos, aliás de facto muito densificados do ponto de vista das liberdades de educação em matéria cívica e moral, não podem ser impostos à liberdade de consciência”.

É neste ponto da objecção de consciência – que não aparece referida pelos bispos – que a posição do episcopado aparenta ser mais prudente do que a do manifesto.

Nesse abaixo-assinado, defende-se que “as políticas públicas de educação, em Portugal, respeitem sempre escrupulosamente, neste caso e em todos os demais casos análogos, a prioridade do direito e do dever das mães e pais de escolherem ‘o género de educação a dar aos seus filhos’, como diz, expressamente por estas palavras, a Declaração Universal dos Direitos Humanos”.

A existência do manifesto levou, entretanto, o Chega a apresentar um projecto de resolução no Parlamento que prevê que a disciplina de Cidadania passe a ser facultativa. Já nesta semana, o CDS – alguns dirigentes ou ex-dirigentes são também subscritores do manifesto – seguiu também a mesma opção, apresentando já nesta semana um projecto idêntico.

Entretanto, além do debate público que tem havido nas páginas de jornais e nos outros média, surgiu também um manifesto de sinal contrário, em defesa da disciplina de Cidadania, que até dia 7 tinha sido assinado por cinco mil subscritores.

Na origem desta polémica, está um caso particular ocorrido em Famalicão, onde os pais de dois alunos invocaram objecção de consciência à disciplina, por causa das temáticas sobre sexualidade e igualdade de género incluídas nas temáticas que podem ser abordadas (o guião das matérias pode ser consultado aqui; o capítulo sobre afectos e sexualidade está sobretudo a partir da página 75).

Num debate realizado segunda-feira, 7, na Renascença, entre Braga da Cruz e o secretário de Estado da Educação, João Costa, este garantiu que os alunos em causa irão, para já, passar de ano.

(O registo do debate em vídeo pode ser visto a seguir)

 

A assembleia da CEP irá reunir em assembleia plenária entre 11 e 13 de Novembro, para debater duas propostas de documentos: as “Normas para a Proteção de Menores e Pessoas Vulneráveis na Igreja” e uma reflexão sobre a pandemia e os desafios pastorais que ela coloca à Igreja Católica. No dia seguinte, ainda em Fátima, os bispos celebram uma eucaristia pelas vítimas da pandemia de covid-19 no país.

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This