Bispos preocupados com “paróquias insolventes” e sustentabilidade das IPSS

| 16 Abr 2021

foto CEP 1, bispos

Bispos admitem que há já paróquias “insolventes do ponto de vista da sua administração local” e estão apreensivos com a sustentabilidade de muitas IPSS. Foto © Agência Ecclesia/OC.

 

Os bispos portugueses admitem que há já paróquias “insolventes do ponto de vista da sua administração local”. Ao mesmo tempo, estão apreensivos com a sustentabilidade de muitas IPSS (Instituições Particulares de Solidariedade Social), considerando que muitas delas devem contar “com o apoio logístico e financeiro do Ministério da Saúde”, além do do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

Neste último caso, a preocupação dos bispos tem a ver sobretudo com os lares de idosos, explicou o presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP). No final da assembleia plenária, que decorreu desde segunda-feira, 12, em Fátima, o também bispo de Setúbal, José Ornelas, disse que aqueles equipamentos sociais “estão a tornar-se, praticamente, casas de cuidados paliativos”.

Ali se albergam “pessoas cada vez de maior idade” portadoras de debilidades mentais ou físicas. Os lares acabam por se tornar “casas de cuidados paliativos”, afirmou o bispo, na conferência de imprensa realizada na tarde desta quinta-feira, 15 de Abril.

O problema não se resume às instituições católicas, disse ainda D. José, mas foi sentido “particularmente no contexto da pandemia”. E exemplificou que as regras sanitárias provocaram “necessidades acrescidas também de financiamento”, com a compra de equipamentos de protecção individual, por exemplo.

Por isso, estas instituições precisam que o Estado olhe para elas, pois os contributos que recebem do Estado não se reflectem na evolução sofrida: “O apoio necessário ficou muito aquém” do que era preciso. Defendendo que o Ministério da Saúde tem também de entrar na equação, considerou que essa abordagem é “crucial para o futuro de uma correcta assistência aos cuidados paliativos e continuados no contexto do país”.

 

“Acréscimo muito grande de pedidos de auxílio”

Sobre a situação das finanças das instituições católicas, o presidente da CEP afirmou que à insolvência das paróquias se juntam situações em que já não é possível ou é difícil assegurar a remuneração de alguns párocos.

“Tenho situações concretas onde, para garantir uma remuneração às pessoas que estão ao serviço das comunidades, o pároco e não só, temos muita dificuldade”, afirmou. A situação “piorou” com a pandemia e só não é mais grave por causa da “solidariedade interparoquial e diocesana, que procura ir ao encontro destas situações”.

O bispo de Setúbal admitiu que a CEP ou as 20 dioceses do país não têm um levantamento da realidade a este nível, até pelo atraso em ter prontos relatórios de contas. Esse conhecimento, esclareceu, surge a partir dos contactos pessoais.

Tal realidade não põe em causa o funcionamento das instituições católicas de solidariedade, assegurou, que têm tido “um acréscimo muito grande de pedidos de auxílio” para pagar despesas com as rendas de casa, a água ou a luz. Todos os indicadores dizem que a situação “vai agravar-se com o fim das moratórias”; por isso, em muitos sectores, a realidade “não vai melhorar” no imediato.

Sobre a questão das vacinas, que domina neste momento as políticas de combate à covid-19, o presidente da CEP afirmou que “precisamos de pensar, sentir e agir a nível mundial”.

Respondendo a uma pergunta do 7MARGENS, sobre se a CEP defende, como o Papa Francisco, a suspensão das patentes para que se possa massificar a produção de vacinas, o bispo Ornelas afirmou: “Se ficar um país para trás, isso vai-nos custar caro no futuro. (…) Se aprendemos alguma coisa [com a pandemia], é que não queremos voltar ao que era dantes.” E, referindo-se a Portugal, disse que se o Serviço Nacional de Saúde já foi melhorado, ele precisa ainda de “uma atenção maior”.

 

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador novidade

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: senti que não acreditavam em mim

Testemunho de uma vítima

Abusos sexuais: senti que não acreditavam em mim novidade

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa

Ocaere, divindade autóctone

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa novidade

A doação de uma ara votiva romana guardada ao longo de várias décadas pela família Braga da Cruz, de Braga, enriquece desde esta sexta-feira, dia 1, o espólio do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa (MADDS), estando já exposta para fruição do público. A peça, que passou a integrar a coleção permanente daquele Museu, foi encontrada num quintal particular no município de Terras de Bouro, pelo Dr. Manuel António Braga da Cruz (1897-1982), que viria, depois, a conseguir que o proprietário lha cedesse.

Capelania da Univ. Coimbra: Promover o encontro entre ciência e espiritualidade, entre crentes e não-crentes

Contributos para o Sínodo (25)

Capelania da Univ. Coimbra: Promover o encontro entre ciência e espiritualidade, entre crentes e não-crentes novidade

Organizar iniciativas de diálogo com não-crentes e crentes de outras religiões, abrindo a Igreja à sociedade e fazendo dela um motor do progresso social e da comunhão humana; assumir a dimensão da Sinodalidade como verdadeira abertura ao século XXI; e promover o encontro entre a ciência e a espiritualidade, sempre possível, cria pontes da Igreja com as instituições de Ensino Superior – estas são algumas das propostas da comunidade da Capelania da Universidade de Coimbra, em resposta à maior auscultação alguma vez feita à escala planetária, lançada pelo Papa Francisco, para preparar a assembleia do Sínodo dos Bispos de 2023.

Alter do Chão recebe recital de voz e piano

Festival Terras sem Sombra

Alter do Chão recebe recital de voz e piano novidade

O Cineteatro de Alter do Chão acolhe este sábado, 2 de julho, pelas 21h30, um recital da soprano Carla Caramujo e da pianista Lígia Madeira, no âmbito do Festival Terras sem Sombra (FTSS). Intitulado “O Triunfo da Primavera: Canções de Debussy, Poulenc, Fragoso, Lacerda, Schubert e Wolf”, o concerto promete levar o público a diferentes geografias musicais, do século XIX ao período contemporâneo.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This