Bispos preocupados com “paróquias insolventes” e sustentabilidade das IPSS

| 16 Abr 2021

foto CEP 1, bispos

Bispos admitem que há já paróquias “insolventes do ponto de vista da sua administração local” e estão apreensivos com a sustentabilidade de muitas IPSS. Foto © Agência Ecclesia/OC.

 

Os bispos portugueses admitem que há já paróquias “insolventes do ponto de vista da sua administração local”. Ao mesmo tempo, estão apreensivos com a sustentabilidade de muitas IPSS (Instituições Particulares de Solidariedade Social), considerando que muitas delas devem contar “com o apoio logístico e financeiro do Ministério da Saúde”, além do do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

Neste último caso, a preocupação dos bispos tem a ver sobretudo com os lares de idosos, explicou o presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP). No final da assembleia plenária, que decorreu desde segunda-feira, 12, em Fátima, o também bispo de Setúbal, José Ornelas, disse que aqueles equipamentos sociais “estão a tornar-se, praticamente, casas de cuidados paliativos”.

Ali se albergam “pessoas cada vez de maior idade” portadoras de debilidades mentais ou físicas. Os lares acabam por se tornar “casas de cuidados paliativos”, afirmou o bispo, na conferência de imprensa realizada na tarde desta quinta-feira, 15 de Abril.

O problema não se resume às instituições católicas, disse ainda D. José, mas foi sentido “particularmente no contexto da pandemia”. E exemplificou que as regras sanitárias provocaram “necessidades acrescidas também de financiamento”, com a compra de equipamentos de protecção individual, por exemplo.

Por isso, estas instituições precisam que o Estado olhe para elas, pois os contributos que recebem do Estado não se reflectem na evolução sofrida: “O apoio necessário ficou muito aquém” do que era preciso. Defendendo que o Ministério da Saúde tem também de entrar na equação, considerou que essa abordagem é “crucial para o futuro de uma correcta assistência aos cuidados paliativos e continuados no contexto do país”.

 

“Acréscimo muito grande de pedidos de auxílio”

Sobre a situação das finanças das instituições católicas, o presidente da CEP afirmou que à insolvência das paróquias se juntam situações em que já não é possível ou é difícil assegurar a remuneração de alguns párocos.

“Tenho situações concretas onde, para garantir uma remuneração às pessoas que estão ao serviço das comunidades, o pároco e não só, temos muita dificuldade”, afirmou. A situação “piorou” com a pandemia e só não é mais grave por causa da “solidariedade interparoquial e diocesana, que procura ir ao encontro destas situações”.

O bispo de Setúbal admitiu que a CEP ou as 20 dioceses do país não têm um levantamento da realidade a este nível, até pelo atraso em ter prontos relatórios de contas. Esse conhecimento, esclareceu, surge a partir dos contactos pessoais.

Tal realidade não põe em causa o funcionamento das instituições católicas de solidariedade, assegurou, que têm tido “um acréscimo muito grande de pedidos de auxílio” para pagar despesas com as rendas de casa, a água ou a luz. Todos os indicadores dizem que a situação “vai agravar-se com o fim das moratórias”; por isso, em muitos sectores, a realidade “não vai melhorar” no imediato.

Sobre a questão das vacinas, que domina neste momento as políticas de combate à covid-19, o presidente da CEP afirmou que “precisamos de pensar, sentir e agir a nível mundial”.

Respondendo a uma pergunta do 7MARGENS, sobre se a CEP defende, como o Papa Francisco, a suspensão das patentes para que se possa massificar a produção de vacinas, o bispo Ornelas afirmou: “Se ficar um país para trás, isso vai-nos custar caro no futuro. (…) Se aprendemos alguma coisa [com a pandemia], é que não queremos voltar ao que era dantes.” E, referindo-se a Portugal, disse que se o Serviço Nacional de Saúde já foi melhorado, ele precisa ainda de “uma atenção maior”.

 

Na primeira nação cristã do mundo, está a acontecer o segundo genocídio

Nagorno-Karabakh

Na primeira nação cristã do mundo, está a acontecer o segundo genocídio novidade

Não é algo que se costume referir quando se fala da Arménia, mas sem dúvida que é uma informação importante para compreender o que se passa no enclave de Nagorno-Karabakh (internacionalmente reconhecido como parte do Azerbaijão, mas governado de facto por arménios desde o colapso da União Soviética): trata-se da primeira nação do mundo a ter adotado o cristianismo como religião de Estado, no início do século IV. E o enclave, ao qual os habitantes locais chamam Artsakh, é o território ancestral de 120 mil pessoas, dos quais 98% são arménios cristãos, e lar de inúmeras igrejas e mosteiros que estão entre os mais antigos do mundo.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Vaticano anuncia

Escolhidos os temas das próximas JMJ “locais” novidade

“Alegres na esperança” (cf. Rm 12, 12) e “Aqueles que esperam no Senhor caminham sem se cansar” (cf. Is 40, 31) são os temas escolhidos pelo Papa Francisco para as duas Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ) que serão celebradas nas Igrejas particulares em 2023 e 2024, por ocasião da solenidade de Cristo Rei. O anúncio foi feito esta terça-feira, 26 de setembro, pelo Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, e divulgado pelo Vatican News.

O 7MARGENS no Sínodo católico em Roma

Editorial

O 7MARGENS no Sínodo católico em Roma novidade

Houve quem já comparasse a importância da assembleia sinodal da Igreja Católica, que na próxima quarta-feira, 4, se inicia em Roma, à que teve o II Concílio do Vaticano (1962-65): tal como então, estamos diante de uma assembleia magna que pretende traçar um diagnóstico do actual estado da Igreja e apontar caminhos de futuro ao nível da comunhão, participação e missão.

Servir sociedades destroçadas

Que espero do Sínodo católico? (2)

Servir sociedades destroçadas novidade

Espero que esta Assembleia-Geral seja um sinal de grande abertura para continuarmos a caminhar juntos. Que seja uma etapa de onde saiam um renovado entusiasmo e novos desafios para mais um ano de encontros, reflexão, propostas e concretizações por parte de grupos de católicos em todo o mundo. Que seja um momento de espanto para crentes e não crentes: “tanta coisa os separa, tantas opiniões opostas, tantos modos diferentes de expressar a fé e, no entanto… tanta vontade, tanto gosto, tanta certeza em permanecerem juntos”.

Pontes para o divino- Calendário Litúrgico Ortodoxo

Pontes para o divino- Calendário Litúrgico Ortodoxo novidade

No Cristianismo o calendário litúrgico é uma importante ferramenta para organizar e estruturar os eventos e celebrações religiosas ao longo do ano, com base em acontecimentos significativos dos Evangelhos, dos santos e da história das igrejas locais e universais. Na ortodoxia o ano litúrgico inicia-se a 1 de Setembro, tendo como primeira festa, a 8 do mesmo mês, a Natividade da Virgem Maria (Esta comemoração é como uma fonte para celebrar todas as festas do Senhor abrindo a história do Evangelho – Metropolita Epifânio).

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This