Bispos mexicanos pedem investigação de possível massacre de migrantes na fronteira com EUA

| 30 Jan 21

Migrantes, México, massacre

Foto: Direitos reservados

 

Depois de terem sido encontrados em Camargo (no México, perto da fronteira com os EUA), no passado dia 23 de janeiro, 19 corpos baleados e queimados que se pensa serem de migrantes guatemaltecos, os bispos mexicanos divulgaram esta sexta-feira, 29, uma carta em que expressam a sua “dor e indignação” e exigem “que se esclareçam os factos e circunstâncias do massacre, de modo que um crime desta natureza não fique impune”.

Na nota, conta o Vatican News, os bispos recordam outros massacres que aconteceram em anos anteriores e sublinham que “o que não se resolve, repete-se”, apelando ao sentido humanitário dos governos da Guatemala e do México para uma maior proteção aos migrantes que saem dos seus países para “salvar a sua vida e das suas famílias”.

A Rede Clamor (Conselho Latino-Americano para os Migrantes, Refugiados e Vítimas de Tráfico) foi a primeira a manifestar a “dor e indignação perante a notícia do massacre” em Camargo, Tamaulipas (leste do país, do lado do Golfo do México) no dia 23 de janeiro. O massacre terá sido cometido por grupos de crime organizado e a Rede Clamor insiste em que se devem apurar as responsabilidades pelo crime, refere o Vatican News.

 

125 padres e católicos alemães assumem publicamente condição LGBTQI

Manifesto inédito em todo o mundo

125 padres e católicos alemães assumem publicamente condição LGBTQI novidade

Um total de 125 pessoas, incluindo vários padres, trabalhadores a tempo inteiro ou voluntários na Igreja Católica nos países de língua alemã, anunciam hoje a sua condição LGBTQI+. A iniciativa tem o título #OutInChurch. Por uma Igreja sem medo e acompanha, também, a emissão de um documentário televisivo. É a primeira vez na história, em todo o mundo, que um grupo de crentes se assume deste modo, colectivamente, na praça pública.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

A roseira que defende a vinha: ainda a eutanásia

A roseira que defende a vinha: ainda a eutanásia novidade

Há tempos, numa visita a uma adega nacional conhecida, em turismo, ouvi uma curiosa explicação da nossa guia que me relembrou imediatamente da vida de fé e das questões dos tempos modernos. Dizia-nos a guia que é hábito encontrar roseiras ao redor das vinhas como salvaguarda: quando os vitivinicultores encontravam algum tipo de doença nas roseiras, algum fungo, sabiam que era hora de proteger a vinha, de a tratar, porque a doença estava próxima.

Um caderno para imprimir e usar

Sínodo 2021-23

Um caderno para imprimir e usar

Depois de ter promovido a realização de dois inquéritos sobre o sínodo católico 2021-23, o 7MARGENS decidiu reunir o conjunto de textos publicados a esse propósito num caderno que permita uma visão abrangente e uma utilização autónoma do conjunto. A partir de agora, esse caderno está disponível em ligação própria.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This