Orçamento dos EUA

Bispos querem abrir a porta à legalização de milhões de imigrantes

| 17 Set 21

migrantes eua foto sergey novikov

Alterações à lei estão a ser debatidas na Câmara de Representantes dos EUA e poderão ser um “sinal de boas-vindas para muitas famílias e para o bem comum”, consideram os bispos. Foto © Sergey Novikov.

 

Os bispos dos Estados Unidos da América expressaram esta semana o seu total apoio à inclusão de novas disposições na legislação sobre a imigração que, entre outras, abrem a porta à legalização de milhões de imigrantes indocumentados, noticiou esta sexta-feira, 17 de setembro, o Vatican News.

Na quarta-feira, 15, o bispo Mario Dorsonville, bispo auxiliar de Washington e presidente da Comissão para os Migrantes da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB ) saudou a aprovação pela Comissão Parlamentar da Câmara dos Representantes das propostas de revisão da lei. Dorsonville referiu-se às alterações como sendo um “passo importante” e um “sinal de boas-vindas para muitas famílias e para o bem comum.”

A legislação está a ser debatida na Câmara de Representantes no âmbito do próximo Orçamento do Estado e o projeto de lei proposto, no valor de 3.500 mil milhões de dólares, visa sobretudo expandir a rede de segurança social do país. Contudo, alguns congressistas democratas, apoiados pelos bispos, estão a tentar incluir na reforma geral da segurança social disposições que permitam oferecer um caminho para a cidadania a milhões de imigrantes indocumentados nos Estados Unidos.

 

Uma reforma abrangente

O bispo Mario Dorsonville lembrou que, há décadas, os bispos dos Estados Unidos “vêm propondo reformas que promovem a integração e a unidade familiar”, sublinhando que o país não pode continuar a manter à margem esses membros da sociedade, “principalmente quando, simultaneamente, depende de tantos deles para o seu bem-estar coletivo”.

Ao reiterar a necessidade de “uma reforma mais abrangente” do sistema de imigração dos EUA, o bispo repetiu os temas de uma carta enviada na semana passada pelos presidentes de cinco comissões da USCCB aos congressistas em que listavam o amplo conjunto de prioridades que os bispos americanos desejavam ver acolhidas no projeto de lei. Na declaração de quarta-feira, Dorsonville reiterou o seu apelo ao Congresso para que aprove legislação “que ajude todos aqueles que estão à margem de nossa sociedade, fortaleça as famílias, proteja a liberdade religiosa, promova o cuidado com a criação e respeite os direitos e a dignidade de cada vida humana, da conceção à morte natural.”

 

Nós somos porque eles foram. E nós seremos nos que vierem a ser.

Nós somos porque eles foram. E nós seremos nos que vierem a ser. novidade

A homenagem aos que perderam as suas vidas nesta pandemia é uma forma de reconhecermos que não foram só os seus dias que foram precoce e abruptamente reduzidos, mas também que todos nós, os sobreviventes, perdemos neles um património imenso e insubstituível. Só não o perderemos totalmente se procurarmos valorizá-lo, de formas mais ou menos simbólicas como é o caso da Jornada da Memória e da Esperança deste fim-de-semana, mas também na reflexão sobre as nossas próprias vidas e as das gerações que nos sucederão.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Parlamento aprovou voto de solidariedade com vítimas da pandemia e iniciativa cidadã

Jornada da Memória e da Esperança

Parlamento aprovou voto de solidariedade com vítimas da pandemia e iniciativa cidadã novidade

A Assembleia da República (AR) manifestou o seu apreço pela Jornada de Memória e Esperança, que decorre neste fim-de-semana em todo o país, através de um voto de solidariedade com as vítimas de covid-19 e com as pessoas afectadas pela pandemia, bem como com todos os que ajudaram no seu combate, com destaque para os profissionais de saúde.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This