Adicionada como intenção especial

Bispos propõem oração pelas vítimas de abusos na celebração de Sexta-feira Santa

| 5 Abr 2023

celebração da Paixão do Senhor 2022, na Sé de Lisboa, foto Patriarcado de Lisboa

Celebração de Sexta-feira Santa na Sé de Lisboa, a 15 de abril de 2022. Foto © Patriarcado de Lisboa.

 

A Comissão Episcopal de Liturgia e Espiritualidade, da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), propõe a todas as dioceses do país uma intenção especial de oração pelas vítimas de abusos, para ser incluída na celebração desta Sexta-feira Santa.

“Por todas as Pessoas vítimas de abusos, para que Deus nosso Senhor conceda a cura das suas feridas, coragem aos que as acompanham, conforto às famílias e torne cada vez mais a Igreja um ambiente seguro”, refere o texto da oração, divulgado esta quarta-feira, 5 de abril, pela agência Ecclesia.

A intenção IXb, que deverá ser acrescentada à Oração Universal da referida celebração, evoca as “pessoas vítimas de abusos de poder, de consciência e sexual”.

Após esta oração, o presidente da celebração evoca os que sofrem “todo o tipo de violência”, rezando para que Deus lhes conceda o seu “abraço de compaixão, ternura e misericórdia, no tempo de purificação e reparação”.

Na Sexta-feira Santa, a Igreja Católica recorda a morte de Jesus, em dia de jejum para os fiéis, que não celebram a Missa, mas a cerimónia da Paixão do Senhor, com a apresentação e adoração da cruz.

Esta celebração decorre durante a tarde, perto da hora em que se acredita que Jesus terá morrido, nas igrejas desnudadas desde a noite anterior.

A parte inicial da celebração, a Liturgia da Palavra, tem um dos elementos mais antigos da Sexta-feira Santa, a grande oração universal, tradicionalmente com dez intenções que procuram abranger todas as necessidades e todas as realidades da humanidade.

A adoração à cruz e os vários momentos de oração apresentam-se como momentos de penitência e de pedido de perdão.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Irritações e sol na cara

Irritações e sol na cara novidade

“Todos os dias têm muito para correr mal, sim. Mas pode-se passar pela vida irritado? Apitos e palavras desagradáveis, respirações impacientes, sempre com o “não posso mais” na boca.” – A crónica de Inês Patrício, a partir de Berlim

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This