Surpresa após polémica sobre Papa Wojtyla

Bispos polacos decidem criar comissão independente para investigar abusos

| 15 Mar 2023

“Os bispos, que, até hoje, apenas em algumas dioceses fizeram levantamentos de situação quanto a abusos, dizem à comissão que deve ‘mostrar o conteúdo [dos arquivos] na sua totalidade, levando em consideração a lei e o estado de conhecimento, bem como o contexto sociocultural’.” Foto © Konferencji Episkopatu Polski (Conferência Episcopal Polaca)

Os bispos polacos vão criar uma comissão independente de especialistas para estudar os abusos de crianças na Igreja ao longo das últimas décadas, o que representa uma inversão total da posição até aqui mantida pelo episcopado daquele país.

A medida, adotada por unanimidade, foi anunciada esta terça-feira, 14 de março, pelo arcebispo primaz Wojciech Polak, no final de uma sessão plenária da Conferência Episcopal, em Varsóvia, e segue-se ao grande clamor oficial e na opinião pública gerado pelas notícias de que, enquanto arcebispo de Cracóvia, o cardeal Karol Wojtyla e futuro Papa João Paulo II teria encoberto alguns casos de padres abusadores.

O arcebispo primaz disse que a comissão independente incluirá historiadores, advogados e psicólogos, abarcará todas as dioceses e as ordens religiosas e trabalhará sobre os arquivos da Igreja Católica e os do Estado polaco, não tendo sido esclarecido se, a exemplo de Portugal e de outros países, aceitará escutar depoimentos e denúncias dos afetados.

Manifestou, entretanto, a vontade de que o resultado possa ser “de grande ajuda para as vítimas”, uma vez que estas “precisam da verdade”.

A tarefa da comissão, acrescentou Polak, será “examinar diligentemente os documentos, relativos à resolução de casos de crimes sexuais de alguns clérigos contra menores (…) a fim de mostrar o conteúdo na sua totalidade, levando em consideração a lei e o estado de conhecimento, bem como o contexto sociocultural”, segundo citação do site Notes from Poland.

A Comissão e a tarefa de que será incumbida constituem talvez a resposta mais consistente dada pelos bispos ao impacto suscitado por um livro recentemente publicado sobre o caso da Arquidiocese de Cracóvia, o qual deu origem a um documentário que foi exibido recentemente num canal televisivo privado, na Polónia, desencadeando um coro de protestos, tanto da Igreja como do Estado, como o 7MARGENS noticiou.

Por isso, na declaração final de sua plenária desta semana, os bispos voltaram a falar de tentativas “sem precedentes” de “desacreditar a pessoa e a obra de São João Paulo II”, apelando “a todos a que respeitem a memória de um dos nossos mais importantes compatriotas” e agradecendo aos que defenderam o “bom nome” do Papa Wojtyla.

Também o Papa Francisco, numa das entrevistas (a La Nación) que deu a propósito dos dez anos de pontificado, defendeu aquele seu predecessor, entretanto canonizado, considerando que os atos deveriam ser julgados “de acordo com os padrões da época”. E, “naquela época, tudo era encoberto”, observou.

Os bispos, que, até hoje, apenas em algumas dioceses fizeram levantamentos de situação quanto a abusos, dizem à comissão que deve “mostrar o conteúdo [dos arquivos] na sua totalidade, levando em consideração a lei e o estado de conhecimento, bem como o contexto sociocultural”.

É de admitir que haja bastante matéria para investigar. Em 2020, o Vaticano sancionou o cardeal Henryk Gulbinowicz, ex-arcebispo de Wroclaw (Breslávia) e, em 2021, na sequência de investigações iniciadas no ano anterior, puniu dois bispos daquele país por não terem assumido com diligência os seus deveres relativamente a vários casos de abusos.

 

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses

Sucedendo a José Diogo Ferreira Martins

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses novidade

A psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da direção nacional da Associação dos Médicos Católicos Portugueses (AMCP). A médica, que trabalha na Casa de Saúde do Telhal (Sintra) e é uma das responsáveis pelo Gabinete de Escuta do Patriarcado de Lisboa, foi eleita por unanimidade no passado sábado, 13 de abril, para o triénio 2024-2026.

Cristianismo e democracia

Cristianismo e democracia novidade

Em tempo de comemoração dos cinquenta anos da revolução de 25 de abril, penso dever concluir que o maior legado desta é o da consolidação do Estado de Direito Democrático. Uma consolidação que esteve ameaçada nos primeiros tempos, mas que se foi fortalecendo progressivamente. Esta efeméride torna particularmente oportuna a reflexão sobre os fundamentos éticos da democracia. [Texto de Pedro Vaz Patto]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã

Alfredo Teixeira em conferência dia 16

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã novidade

Podem algumas canções de intervenção ligadas à Revolução de 25 de Abril de 1974 relacionar-se com o catolicismo? O compositor e antropólogo Alfredo Teixeira vai procurar mostrar que há uma “afinidade” que une linguagem bíblica e cristã à música de Zeca, José Mário Branco, Lopes-Graça, Adriano Correia de Oliveira, Sérgio Godinho e outros.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This