Igreja Católica no Brasil

Bispos proíbem utilização de vinho proveniente de trabalho escravo em missas

| 6 Mar 2023

padre prepara a comunhão, foto c Joaquin Corbalan

 “É recomendável que se busquem, para a celebração da missa, vinhos de proveniência sobre os quais não existam dúvidas a respeito dos critérios éticos na sua produção”, pode ler-se no comunicado da CNBB. Foto © Joaquin Corbalan.

 

Na sequência das denúncias feitas na semana passada de que diversas vinícolas brasileiras submetiam os seus funcionários a condições de trabalho equivalentes à escravidão, a Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) emitiu uma nota afirmando que os vinhos produzidos por fabricantes que violem “o respeito pela dignidade humana” não devem ser escolhidos para uso nas igrejas do país.

Mais de 200 trabalhadores foram resgatados numa operação realizada pelas autoridades brasileiras, perto das maiores vinhas da região de Rio Grande do Sul. Nos depoimentos, as vítimas relataram episódios de violência, tais como tareias com cabos de vassoura, choques elétricos e ataques com spray de gás pimenta, além de más condições de trabalho e de alojamento. Os trabalhadores denunciaram ainda práticas como multas e descontos nos salários, o que levou o Ministério do Trabalho e Emprego e o Ministério Público do Trabalho brasileiros a considerarem a situação como um regime de trabalho análogo à escravidão.

“No Brasil existem diversas vinícolas que oferecem vinho canónico. Desse modo, é recomendável que se busquem, para a celebração da missa, vinhos de proveniência sobre os quais não existam dúvidas a respeito dos critérios éticos na sua produção”, pode ler-se no comunicado, assinado pelo secretário-geral da CNBB, o bispo Joel Portella Amado.

Na opinião dos bispos brasileiros, “a Igreja tem a responsabilidade de zelar pelo tipo de vinho utilizado nas celebrações das missas”. Por isso, assegura já ter promovido “encontros com cerca de 15 vinícolas a respeito das características de tal vinho”.

A atitude da Igreja Católica brasileira foi elogiada pela organização não-governamental brasileira Educafro, dedicada à defesa dos direitos da população negra no país, mas o seu fundador, o padre franciscano e teólogo David Santos, defendeu, em entrevista ao jornal Crux, serem necessárias medidas adicionais.

Para frei David Santos, as igrejas construídas por escravos devem ser consideradas tão indesejáveis quanto o uso de vinho produzido com recurso a mão de obra escrava, pois “os trabalhadores escravos que produzem o vinho sacramental hoje são os mesmos que construíram igrejas no passado”, assinala, lembrando ainda a quantidade de outro extraído por escravos que ornamenta inúmeras igrejas no Brasil.

“Se a Igreja quiser lidar com tais contradições, terá de revisitar a sua história de colaboração com a escravatura no Brasil e tomar ações concretas para compensar os afro-brasileiros”, conclui o fundador da Educafro.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses

Sucedendo a José Diogo Ferreira Martins

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses novidade

A psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da direção nacional da Associação dos Médicos Católicos Portugueses (AMCP). A médica, que trabalha na Casa de Saúde do Telhal (Sintra) e é uma das responsáveis pelo Gabinete de Escuta do Patriarcado de Lisboa, foi eleita por unanimidade no passado sábado, 13 de abril, para o triénio 2024-2026.

Cristianismo e democracia

Cristianismo e democracia novidade

Em tempo de comemoração dos cinquenta anos da revolução de 25 de abril, penso dever concluir que o maior legado desta é o da consolidação do Estado de Direito Democrático. Uma consolidação que esteve ameaçada nos primeiros tempos, mas que se foi fortalecendo progressivamente. Esta efeméride torna particularmente oportuna a reflexão sobre os fundamentos éticos da democracia. [Texto de Pedro Vaz Patto]

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã

Alfredo Teixeira em conferência dia 16

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã

Podem algumas canções de intervenção ligadas à Revolução de 25 de Abril de 1974 relacionar-se com o catolicismo? O compositor e antropólogo Alfredo Teixeira vai procurar mostrar que há uma “afinidade” que une linguagem bíblica e cristã à música de Zeca, José Mário Branco, Lopes-Graça, Adriano Correia de Oliveira, Sérgio Godinho e outros.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This