Abusos sexuais

Bispos prometem abrir arquivos, em Abril decidem como

| 8 Fev 2022

Conferência Episcopal Portuguesa

D. Virgílio Antunes, D. José Ornelas e p. Manuel Barbosa no final da conferência de imprensa da assembleia da Conferência Episcopal Portuguesa, a 11 de novembro de 2021. Os bispos debateram o tema dos abusos sexuais, decidindo criar uma comissão para investigar a situação. Foto © António Marujo

 

O porta-voz da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) manifestou a disponibilidade dos bispos católicos para a abertura dos arquivos diocesanos à Comissão Independente que estuda casos de abusos de menores. Mas os bispos só decidirão em Abril o modo como essa abertura se fará. 

“Há disponibilidade de todos [os bispos] das dioceses, para ver o que existe nestas situações, perceber o que existe, para clarificar”, afirmou o padre Manuel Barbosa, em conferência de imprensa, após a reunião mensal do conselho permanente da CEP, que decorreu nesta terça-feira, 8, em Fátima, conforme noticiou a Ecclesia. 

Manuel Barbosa adiantou que a próxima assembleia plenária do episcopado, que decorrerá em Abril, discutirá o “modo mais adequado” de proceder para que “tudo o que lá estiver [nos arquivos das dioceses] seja conhecido, nesta área, com a colaboração da Comissão Independente”.

Esta colaboração foi assumida pelos bispos desde a apresentação da comissão liderada pelo psiquiatra Pedro Stecht, no início de Dezembro, e terá em conta “as normas em vigor”, sejam elas cíveis ou canónicas, “para que o que está nesses arquivos se venha a conhecer”. 

O padre Manuel Barbosa acrescentou, no entanto, que cada bispo diocesano tem “competência” sobre os respectivos arquivos.

Tendo isto em conta, um responsável católico alertava nesta terça-feira o 7MARGENS para a eventualidade de, havendo algum caso sobre o qual houvesse documentação mas que não interessasse a alguém que fosse conhecido, esses testemunhos poderem ser destruídos. “O Código de Direito Canónico é claro sobre o que pode ser destruído”, disse Manuel Barbosa ao 7MARGENS, colocado perante uma hipótese dessas. “Não imagino o que possa suceder”, acrescentou, dizendo que o conselho permanente não abordou qualquer possibilidade desse género. 

De qualquer modo, o Código de Direito Canónico (CDC) determina, no cânone 489, que cada Cúria Diocesana tenha um “arquivo secreto”, onde se guardam “os documentos que devem ser conservados sob segredo”.

“Destruam-se todos os anos os documentos de causas criminais em matéria de costumes, cujos réus tiverem morrido ou que tenham terminado com sentença condenatória há dez anos, conservando-se um breve sumário do facto com o texto da sentença definitiva”, diz ainda o código, que no cânone 490 indica que apenas o bispo tenha a chave desse arquivo.

Na conferência de imprensa, o secretário da CEP considerou que o tempo é suficiente para analisar toda a documentação disponível. “É importante que se faça o trabalho bem, neste processo, e não se queimem etapas”, afirmou. “É preciso encarar esta problemática com toda a frontalidade, com toda a seriedade.”

A Comissão Independente para o Estudo de Abusos Sexuais de Crianças na Igreja Católica Portuguesa irá trabalhar até ao final de 2022, mas o porta-voz do episcopado admite que a investigação se prolongue para lá daquela data. Até Julho, a comissão prevê recolher testemunhos, passando depois a uma fase de estudo sobre as constantes dos casos recebidos. 

O secretário da CEP elogiou ainda o “trabalho excelente”, que tem sido feito “com todo o sigilo” por parte da comissão, num processo que “tem de continuar” para “que se clarifiquem o mais possível estas situações, na Igreja, nos seus organismos”.

No sábado, 5 de Fevereiro, ficou decidida a criação de um grupo coordenador das comissões diocesanas de Protecção de Menores e Adultos Vulneráveis. A CEP informou que este organismo pretende “assessorar o trabalho de cada comissão diocesana, propor procedimentos e orientações comuns, ajudar em tudo o que possa proteger as vítimas e esclarecer sobre quadros normativos canónicos e civis relacionados com os processos de abuso sobre menores, tanto no que respeita ao acompanhamento da vítima como na atenção ao agressor”.

Na véspera, o 7MARGENS noticiara, em primeira mão, que a comissão de estudo iria escrever esta semana aos 308 municípios portugueses pedindo colaboração na divulgação dos contactos, de forma a chegar a pessoas que não estejam tão à vontade no uso das novas tecnologias. 

A comissão passou também a dispor de um apartado (CE Comissão Independente – Apartado 012079 – EC Picoas – 1061-011 Lisboa), além dos restantes contactos por telefone (+351 91 711 00 00), por endereço electrónico (geral@darvozaosilencio.org) ou preenchendo o inquérito disponível na página daquele organismo.

No final da primeira semana de trabalho, a Comissão de Estudo tinha recolhido já uma centena de testemunhos.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

Polícia da moralidade encerrada no Irão

Protestos a produzir efeitos

Polícia da moralidade encerrada no Irão novidade

A ausência de polícia de moralidade nas ruas de Teerão e de outras grandes cidades iranianas nos últimos meses alimentaram a especulação que foi confirmada na noite de sábado pelo Procurador-Geral do Irão, Mohammad Jafar Montazeri, de que a polícia havia sido desmantelada por indicação “do próprio local onde foi estabelecida”.

Um Deus mergulhado na nossa humanidade

Um Deus mergulhado na nossa humanidade novidade

Diante de uma elite obcecada pelo ritualismo de pureza, da separação entre puros e impuros, esta genealogia revela-nos um Deus que não se inibe de operar no ordinário e profano, que não toma preferência alguma acerca daqueles que se assumem categoricamente como sendo corretos, puros de sangue ou mesmo como pertencentes a determinada etnia ou género.

feitos de terra

feitos de terra

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, Domingo II do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 3 de Dezembro de 2022.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This