Bispos querem defender e desenvolver o projecto europeu

| 27 Mar 19

Não se pode entregar a Europa nas mãos das correntes nacionalistas e populistas nem sequer sacrificar o projecto europeu no altar dos interesses nacionais. Este é o apelo saído da conferência trilateral das conferências episcopais da Suíça, França e Alemanha, que terminou terça-feira, 26 de Março, depois de três dias de debates.

Perante a o desencanto que se faz sentir em muitos países da Europa, “torna-se urgente alargar e completar os tradicionais valores europeus, como sejam a paz, os direitos humanos, a subsidiariedade e o direito, com o valor da unidade na diversidade“, afirmava o arcebispo Georges Pontier, presidente da Conferência Episcopal Francesa.

Segundo os participantes e oradores convidados, políticos e académicos dos três países, o sonho europeu só terá futuro se a Europa adquirir e investir numa autonomia estratégica perante os grandes blocos geopolíticos e, ao mesmo tempo desenvolver e apresentar ao mundo novos paradigmas de desenvolvimento. A professora Elena Lasida, do Instituto Católico de Paris, apontava três dimensões deste desenvolvimento a partir da Encíclica Laudato Si’: A Europa tem de aprofundar a interdependência (“tudo está interligado”), a reciprocidade e gratuidade (“tudo é dom”) assim como a criação e a geração em vez da produção (“tudo é frágil”).

“A Europa deve ser  um contributo para um mundo melhor”: esta intuição de Jean Monnet necessita de ser renovada, é mais actual que nunca. “Por aí nos devemos medir, também enquanto Igreja”, afirmava o Cardeal Marx.

De dois em dois anos, as conferências episcopais da Alemanha, França e Suiça promovem estas conferências trilaterais sobre temas de actualidade.

Artigos relacionados